Tratamento

Podcast Rádio Cancer Center #63 - "Como diagnostiquei e curei um câncer de cabeça e pescoço"

Linha Fina

Ouça este episódio e inspire-se com história de nossa paciente

O câncer de cabeça e pescoço é um dos mais comuns mundo afora.

No meio de uma pandemia, ele acometeu a jornalista Maria Cleidejane Esperidião. Foram tumores na amígdala e no pescoço, sendo que agora ela faz apenas consultas para acompanhamento.

Aqui, Maria fala como diagnosticou e tratou no A.C.Camargo, onde fez quimioterapia e cirurgia robótica.

Ela também dá dicas de como detectar um câncer de forma precoce e convoca as pessoas a adotarem hábitos de prevenção para evitar um eventual tumor.   

Saiba tudo neste podcast:
 

 

Se preferir, ouça este podcast em nossos agregadores de streaming: Spotify, SoundCloud, Google Podcasts e Deezer.

 

Tudo sobre o câncer de pulmão

Linha Fina

Confira uma seleção de conteúdos com as táticas de prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação para esse tipo de tumor

O câncer de pulmão é um dos mais comuns no mundo todo.

No Brasil, estima-se que, neste ano, mais de 30 mil pessoas serão diagnosticadas com câncer de pulmão. Destes casos, por volta de 60% a 80% serão descobertos em estágios localmente avançados ou metastáticos. 

Por isso há até a campanha Agosto Branco, que visa a conscientização sobre a prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento eficaz do câncer de pulmão.

No A.C.Camargo Cancer Center, os pacientes são cuidados por uma equipe multidisciplinar no Centro de Referência em Tumores de Pulmão e Tórax, que entende a necessidade individualizada de cada paciente.

Para que você saiba mais sobre o universo dos tumores de pulmão e tórax e proteja sua saúde, apresentamos a seguir dezenas de publicações.

Elas foram divididos pelas temáticas de prevenção, diagnóstico e tratamento, alguns dos pilares que definem a jornada do paciente no A.C.Camargo.

Há vídeos, podcasts, textos objetivos... Confira:

Câncer de pulmão: prevenção e fatores de risco
Especialista ensina a se proteger da doença, que é evitável em 90% dos casos

Câncer de pulmão: e-book gratuito
Saiba tudo sobre o tema ao baixar o material de graça

Mitos & verdades sobre câncer de pulmão
Materiais de construção atrapalham? E o mofo? 

Tuberculose pode causar câncer de pulmão?
Pneumologista explica as diferenças entre as doenças, como é feito o diagnóstico e a prevenção

O que o tabagismo faz com a minha saúde?
Especialistas do A.C.Camargo alertam sobre os danos causados por esse hábito

Quais são os benefícios de se largar o cigarro? E se eu parar por um ano?
Veja abaixo os benefícios para quem larga o vício

Vídeo: a prevenção 
Assista e entenda o câncer de pulmão

Cigarro eletrônico é droga?
Neste infográfico, confira as características deste dispositivo

O cigarro eletrônico é seguro?
A falsa sensação de segurança desse dispositivo esconde riscos que muitos não buscam conhecer antes de utilizá-lo

Cigarro na gravidez
Os possíveis riscos para mãe e bebê

O que acontece com o jovem que fuma?
Entenda essa perigosa relação 

Alimentos que ajudam na prevenção do câncer...
... para colo do útero, pulmão e estômago

Podcast Rádio Cancer Center #59 - Dia Mundial de Combate ao Câncer
Assista ao vídeo e aprenda a se defender

Podcast Rádio Cancer Center #14 - O cigarro eletrônico
Ouça e compreenda melhor este hábito que tem alcançado muita gente, sobretudo os jovens

Câncer de pulmão em não fumantes
Por que a incidência aumenta?

Câncer de pulmão: como fazer o rastreamento
Entenda se você tem perfil para buscar o diagnóstico precoce

Câncer de pulmão: e-book gratuito
Saiba tudo sobre o tema ao baixar o material de graça

Broncoscopia e ecobroncoscopia pulmonar: a endoscopia dos pulmões
Exames permitem visualização e biópsia do sistema respiratório feitos de forma minimamente invasiva

Vídeo: prevenção e diagnóstico precoce
Assista e entenda o câncer de pulmão

Tenho casos de câncer na família, devo me preocupar?
Ouça o podcast e saiba como se antecipar

Tomografia computadorizada 
Exame favorece o diagnóstico precoce do câncer de pulmão em fumantes

O diagnóstico precoce do câncer de pulmão
Menos casos e maior sobrevida: a importância 

Genômica, a ciência que faz diferença
Assista ao vídeo e entenda melhor como ela contribui para o combate ao câncer

Cirurgia robótica para câncer de pulmão: 7 vantagens
Técnica é utilizada em tumores pulmonares malignos e benignos, do mediastino e da parede torácica

Tenho câncer de pulmão: preciso parar de fumar?
Confira a coluna “Fala, Doutor”, que traz as dúvidas mais frequentes

Pulmão, um guia
Tudo sobre o tratamento

Vídeo: novos tratamentos no câncer de pulmão
Assista e confira os avanços

Câncer de pulmão: participe de nossos estudos clínicos
Com segurança, você pode contribuir com a ciência e ajudar a salvar vidas

Adenocarcinoma de pulmão: a transformação nos últimos 15 anos
Terapias-alvo e imunoterapia melhoraram o tratamento

O que o paciente com câncer deve saber sobre interações medicamentosas?
Chás e alguns medicamentos podem interferir na ação dos quimioterápicos 

Podcast Rádio Cancer Center - Como manter a mente calma em tempos de Covid-19
Uma conversa que ensina táticas para se reinventar e passar bem por esta atípica fase 

Vídeo: combata a disgeusia com esta salada caprese com pesto
Assista e aprenda uma receita feita para quem tem diminuição ou alteração no paladar

Tratamento oncológico e libido: entenda a relação
Fatores orgânicos ou emocionais podem desencadear problemas

Amor à Vida - Espiritualidade no Tratamento Oncológico

 Espiritualidade no Tratamento Oncológico foi o tema do grupo Amor à Vida do A.C.Camargo.

O Grupo Amor à Vida realiza encontros com o objetivo de proporcionar bem-estar físico e mental para pacientes oncológicos, seus familiares e cuidadores, através de programação com temas diversos, que podem ter relação com alguma etapa do tratamento, cotidiano, saúde, vida social, entre outros temas.

Nesses encontros, aqueles que se sentem à vontade podem compartilhar e trocar experiências semelhantes, vividas durante o período de tratamento.

Assista e saiba mais:

Câncer de fígado: quando é necessário fazer o transplante hepático

Linha Fina

Há diversos formas de tratamento para um paciente com câncer de fígado e o transplante pode ser feito em casos específicos, trazendo melhores resultados para o paciente

O câncer de fígado atingiu mais de 900 mil pessoas no mundo em 2020, segundo estimativas mais recentes. Para 2040, a expectativa é que esse número cresça para 1,4 milhão de pessoas.

O tratamento da doença não depende apenas do estadiamento (sua extensão e presença ou não de metástases), mas também das condições clínicas do paciente, principalmente da função hepática, já que em muitos casos a cirrose está associada ao câncer. 

O transplante de fígado, tanto para adultos quanto para crianças, é feito quando os tumores estão restritos ao fígado e localizados em área de difícil remoção por cirurgia.

Pioneirismo

A equipe de hepatologia e transplante hepático do A.C.Camargo Cancer Center existe desde 2001, quando um grupo de médicos do hospital foi buscar especialização em países que já realizavam transplantes de fígado, como Japão, Estados Unidos e Europa. 

Ao aperfeiçoar a técnica e trazê-la para o Brasil, a equipe conquistou índices de sobrevida superiores a 85% e é referência nacional em diversas áreas da hepatologia, como câncer de fígado, transplante hepático pediátrico (especialmente em crianças de baixo peso) e transplante de fígado intervivos em adultos e crianças, técnica em que a equipe possui uma das maiores experiências do país, com resultados comparáveis aos dos melhores centros do mundo.

Além da preocupação em oferecer um atendimento globalizado, cerca de 1/3 dos pacientes que serão submetidos a um transplante de fígado já tem câncer e o restante tem potencial e fatores de riscos altos para desenvolver algum tumor. Assim, percebemos a importância de oferecer tratamentos complementares e paralelos ao tratamento oncológico, como o transplante.

Composta por sete cirurgiões, cinco hepatologistas pediátricos e três hepatologistas adultos, nossa equipe atua de forma multidisciplinar e integrada com anestesistas, intensivistas, hematologistas, infectologistas, enfermeiras, nutricionistas, fisioterapeutas e assistentes sociais.

Como fazemos 

A equipe recebe a informação sobre um potencial doador pela Central de Transplantes. Se a condição do doador for considerada aceitável, a equipe de transplante entra em contato com o receptor designado pela Central, solicitando sua internação hospitalar.

A seguir, o paciente é avaliado por um dos membros da equipe. Enquanto o receptor é preparado, uma equipe de cirurgiões é encarregada de fazer a captação do fígado do doador. Durante a cirurgia, o órgão é cuidadosamente avaliado. Caso o fígado do doador (enxerto hepático) não seja considerado viável para o transplante, a operação é cancelada e o receptor recebe alta hospitalar.

Ao mesmo tempo, a equipe do receptor é informada sobre as condições do fígado do doador, para só então dar início à cirurgia. A cirurgia do receptor dura em média de 6 a 8 horas, consistindo na retirada de todo o fígado doente, seguida do implante do novo fígado por meio de suturas (conexões) vasculares e biliares.

Transplante intervivos

O preparo pré-operatório do candidato é semelhante ao realizado com doador falecido, e as cirurgias do doador e do receptor são programadas e realizadas simultaneamente, por duas equipes cirúrgicas.

Esperando pelo transplante

Os pacientes são submetidos a exames clínicos, laboratoriais, exames de imagem e avaliações: pré-anestésica, psicológica, dentária e nutricional. Os exames e as avaliações são realizados para a confirmação diagnóstica, a determinação de outras terapias disponíveis para o tratamento da doença hepática e o descarte de possíveis contraindicações ao transplante hepático.

As consultas são realizadas sempre com a presença de um hepatologista e um cirurgião da equipe de transplante. 
Se o paciente for considerado candidato ao procedimento, ele será incluído na lista de Transplante com Doador Falecido da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Durante o período de espera na lista de transplante, o paciente deverá manter contato com a equipe através de consultas regulares para a reclassificação de acordo com o índice de gravidade (MELD).
Pós-operatório: a evolução pós-operatória e o tempo de internação variam de acordo com as condições clínicas do paciente. Na maioria das vezes, o paciente permanece de dois a três dias na unidade de cuidados intensivos e o tempo médio de internação hospitalar varia de 10 a 14 dias.

Após a alta, os pacientes devem manter contato regular com a equipe de transplante, recebendo todas as informações e orientações necessárias para os cuidados em casa. Inicialmente, o retorno para consulta é semanal, com intervalos sucessivamente maiores até a estabilização do paciente. No longo prazo, o paciente deve retornar para consulta pelo menos a cada 6 meses.

Sinais e sintomas do câncer de fígado

•    Perda de peso inexplicável
•    Dor do lado direito na parte de cima do abdome
•    Perda do apetite
•    Náusea ou vômitos
•    Febre
•    Cansaço ou fraqueza
•    Inchaço do abdômen
•    Presença de caroço duro do lado direito, abaixo das costelas
•    Icterícia, que deixa a pele e os olhos amarelados e a urina escura
•    Coceira
•    Sensação de empachamento mesmo após uma pequena refeição
•    Agravamento da hepatite ou cirrose


FONTE: Dr. Eduardo Antunes da Fonseca, head de hepatologia do A.C.Camargo Cancer Center
Global Cancer Observatory
 

Dia do Psicólogo: a importância do profissional de saúde mental no tratamento contra o câncer

Linha Fina

Saiba mais sobre a sensibilidade da psicologia ao cuidar de nossos pacientes em um momento marcante como é o diagnóstico de um tumor

No dia 27 de agosto, celebramos o Dia do Psicólogo, profissional dedicado a tratar, analisar e estudar a mente humana, seus processos e comportamentos.

Em um Cancer Center como o A.C.Camargo, o papel do psicólogo é atender pacientes com câncer nas diversas fases do tratamento, considerando os aspectos emocionais e o sofrimento psíquico, trazendo acolhimento e suporte psicológico para promover a melhora no enfrentamento da doença.

Atuamos em todos os departamentos da Instituição. Muitas das vezes atendemos como interconsulta, ou seja, no atendimento ao paciente internado, chamado de atendimento beira-leito”, explica a Dra. Christina Haas Tabaray, head do Serviço de Psicologia do Departamento de Saúde Mental do A.C.Camargo Cancer Center.

Também ofereceremos suporte psicológico para a família do paciente, que muitas vezes necessita de um espaço para trabalhar seu sofrimento emocional”, acrescenta a especialista. O atendimento de suporte aos familiares é realizado quando o paciente está internado.

Além disso, a equipe de psicólogos da Instituição realiza avaliações ambulatoriais como pré-cirúrgica, pré-transplante de medula óssea e de pacientes com dificuldade de enfrentar o momento que estão vivenciando. 

Na primeira sessão de quimioterapia, fazemos uma avaliação psicológica do paciente, a fim de tranquilizá-lo em cada fase do tratamento, por exemplo”.


Dia do Psicólogo: saúde mental x câncer

Dar uma atenção cuidadosa para a saúde mental, em especial à do paciente oncológico, é importante para o tratamento e está longe de ser um tabu.

Antes, o atendimento psicológico era visto como fraqueza. Creio que esse é nosso maior desafio: demonstrar que fazer psicoterapia, ao contrário do que algumas pessoas pensam, é demonstração de força interior, de não temer lidar com as possíveis fragilidades de um momento difícil”, conta a Dra. Christina.


O diagnóstico 

Claro que receber o diagnóstico para câncer não é uma notícia fácil, mas a psicoterapia ajuda – e muito – a enfrentar o medo e a encarar a situação com outro olhar, sem julgamentos.

Vivenciar um processo de adoecimento pode desviar o paciente de sua rotina, assim como ocasionar sentimentos confusos e muita incerteza. É uma vivência marcada pela subjetividade e assim não há o ‘certo e o errado’ em como o paciente está se sentindo”, aconselha.

O medo da morte é um pensamento frequente em pacientes diagnosticados com câncer. “Durante muito tempo, a palavra câncer significava ‘morte’, e felizmente hoje não é mais assim. A evolução dos tratamentos oncológicos, técnicas cirúrgicas e de todas as especialidades que atuam junto ao paciente que recebe o diagnóstico de câncer vêm desmistificando essa ‘sentença’”, diz.

O importante é que haja um momento acolhedor e seguro para o paciente falar sobre o que desejar de forma confortável.

O psicólogo está ali, presente, para acompanhar o movimento emocional do paciente, e conversar sobre o que lhe aflige. A dica que posso dar nesta hora é: dê atenção aos sentimentos que se fazem presentes nesta fase inicial do diagnóstico. Podem surgir questionamentos sobre várias coisas... Se sentir que o enfrentamento está difícil, não hesite em procurar suporte psicológico”.

Você conhece nosso Serviço de Psicologia do Departamento de Saúde Mental? Desde 1997, realizamos um trabalho pioneiro: levar atendimento psicológico e psiquiátrico aos pacientes com câncer.

Foto perfil da Dra. Christina Haas Tabaray
"
Gosto muito da minha profissão. O que me move é saber que, de alguma maneira por meio da psicoterapia, há um encontro ‘consigo mesmo’, um diálogo interno do paciente com suas emoções e, assim, uma evolução emocional que possibilita viver melhor
Christina Haas Tabaray, head de Serviço de Psicologia do Departamento de Saúde Mental

Cirurgia endoscópica na base do crânio para tumores nasossinusais

Linha Fina

Neste infográfico, veja como a técnica cirúrgica funciona para cânceres que atingem a região do nariz 

A cirurgia endoscópica para tumores nasossinusais, aqueles que afetam a cavidade nasal e os seios paranasais, proporciona inúmeros benefícios curativos e estéticos para os pacientes.

Devido ao fato de os cânceres nasossinusais serem raros, apenas os grandes centros e cirurgiões podem realizar esta técnica – uma das maiores experiências nacionais é a do A.C.Camargo.

Até o início dos anos 2000, todas as cirurgias de câncer nasal eram realizadas com incisões faciais, seja externamente ou pelo interior da cavidade oral. Até que a operação endoscópica passou a ser adotada – são realizadas cerca de 25 cirurgias desse tipo por ano no A.C.Camargo.

Segundo o Doutor Ronaldo Nunes Toledo, cirurgião do Centro de Referência em Tumores de Cabeça e Pescoço do A.C.Camargo, esse processo de ressecção endoscópica de tumores malignos nasossinusais exige uma curva de aprendizado que leva anos. 

É necessário começar com ressecções menores, somente na cavidade nasal, e depois aprender a fechar a fístula liquórica e a transição crânio-nasal, ressecar o tumor de maneira oncológica, manusear vasos, nervos e assim por diante.

E é por isso que existem poucas pessoas que fazem essas cirurgias, porque o processo é muito longo e também há necessidade de realizar cirurgias com frequência para manter a prática. 

A seguir, entenda as vantagens da cirurgia endoscópica para tumores nasossinusais:
 

infográfico cirurgia endoscópica

 

Internação Especializada – Mais inovação no acompanhamento e no tratamento dos pacientes em um Cancer Center

Linha Fina

A fim de dar um tratamento ainda mais especializado para cada paciente, a Instituição está segmentando as unidades de internação para o atendimento dos diversos perfis assistenciais, segundo a complexidade de seus diagnósticos

O A.C.Camargo sabe que cada paciente oncológico é único e merece um tratamento personalizado.

Assim, a Instituição implementou o projeto de segmentação dos leitos, isto é, estamos separando as unidades de internação para o atendimento dos diversos perfis de pacientes, de acordo com a complexidade de seus diagnósticos, a fim de trazer ainda mais qualidade e segurança na assistência.. 

Teremos andares especializados para cada característica de atendimento:

•    Andar clínico
•    Andar cirúrgico 
•    Andar hematológico
•    Andar pediátrico (entrega já concluída)

Além dos andares de internação, inauguramos em 04/07 uma ala exclusiva para preparo de pacientes em pré-operatório, onde teremos equipe assistencial especialista na recepção e preparo para o centro cirúrgico. Após a cirurgia, o paciente será encaminhado para o andar de internação especializado. 

ala pré-operatória - Internação Especializada


Além de trazer a inovação do Andar Pré-Operatório, para maior conforto dos familiares, inaugurarmos, também em 04/07, o Lounge do Acompanhante. Nesse espaço, a família do paciente que fará cirurgia poderá acompanhar o status de seu familiar dentro do centro cirúrgico, em tempo real, e a liberação dele para o quarto. Com a liberação do paciente do centro cirúrgico, o serviço de mensageria encaminhará a família até o quarto para poder aguardar seu familiar chegar e conversar com equipe médica.
 

Lounge do Acompanhante - Internação Especializada


Início das atividades com pacientes hematológicos

Foi optado iniciar o projeto de segmentação nos andares de pacientes adultos onco-hematológicos – aqueles que tratam leucemias, linfomas e mielomas –, onde se concentram no 8º andar da unidade Antônio Prudente, com início das atividades em 18/07.

A escolha da especialidade se deu analisando a criticidade da patologia. 

Esta medida reforça o conceito de Centro de Referência implantado no A.C.Camargo, que implementa diretrizes direcionadoras para as especialidades oncológicas.

O objetivo do projeto é proporcionar um atendimento ainda mais focado e direcionado para cada perfil de paciente, concentrando esforços, estreitando a relação com o corpo clínico e com a equipe assistencial, otimizando as condutas e o tempo e, sobretudo, dando a possibilidade de o paciente ser assistido de forma integrada, em um só espaço.

Ou seja, além do corpo clínico, no andar especializado vai haver uma equipe assistencial e multiprofissional totalmente qualificada e focada naquele tipo específico de câncer – no caso, os hematológicos. 

Cada andar terá além da equipe especializada, uma política de proteção aos pacientes que atendem à criticidade do diagnóstico, para que o ambiente seja totalmente seguro e propício para o tratamento. 

Por exemplo, no caso dos pacientes hematológicos, onde no seguimento da doença há grande risco de infecção, existem políticas mais sensíveis para que a estadia do paciente seja segura não apenas para eles, mas também para seus acompanhantes.

Confira aqui as nossas políticas de internação.

Não venha para o A.C.Camargo caso apresente um dos sintomas abaixo:

• Febre
• Falta de ar ou dificuldade de respirar
• Dificuldade de retomar atividades habituais
• Diarreia e dor abdominal
• Dor de garganta
• Perda de olfato ou paladar

COVID longa e seus efeitos no paciente com câncer

Linha Fina

Entenda como eventuais sequelas tardias podem afetar pessoas em tratamento oncológico 

A COVID longa, também conhecida como síndrome pós-aguda da COVID-19, é relatada por muitas pessoas que foram infectadas pelo Novo Coronavírus, até mesmo algumas que estiveram assintomáticas durante a infecção.

Com os pacientes oncológicos, não é diferente: eles também são afetados, e os efeitos podem durar por tempo indeterminado.


A COVID longa no paciente com câncer

Pesquisas recentes revelaram que pacientes com câncer também são suscetíveis à COVID longa. 

Foi demonstrado em um estudo que 16% dos pacientes com câncer podem apresentar sequelas diversas pós-infecção de COVID-19, até mesmo no caso daqueles que apresentaram forma assintomática da doença.

Entre elas, cansaço persistente, complicações respiratórias e neurológicas.

Sequelas mais comuns:

•    Alterações da memória e do raciocínio
•    Cansaço
•    Fraqueza muscular
•    Falta de ar
•    Perda de paladar e olfato (temporária ou duradoura)
•    Agravamento de problemas de saúde que já existiam
•    Insônia 
•    Depressão 
•    Ansiedade
•    Dor de cabeça
•    Problemas de raciocínio e memória
•    Fibrose nos pulmões 
•    Fibrose nos rins

Se um paciente oncológico se identificar com as características acima, é importante que relate ao seu médico, especialista que pode avaliar o caso de forma personalizada. 

Fonte: Doutor Ivan França, Head de Infectologia do A.C.Camargo 

Podcast Rádio Cancer Center #62 - Tudo sobre pesquisa clínica

Linha Fina

O que é este tipo de estudo? Os pacientes podem se beneficiar? Há risco ao participar? Entenda tudo neste episódio com o Doutor Rodrigo Taboada e o Doutor Daniel Garcia, oncologistas clínicos do A.C.Camargo

Você sabe o que é pesquisa clínica? Esses estudos de hoje são os tratamentos que salvarão vidas amanhã. Ao participar, um paciente vai contribuir com a ciência do câncer e ainda poder ter evoluções no tratamento. 

Entre as dúvidas, que são esclarecidas neste podcast, estão:

  • O que é pesquisa clínica? Como são as fases de uma pesquisa. 
  • Qual é a importância desses estudos para a comunidade científica e para os pacientes? Como os pacientes podem se beneficiar com a participação? Esses pacientes podem ajudar a salvar vidas no futuro? 
  • O que garante aos pacientes a segurança para eles fazerem parte de um estudo clínico? Muitos acabam com medo de se tornarem cobaias? Estando em um estudo clínico, os pacientes correm algum risco? 
  • Todos os pacientes são elegíveis caso haja uma pesquisa aberta para aquele tipo de câncer que ele trata? O que define a participação ou não de um paciente?
  • O que um paciente tem que fazer para integrar uma pesquisa clínica? Ele deve perguntar para o médico dele se há algum estudo aberto? Caso o paciente desista, ele pode retomar o tratamento sem prejuízos?

Saiba tudo sobre pesquisa clínica neste podcast com o Doutor Rodrigo Taboada e o Doutor Daniel Garcia, oncologistas clínicos do A.C.Camargo:

 

Se preferir, ouça este podcast em nossos agregadores de streaming: Spotify, SoundCloud, Google Podcasts e Deezer.

 

Superação e Braile: Os Desafios na Oncologia Pediátrica

Superação e Braile: Os Desafios na Oncologia Pediátrica foi o tema do grupo Amor à Vida do A.C.Camargo.

O Grupo Amor à Vida realiza encontros com o objetivo de proporcionar bem-estar físico e mental para pacientes oncológicos, seus familiares e cuidadores, através de programação com temas diversos, que podem ter relação com alguma etapa do tratamento, cotidiano, saúde, vida social, entre outros temas.

Nesses encontros, aqueles que se sentem à vontade podem compartilhar e trocar experiências semelhantes, vividas durante o período de tratamento.


Anfitriã e Moderadora:

  • Silvia Voulliéme - Gerente de Experiência do Paciente do A.C.Camargo


Palestrantes:

  • Bianca Chaló, Professora de Braile e mãe da Nicole (paciente do A.C.Camargo Cancer Center)
  • Juliane Santos, Supervisora de Ensino no A.C.Camargo Cancer Center


Assista e saiba mais: