Mãos brancas de uma médica segurando um útero feito para aulas de medicina

Tumores ginecológicos além do colo de útero: informe-se e cuide de você!

Publicado em: 05/03/2021 - 06:03:00
Prevenção
Tratamento
Sinais e Sintomas
Tumores Ginecológicos
Colo do útero
Ovário
Endométrio
Vulva
Linha Fina

Preparamos um conteúdo especial sobre tumores ginecológicos para você saber como se manifestam no sistema reprodutor feminino 

Os tumores ginecológicos envolvem muito mais do que o câncer de colo de útero, o terceiro mais frequente em mulheres.

Estima-se que, em 2020, cerca de 16 mil novos casos de câncer de colo de útero foram diagnosticados no Brasil, assim como 6650 novos casos para câncer de ovário e 6540 novos casos para câncer de corpo de útero (ou endométrio) – não há estatísticas oficiais para os raros tumores de vulva e vagina.

Ou seja, aproximadamente 13 a cada 100 mil mulheres brasileiras desenvolveram algum câncer ginecológico no ano passado.

Abaixo, conheça um pouco mais de cada tipo de tumor ginecológico, e também formas de prevenção.


Câncer de ovário

O câncer de ovário costuma atingir mulheres após os 45 anos e tem seu pico de incidência entre os 60 e 70 anos.

O principal fator de risco é a idade, assim como não ter engravidado durante a vida, histórico prévio de endometriose e principalmente ter nascido com alguma mutação genética que aumente o risco para a doença.

"Isso ocorre em 25% dos casos de câncer de ovário, sendo os principais aqueles dos genes BRCA1 e BRCA2", explica o Dr. Glauco Baiocchi Neto, líder do Centro de Referência em Tumores Ginecológicos do A.C.Camargo Cancer Center.

Geralmente, os casos já chegam ao consultório em estágio avançado, e é recomendado que o tratamento seja feito com cirurgia e quimioterapia. Na maioria dos casos de câncer de ovário, a doença já está disseminada na pelve e abdome. Para esse diagnóstico, na maioria das vezes não é possível preservar o útero e os ovários e a mulher pode ficar infértil.

"O uso de anticoncepcional regular é fator de proteção para o câncer de ovário", diz o especialista. "Contraceptivos de emergência, como a pílula do dia seguinte, não alteram o risco de surgimento do câncer".

Muitas vezes, o câncer de ovário é silencioso, mas também pode apresentar sintomas, como desconforto abdominal, sensação de empachamento, náuseas, diarreias e dor na relação sexual.

É fundamental consultar um(a) médico(a) ginecologista no aparecimento de sintomas – tal profissional poderá indicar o melhor contraceptivo para sua realidade.


Câncer de endométrio

O endométrio é o tecido que reveste o interior do corpo do útero.

O câncer de endométrio geralmente apresenta sintomas e todos merecem uma visita ao seu médico(a) ginecologista. “Sangramento pós-menopausa pode indicar câncer de endométrio. Mas a paciente também pode se queixar de dores na pelve e sentimento de ‘massa’ na região pélvica”, diz o Dr. Glauco.

O principal fator de risco para o câncer de endométrio é a obesidade.

“Pacientes que fazem o não controlado de medicamentos de reposição hormonal, principalmente de estrogênio isolado, têm chances altas de desenvolver a doença”, conta o especialista.

Mulheres que nunca tiveram filhos (nulíparas) também têm chances maiores de desenvolver a doença.

Dispositivos intrauterinos como o DIU de cobre ou hormonais não causam o surgimento da doença. “Inclusive o DIU com progesterona diminui muito o risco de aparecimento do câncer de endométrio”, afirma o Dr. Glauco.

O tratamento do câncer de endométrio pode ser feito com técnicas minimamente invasivas, como a laparoscopia e cirurgia robótica.

Dependendo do tipo de câncer e de seu estadiamento, quimioterapia e radioterapia também podem ser usadas no tratamento.

“A cirurgia ainda é o método padrão que utilizamos no tratamento da doença. É retirado o útero, acompanhado das trompas e dos ovários, assim como são avaliados os gânglios linfáticos da pelve e retroperitônio”, explica o doutor.


Câncer de vulva

A vulva é a parte externa do sistema reprodutor feminino e é formada pelos lábios maiores e menores, clitóris, introito vaginal e glândulas de Bartholin, que ajudam a lubrificar a vagina durante o sexo.

Cerca de 40% dos tumores originados nesta região quase sempre estão relacionados com o HPV de alto risco, assim como a idade avançada e a atrofia da vulva.

Os principais sintomas do câncer de vulva são nódulo vermelho na região, úlceras, ardência na área genital, dor ao urinar e sangramento fora da menstruação.

Mulheres idosas são o grupo de risco e devem ficar atentas. Esse grupo desenvolve atrofia da vulva – condição natural do organismo que diminui a produção de estrogênio e que afeta entre 60 a 80% das mulheres durante a menopausa –, algo que influencia no desenvolvimento do câncer de vulva, assim como a líquen escleroso, uma doença inflamatória.

“É importante ressaltar que o tratamento do câncer de vulva depende da evolução local do tumor, que pode tratado com sua retirada total ou até mesmo a retirada de toda a vulva com os gânglios da região da virilha”, explica Dr. Glauco.

Apesar de raro, o câncer de vulva merece atenção especial. A vacina contra o HPV ajuda a prevenir a doença e, caso a paciente note alguma alteração na vulva, deve procurar um(a) médico(a) ginecologista.


Sinais e sintomas

Fique atenta aos sinais e sintomas dos tumores ginecológicos e não deixe sua saúde para depois. Confira nossa página especial sobre o tema, informe-se e compartilhe com suas amigas! 

Em caso de dúvidas, marque uma consulta com algum de nossos especialistas. Quem tem câncer, tem pressa.

Tumores ginecológicos: um infográfico para a prevenção

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Gente do Banco de Sangue: conheça Eloir Domingos
Uma conversa tira-dúvidas com a enfermeira que está à frente desse departamento Há quanto tempo você trabalha no Banco de Sangue? Cinco anos e 11 meses, porém já atuo há 10 anos como enfermeira especialista em hemoterapia. A agulha de doação de sangue dói mais...
Inovações no tratamento dos tumores do trato gastrointestinal (TGI) são destaques do Next Frontiers 2019
Medicina personalizada, discussões de casos clínicos e atualização sobre o que há de mais moderno estarão presentes nos painéis sobre TGI alto e baixo Imunoterapia e cirurgia robótica nos tratamentos do câncer gástrico. As síndromes hereditárias associadas a esse tipo de câncer. Os tratamentos moleculares...
Podcast Rádio Cancer Center #43 - O HPV e sua relação com o câncer de colo do útero
A infecção por HPV, o papilomavírus humano, tem relação importante com o câncer de colo do útero. O câncer de colo do útero é o terceiro mais frequente entre mulheres no Brasil, descontando-se o tumor de pele não-melanoma. A estimativa é de que 16.590 novos...
Atendimento oncológico protegido: a rotina de nossos médicos durante a pandemia
Câncer e covid-19: em tempos de pandemia, todo cuidado é pouco, ainda mais para pacientes diagnosticados com câncer. O tratamento contra a doença traz muitas preocupações e dúvidas e os pacientes devem tomar todo cuidado para evitar uma possível contaminação por vírus ou bactérias. A...
Papanicolau é a principal forma de rastreamento de câncer do colo do útero
Exame é simples, rápido e eficaz para detectar lesões pré-malignas de forma precoce O câncer do colo do útero é o quarto tipo de tumor com maior prevalência entre as mulheres, com exceção dos casos de pele não melanoma. Segundo o Instituto Nacional de Câncer...