Os exames essenciais para diagnosticar o câncer de mama em mulheres com alto risco

Publicado em: 08/10/2019 - 16:10:14
Diagnóstico
Pesquisa
Exames
Tumores de Mama

Pesquisador do A.C.Camargo Cancer Center publica artigo que discute os papéis da mamografia e da ressonância magnética

A ressonância magnética é reconhecidamente a modalidade de exame de imagem mais precisa para o rastreamento do câncer de mama em mulheres com alto risco. Mas a mamografia não seria também necessária nessa população? 

As formas de detecção desse tipo de tumor foram discutidas no artigo Breast Cancer Screening In High-Risk Women: is MRI Alone Enough? (Rastreio do Câncer de Mama em Mulheres com Alto Risco: a Ressonância Magnética é Suficiente?).

Trata-se de um editorial publicado na revista científica Journal of the National Cancer Institute, da Universidade de Oxford, cuja coautoria é de Almir Bitencourt, médico titular do Departamento de Imagem do A.C.Camargo Cancer Center.

Instituições de peso como a National Comprehensive Cancer Network e a Sociedade Americana do Câncer, por exemplo, recomendam a realização de uma ressonância magnética da mama anual para mulheres que integram o grupo de alto risco, que devem ser feitas a partir dos 25 anos de idade, no máximo a partir dos 30.

Além da ressonância, a diretriz dessas instituições prevê que as mulheres se submetam também à mamografia, a partir dos 30 anos.

 

Alto risco de câncer de mama

Mulheres com os seguintes fatores de risco têm maior chance de desenvolver câncer de mama: quem carrega o histórico de radioterapia torácica entre 10 e 30 anos; portadoras de mutações BRCA e suas parentes de primeiro grau; portadoras da síndrome de Li-Fraumeni e outras síndromes de predisposição de alto risco; chance de câncer de mama igual ou superior a 20%, com base em modelos de avaliação de risco como a hereditariedade. 

 

Afinal, a ressonância é suficiente?

“Como a ressonância apresenta maior sensibilidade para o diagnóstico de câncer de mama, alguns trabalhos mais recentes sugerem que a mamografia acrescenta pouco ao rastreamento em alguns subgrupos”, afirma o Dr. Almir Bitencourt. 
“Por exemplo, o estudo de Chiarelli et al. demonstrou que a mamografia não apresenta benefício nas pacientes abaixo de 40 anos”, complementa o especialista, em referência à pesquisa Performance Measures of Magnetic Resonance Imaging Plus Mammography in the High Risk Ontario Breast Screening Program, publicada na mesma revista.

Além disso, a ressonância é um método preferível de rastreamento nessa faixa etária, pois não emite radiação.

“Nas pacientes com idade mais avançada, especialmente de 50 a 69 anos, continua sendo importante associar a ressonância à mamografia”, avisa Almir Bitencourt.

Novos estudos devem ser realizados para garantir a melhor estratégia de rastreamento para essa população.

Para conferir o artigo completo (em inglês), clique aqui.

Veja também

Hepatite: vacinação e relação com o câncer
Imunização ajuda a blindar contra tumores de fígado; conheça os tipos da enfermidade e saiba quais deles podem evoluir Hepatite, uma doença responsável por cerca de 1 750 000 mortes no planeta, anualmente, segundo a Organização Mundial da Saúde. Mortes estas vindas de complicações das...
Participamos de um importante estudo sobre o impacto global do câncer que mostra aumento de casos no mundo, suas causas e perfil da doença em 195 países
17,2 milhões de casos novos e 8,9 milhões de mortes em 2016. Entre 2006 e 2016, a incidência de casos de câncer no mundo aumentou em 28%. Em 2016, tivemos 17,2 milhões de novos casos da doença no planeta e 8,9 milhões de mortes. Os...
Transplante de medula óssea: saiba tudo sobre o procedimento
Daniel Garcia, oncologista clínico, e Jayr Schmidt, head de Hematologia, assinam série de artigos com informações sobre o tratamento O transplante de medula óssea, também chamado de transplante de células hematopoiéticas, pode ser utilizado para o tratamento de alguns tipos de câncer e também para...
Estudo multicêntrico latino-americano avalia desfechos em pacientes com câncer de canal anal metastático
O câncer de canal anal, apesar de ser considerado uma neoplasia rara, vem apresentando um aumento de sua incidência, mas conta com poucos dados na literatura a respeito do prognóstico e de um melhor tratamento. Ele apresenta como fatores de risco a infecção pelo HPV...
Cientistas debatem o papel da análise dos genes no pré-natal para diagnóstico de doenças hereditárias
Hospital A.C.Camargo apresenta... Conferência de Genômica Médica – 13 de março de 2013 A Genômica voltada para a Medicina Fetal será abordada com grande enfoque na Conferência de Genômica Médica, evento que acontece em 13 de março, em São Paulo, reunindo palestrantes do A.C.Camargo –...