Nefrostomia guiada por tomografia é eficaz para melhorar a função renal

Publicado em: 08/10/2019 - 09:10:57
Pesquisa
Tratamento
Exames
Tumores Urológicos

Pesquisa desenvolvida no A.C.Camargo Cancer Center avalia procedimento necessário quando há obstrução das vias urinárias na pelve

A nefrostomia percutânea é a colocação de um dreno diretamente no interior do rim. Esse procedimento é necessário quando há uma obstrução das vias urinárias na pelve, que impede a drenagem normal da urina para a bexiga.

A medida pode ser implementada para pacientes com tumores da bexiga, tumores avançados de útero e próstata. Ou, ainda, quando ocorrem algumas complicações – que exigem cirurgia ou radioterapia – e nos tratamentos de fístulas e infecções. 

“Nesses casos, a nefrostomia melhora a função renal do paciente”, afirma Paula Nicole Barbosa, médica radiologista do departamento de imagem e orientadora da pós-graduação do A.C.Camargo Cancer Center. Ela é uma das líderes do estudo Retrospective Analysis of Computed Tomography-Guided Percutaneous Nephrostomies in Cancer Patients (Análise Retrospectiva de Nefrostomias Percutâneas Guiadas por Tomografia Computadorizada em Pacientes com Câncer).
 

Método e objetivos 

Para a construção dessa pesquisa, que foi publicada na revista científica Radiologia Brasileira, foram revisados os prontuários e os exames de imagem de 201 pacientes que se trataram no A.C.Camargo Cancer Center entre 2014 e 2016. 

“O estudo visou avaliar as taxas de sucesso do procedimento, fatores de risco de complicações ou insucesso, como forma de escolher casos e pacientes que mais devem se beneficiar do uso da nefrostomia”, explica a Dra. Paula Nicole. 

Contratempos ocorreram em 9,5% dos casos, e uma intervenção adicional foi necessária em 36,6% deles – basicamente para reposicionamento do cateter. “Hemorragias e hematomas são as complicações mais comuns, bem como a impossibilidade de posicionamento do cateter, mas em sua maioria elas têm baixa complexidade”, avalia a médica.  
 

Tomografia na nefrostomia

Segundo Paula Nicole, a nefrostomia percutânea pode ser feita guiada por tomografia, ultrassonografia ou ainda pelo uso de raio-X.

“As vantagens da tomografia se mostram diversas: pode-se fazer a drenagem simultânea dos dois rins, reduzindo o tempo de procedimento para o paciente, melhorando a visualização das estruturas e órgãos adjacentes e tornando o procedimento mais seguro. Isso também facilita a identificação de sangramentos ou complicações”, ressalta. 

Conclusão: a nefrostomia percutânea guiada por tomografia computadorizada é um tratamento eficaz nesses casos.

Para conferir o estudo completo (em inglês), clique aqui.

Veja também

Tomografia de pele pode no futuro ajudar no diagnóstico de melanoma
Estudo do A.C.Camargo em parceria com a Universidade de Michigan busca trazer agilidade nos exames não invasivos da pele com diagnóstico cada vez mais precoce e preciso A biópsia é o atual padrão para diagnóstico do melanoma, um tipo de câncer de pele que se...
Imunoterapia, a ciência que faz diferença
Assista ao vídeo e entenda como funciona essa nova classe de medicamentos A Imunoterapia é considerada um dos principais avanços no tratamento do câncer dos últimos anos. Ela estimula o organismo a identificar as células cancerosas e atacá-las com medicamentos que modificam a resposta imunológica...
Dia Nacional de Atenção à Disfagia (20/3): problemas na deglutição devem ser tratados
Além de comprometer o bem-estar do paciente, alteração pode levar à pneumonia A disfagia é caracterizada por qualquer alteração no ato de engolir e pode trazer uma série de riscos à saúde, como aspirações de alimentos ou saliva que, se atingirem os pulmões, levam à...
Novembro Azul: é possível “não tratar” um câncer de rim ou de próstata?
Novembro Azul é o mês que reafirma a importância de as pessoas ficarem atentas a fatores de risco, sinais, sintomas e, quando diagnosticadas com um tumor urológico, aos tipos de tratamento existentes. Neste ano em particular, vivemos o dilema entre postergar tratamentos oncológicos para alguns...
Grupo de pesquisa do A.C.Camargo vai tentar desvendar segredos da imunoterapia anticâncer
A imunoterapia foi a grande vedete dos maiores congressos de oncologia nos últimos anos, mas, apesar do conhecimento até então acumulado, médicos e cientistas especulam o que ainda pode ser descoberto. É o caso do biomédico americano Kenneth Gollob, recém-contratado do A.C.Camargo Cancer Center, hospital...