Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático

Publicado em: 01/06/2020 - 16:06:30
Tratamento
Pesquisa
Imunoterapia
Tumores de Mama

Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama

O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando a mostrar seu benefício a determinados subtipos de câncer de mama.

Neste estudo, o Keynote-355, a utilização da imunoterapia, no caso uma medicação chamada Pembrolizumabe associada à quimioterapia, foi comparada ao uso somente da quimioterapia em tumores de mama triplo negativos metastáticos – estes, casos que nunca haviam recebido tratamento para doença metastática.

O que se viu foi uma diferença significativa: redução de 35% no risco de progressão da doença para aquelas pacientes que receberam Pembrolizumabe associado à quimioterapia. Estas também tinham um PD-L1 positivo. Trata-se de uma contagem que se faz das células que têm uma capacidade imune, tanto no tumor como nas células em volta.

Então, quem tinha um score maior do que 10, chegou a ter 9,7 meses de tratamento até que 50% delas progredissem, versus 5,6 meses de quem fez apenas quimioterapia – uma diferença de quatro meses em sobrevida livre de progressão.

Para se ter uma ideia, isso quer dizer que, em 12 meses, 23% das mulheres que receberam apenas a quimioterapia estavam sem progressão da doença, versus 39% das que fizeram uso do Pembrolizumabe associado à quimioterapia.

Quanto àquelas pacientes que já haviam realizado tratamento adjuvante antes de se tornarem metastáticas, embora esse subgrupo seja pequeno, a gente sabe que as que recidivaram com menos de 12 meses não tiveram tanto benefício como as mulheres que recidivaram depois de 12 meses do término do tratamento adjuvante, ou que abriram o quadro já  metastáticas.

Solange Moraes Sanches

Saiba mais:
- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

A.C.Camargo participa de estudo colaborativo sobre Sarcoma de Ewing, raro tipo de câncer ósseo
A doença é rara, daí a união de um grupo de profissionais de 15 diferentes hospitais em estudo colaborativo sobre sarcoma de Ewing, publicado na BioMedCentral Cancer. O objetivo da pesquisa "What is the Impact of Local Control in Ewing Sarcoma: Analysis of the Brazilian...
Avanços na Oncogenética
A Oncogenética é uma forma de se antecipar a um eventual tumor. Também pudera: estima-se que de 5% a 10% dos tumores malignos sejam de origem hereditária. Para isso, medidas de rastreamento podem ser adotadas, como explicou o Dr. José Claudio Casali da Rocha, head...
Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea
A Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea, comemorada entre 14 e 18 de dezembro, tem como objetivo a conscientização para a importância desse gesto que salva vidas. Para fazer parte do time de doadores, é preciso fazer o cadastro no Registro Nacional...
Os efeitos colaterais da quimioterapia
O paciente diagnosticado com câncer pode, em algum momento, ser submetido à quimioterapia e, embora não tenha a real dimensão do tratamento, já chega ao consultório médico ciente de que a abordagem é acompanhada de algumas consequências, como queda de cabelo, infecções, febre e vômito...
Como é realizado o Transplante de Medula Óssea?
No quarto e último texto da série sobre TMO, saiba mais sobre o procedimento e as medidas de prevenção de infecções Por Daniel Garcia, oncologista clínico, e Jayr Schmidt, head de Hematologia Quando a quimioterapia e/ou a radioterapia estiverem completas, será administrada uma infusão da...