Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático

Publicado em: 01/06/2020 - 16:06:30
Tratamento
Pesquisa
Imunoterapia
Tumores de Mama

Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama

O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando a mostrar seu benefício a determinados subtipos de câncer de mama.

Neste estudo, o Keynote-355, a utilização da imunoterapia, no caso uma medicação chamada Pembrolizumabe associada à quimioterapia, foi comparada ao uso somente da quimioterapia em tumores de mama triplo negativos metastáticos – estes, casos que nunca haviam recebido tratamento para doença metastática.

O que se viu foi uma diferença significativa: redução de 35% no risco de progressão da doença para aquelas pacientes que receberam Pembrolizumabe associado à quimioterapia. Estas também tinham um PD-L1 positivo. Trata-se de uma contagem que se faz das células que têm uma capacidade imune, tanto no tumor como nas células em volta.

Então, quem tinha um score maior do que 10, chegou a ter 9,7 meses de tratamento até que 50% delas progredissem, versus 5,6 meses de quem fez apenas quimioterapia – uma diferença de quatro meses em sobrevida livre de progressão.

Para se ter uma ideia, isso quer dizer que, em 12 meses, 23% das mulheres que receberam apenas a quimioterapia estavam sem progressão da doença, versus 39% das que fizeram uso do Pembrolizumabe associado à quimioterapia.

Quanto àquelas pacientes que já haviam realizado tratamento adjuvante antes de se tornarem metastáticas, embora esse subgrupo seja pequeno, a gente sabe que as que recidivaram com menos de 12 meses não tiveram tanto benefício como as mulheres que recidivaram depois de 12 meses do término do tratamento adjuvante, ou que abriram o quadro já  metastáticas.

Solange Moraes Sanches

Saiba mais:
- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Vídeo: a evolução do tratamento cirúrgico no câncer de intestino
Nos últimos 20 anos, o tratamento cirúrgico do câncer de intestino avançou bastante. É possível, hoje, retirar pequenos tumores até por colonoscopia. Há ainda as cirurgias por videolaparoscopia e robótica. Assista ao vídeo e entenda mais sobre o tema com Samuel Aguiar, cirurgião oncológico e...
Câncer de próstata: sinais, sintomas e um manual completo de informações sobre cirurgia
O câncer de próstata deverá acometer 65.840 brasileiros e causar quase 15.576 mortes em 2020, segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca). É o segundo tumor mais comum entre os homens no país, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. Na maioria das vezes...
Pesquisa aponta aumento da incidência de câncer de orofaringe associado a infecção por vírus HPV
Neste Julho Verde, mês de conscientização sobre o combate aos tumores de cabeça e pescoço, conheça este estudo feito na cidade de São Paulo, que analisou mais de 15 mil casos de câncer de boca e orofaringe O papilomavírus humano (HPV) é um vírus que...
Interações medicamentosas: avanços na investigação
Publicado em periódico do European Institute of Oncology, artigo analisa impactos de se associar inibidores da bomba de prótons ao tratamento Interações medicamentosas representam um risco relativamente alto para pacientes oncológicos. Estima-se que cerca de 30% deles estão expostos a combinações de drogas potencialmente perigosas...
Câncer ginecológico e oncogenética: entenda a importância dessa relação
Com o exame de rastreamento dos genes BRCA1 e BRCA2, é possível identificar famílias com maior probabilidade de ter câncer de ovário e de mama – e existem novos medicamentos específicos para o tratamento desses casos. Entre 15% e 20% das pacientes que têm câncer...