HPV, a vacina vital que previne vários tipos de câncer

Publicado em: 10/01/2020 - 10:01:54
Prevenção
Diagnóstico
Epidemiologia
Tumores Ginecológicos

Segura, essencial e subutilizada, a imunização contra o papilomavírus humano pode evitar o desenvolvimento de tumores de colo do útero, orofaringe e ânus, entre outros 

HPV e sua vacina. Tema importantíssimo, mas negligenciado muitas vezes por desconhecimento e preconceito.

Embora haja consolidados programas nacionais de imunização em boa parte do Brasil e da América Latina, eles seguem sendo pouco utilizados. 

É que, para conseguir uma melhor proteção ante a infecção pelo papilomavírus humano (HPV), a vacina deve ser aplicada cedo.

Se isso não é feito, há um terreno fértil para a infecção por HPV, que pode desencadear, em casos extremos, em variados tipos de câncer. 


HPV e os tumores 

A infecção pelo HPV é comum, mas regride espontaneamente na maioria das vezes. 

Quando a infecção persiste e é causada por um tipo viral oncogênico, ocasionalmente acontecem lesões precursoras. Estas, se não identificadas e tratadas, podem evoluir para um câncer. 

“Ocorre principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis e orofaringe”, explica Andréa Gadêlha, oncologista clínica do A.C.Camargo Cancer Center.


Por que vacinar tão cedo contra HPV e quais as barreiras para uma maior adesão à vacinação?

Em 2014, o Ministério da Saúde implantou no SUS a vacinação gratuita tetravalente contra o HPV em meninas entre 9 e 13 anos. Na época, a recomendação era de três doses.

Tal faixa etária foi eleita por ser a que apresenta maior benefício pela grande produção de anticorpos e por ter sido menos exposta ao vírus por meio de relações sexuais.

Em 2017, o esquema vacinal do SUS foi ampliado para meninos de 11 a 14 anos, e as garotas de 14 anos também foram incluídas – passaram a ser recomendadas duas doses com intervalo de seis meses.  

A dificuldade de alcançar crianças e adolescentes, que já não vão aos postos de saúde regularmente, como faziam na primeira infância, está longe de ser o maior problema para combater o HPV. 

De acordo com a Dra. Andréa Gadêlha, várias são as barreiras à adesão à vacinação contra HPV, que vão desde o desconhecimento – se trata de uma vacina que previne câncer – às fake news. 

“Há quem considere a vacina insegura, quem diga que está relacionada a eventos adversos. Fatores religiosos e culturais também associam a vacinação contra HPV como estímulo ao início precoce da atividade sexual, algo que não é verdade, como comprovam alguns estudos”, afirma a médica.

Em suma, é importante desmistificar esses conceitos errôneos e ratificar que a criança deve ser imunizada contra HPV da mesma forma que ocorre com outras vacinas. Essa imunização é segura e deve ser realizada antes do início da atividade sexual, onde se garante uma maior resposta protetora da vacina.

HPV vacina Doutora Andrea Gadelha

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Oncogeriatria: o desafio de tratar uma população com cada vez mais idosos
Sessão educativa do ASCO mostrou a necessidade de produzir dados específicos para o tratamento do paciente idoso e adotar comunicação mais clara que facilite a tomada de decisão Estima-se que, em 2040, 70% dos diagnósticos de câncer serão de pessoas com mais de 65 anos...
Tumores cerebrais e do sistema nervoso central: tudo sobre esses tipos de câncer
Tumores cerebrais são pouco comuns: as estatísticas mundiais apontam que, do total de tipos de câncer que existem, menos de 2% se localizam no cérebro. Mais frequentes, porém, são as metástases cerebrais de outros tumores mais incidentes, como mama ou pulmão. Já os sintomas, o...
A.C.Camargo Cancer Center oferece triagem virtual para pacientes oncológicos com sintomas de Covid-19
A plataforma de P.A. Digital indica se há necessidade do paciente se deslocar até a Unidade e ajuda a Instituição a entender a previsão de demanda de atendimento de pacientes com suspeita de infecção pelo novo Coronavírus Com o objetivo de ajudar no combate ao...
21/09: Dia Mundial do Doador de Medula Óssea
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, que tem como objetivo a conscientização sobre a importância da doação de medula óssea. O procedimento servirá para o transplante, um tipo de tratamento que visa substituir uma medula óssea doente...
Mitos & verdades sobre os linfomas
Os linfomas estão entre os tipos mais comuns de câncer entre as mulheres brasileiras, considerando que o linfoma não Hodgkin ocupa a décima posição, com 5.540 novos casos em 2020, de acordo com a projeção do Instituto Nacional do Câncer (INCA). Esses tipos de tumor...