CAR-T Cells podem se firmar como uma mudança de paradigma para o tratamento do câncer

Publicado em: 26/06/2021 - 10:06:46
Tratamento
Pesquisa
Biologia celular
Neoplasias Hematológicas
Leucemia
Linfoma de não-Hodgkin
Next Frontiers
Linha Fina

Conferência Magna do Next Frontiers to Cure Cancer contou com uma aula do Dr. Cameron Turtle, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle 

A terapia com CAR-T Cells é uma das grandes novidades no tratamento para cânceres hematológicos, entre eles, leucemias e linfomas. 

Essa inovação, inclusive, motivou o tema da segunda Conferência Magna do Next Frontiers to Cure Cancer: Fatores que Governam os Desfechos da Imunoterapia com Células CAR-T

Um painel protagonizado pelo Dr. Cameron Turtle, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle. 


CAR-T Cells: o que são 

As CAR-T Cells são terapias personalizadas e agem em alvos específicos, usando células do paciente e não medicamentos sintéticos. 

Trata-se de células de defesa do organismo, que são extraídas do paciente e moldadas em laboratório para combaterem seu próprio tumor. 

Depois, são infundidas de volta no paciente. Ou seja, elas atuam reprogramando as próprias células do paciente contra a doença. 
 

Achados 

De acordo com o Dr. Cameron Turtle, a terapia com CAR-T Cells CD19 é um exemplo de tratamento com células efetoras imunes que podem se firmar como uma mudança de paradigma para o câncer. 

“No caso da leucemia linfoide aguda e do linfoma não Hodgkin, há muito entusiasmo em relação à taxa global de resposta da CD19”, afirma o Dr. Cameron. 
 

Complexidades  

“Estamos ainda começando a entender as complexidades das abordagens com CAR-T Cells. Apesar dos sucessos em muitos casos, um dos problemas de modificar e ativar as células em laboratório é causar sua exaustão, pois são necessárias de umas a duas semanas para se fazer as modificações genéticas nos receptores ativos das células imunes (CAR-T), que reconhecem o tumor”, explica o Dr. Cameron Turtle.  

“A identificação das CAR-T Cells competentes e a previsão da resposta são questões complexas”, acrescenta. 
Segundo o especialista, a proliferação das CAR-T Cells nos pacientes está associada à dose de células infundidas, à carga de antígeno, à resposta imune e à qualidade intrínseca de células. 

“Esta proliferação e a sobrevivência das células nos pacientes são a chave para a boa resposta ao tratamento e à toxicidade”, encerra o Dr. Cameron. 

Doutor Cameron Turtle, branco, cabelo castanho
"
A proliferação e a sobrevivência das células nos pacientes são a chave para a boa resposta ao tratamento e à toxicidade.
Doutor Cameron Turtle, do Fred Hutchinson Cancer Research Center

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Oncologista do A.C.Camargo Cancer Center é premiado no 1º dia do ASCO
O ASCO 2017 nem bem começou e o A.C.Camargo Cancer Center já marcou presença, com a premiação do Dr. Daniel Vilarim Araújo, titular da nossa equipe de Oncologia Clínica. Ele foi o único brasileiro a receber o IDEA (International Development and Education Award), concedido pela...
Avanços em carcinoma renal e as necessidades do pacientes
Simpósio proporcionou um momento único para debate sobre a doença Por José Augusto Rinck Jr., oncologista clínico O Simpósio de Avanços em Carcinoma Renal foi um dia todo dedicado ao câncer de rim, com palestras e discussões sobre os mais recentes avanços terapêuticos e as...
Radioterapia do A.C.Camargo é premiada em Congresso Nacional sobre o tema
Estudo apresentado pela equipe de radioterapia do A.C.Camargo Cancer Center sobre braquiterapia – tratamento por meio do qual a radiação atinge diretamente o tumor – foi destaque como a melhor pesquisa clínica institucional no XVII Congresso da Sociedade Brasileira de Radioterapia, realizado entre 17 e...
Câncer de mama, estudos e seus achados
Confira os resultados promissores de três publicações realizadas pelos especialistas A.C.Camargo Cancer Center Câncer de mama, o tipo de tumor que mais acomete mulheres no Brasil – está atrás do câncer de pele não melanoma. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para...
Câncer de cabeça e pescoço: profissões e fatores de risco
Com participação do corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, grupo internacional de pesquisa INHANCE analisou 8839 casos; laringe apresentou a maior incidência de tumores Câncer de cabeça e pescoço: investigar as relações entre ele e os fatores de risco inerentes às ocupações foi o norte...