Teranóstica: a medicina nuclear no tratamento do câncer

Publicado em: 02/07/2019 - 09:07:29
Tratamento
Diagnóstico
Biologia celular
Tumores Urológicos

Inovador, esse conceito usa materiais radioativos para obter informações sobre tumores ao mesmo tempo em que carrega medicamentos capazes de tratá-los

Utilizada há anos para o diagnóstico do câncer, a medicina nuclear envolve o uso de substâncias radioativas, os chamados radiofármacos, que se dirigem exclusivamente às lesões, onde emissões gama fornecem ao oncologista informações sobre localização, forma e fisiologia do tumor. Agora, um novo conceito está deixando os cientistas entusiasmados: a teranóstica, que transforma esses mesmos radiofármacos, simultaneamente, em ferramenta para diagnóstico e também tratamento.

De acordo com o pesquisador Stênio Zequi, coordenador do Centro de Referência em Tumores Urológicos do A.C.Camargo, embora o conceito de aliar o diagnóstico ao tratamento já exista há décadas na medicina nuclear, há cerca de quatro anos começaram a surgir novos radiofármacos – como o lutécio e o actínio – que levaram a resultados surpreendentes no tratamento de pacientes com câncer de próstata que já haviam passado, sem sucesso, por todo tipo de terapia convencional.

“Ficamos muito entusiasmados”, disse Zequi, que é especialista em câncer de próstata. “Agora os dados começam a amadurecer e estamos vendo que as respostas são boas e a toxicidade é muito baixa.” Segundo ele, a técnica não apenas se limita a visualizar onde está a doença, mas também permite que um marcador carregue um medicamento que ataca o tumor.

 

Europa na frente

O tratamento com os novos radiofármacos para câncer de próstata já é utilizado em países da Europa, mas ainda não foi aprovado no Brasil nem nos Estados Unidos. “Não são todos os pacientes que respondem bem”, afirma Zequi. “Mas essas descobertas levaram a uma nova maneira de enxergar o tratamento e abriram uma oportunidade para o desenho de muitos outros medicamentos para diferentes tumores.”

O médico nuclear Eduardo Lima, também pesquisador do A.C.Camargo, destaca que os resultados obtidos na Europa têm sido excelentes, mas que ainda será preciso fazer estudos mais amplos.

“Temos a perspectiva de utilizar a teranóstica não só para o câncer de próstata, mas também para outros tipos de tumores”, explica Lima. “Em tese, tudo o que utilizamos como diagnóstico e que encontre bem a lesão, sem interferir com o resto do organismo, tem chance de se transformar em terapia.”

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Cirurgia Oncológica: saiba como é a residência neste vídeo
A residente Marina Canal encontrou a formação desejada no A.C.Camargo Cancer Center; assista a este capítulo da série Os Bastidores da Luta contra o Câncer e compreenda melhor essa especialidade Cirurgia Oncológica é uma paixão arrebatadora. No começo da faculdade de Medicina, porém, Marina Canal...
Fosfoetanolamina: posicionamento do A.C.Camargo sobre a "pílula do câncer"
Ontem, 14/04, foi sancionada a Lei 13.269/2016, para autorizar o uso da fosfoetanolamina no tratamento de pacientes com diagnóstico de câncer, mediante prescrição médica da substância. O A.C.Camargo Cancer Center é uma Instituição inteiramente dedicada ao cuidado de pacientes com câncer e suas rotinas são...
Coronavírus: radioterapia e quimioterapia devem ser suspensas?
Pacientes que estejam em vigência com esses tratamentos têm de discutir com o médico os riscos e os benefícios envolvidos em seus casos O Coronavírus desperta dúvidas nos pacientes oncológicos, pois as sessões de radioterapia e quimioterapia são parte fundamental na recuperação contra o câncer...
Endometriose pode virar câncer?
Endometriose, um mal que atinge cerca de 6 milhões de mulheres. A doença ocorre quando o endométrio, mucosa que reveste a parede interna do útero, cresce em outras partes do corpo. Geralmente, órgãos como ovários, trompas e peritônio são os mais afetados, causando cólicas muito...
Cientistas do A.C.Camargo avaliam impacto que “air gaps” podem causar na eficácia da braquiterapia
Publicado na Brachytherapy, revista científica da Sociedade Americana de Braquiterapia, estudo explica que eventuais bolhas de ar surgem ao redor do aplicador cilíndrico durante o tratamento – algo que o uso da tomografia para planejamento é capaz de minimizar A braquiterapia desempenha um papel importante...