Reabilitação em câncer de mama no Brasil: onde estamos e futuros desafios

Publicado em: 16/05/2019 - 20:05:38
Tratamento
Diagnóstico
Suporte e Reabilitação
Tumores de Mama

O cuidado precoce, multidisciplinar e global é necessário para a qualidade de vida das pacientes

A reabilitação é um tema de suma importância e ao mesmo tempo um desafio no cenário do câncer de mama. Além da prevalência e frequência, existem as dificuldades de acesso aos tratamentos e apoios necessários que os pacientes ainda enfrentam na realidade brasileira. O assunto foi tema do painel Reabilitação em Câncer de Mama no Brasil: onde estamos e futuros desafios, apresentado pela doutora Linamara Rizzo Battistella, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) no Pre Annual Meeting do Next Frontiers to Cure Cancer, congresso do A.C.Camargo.

Além dos esforços de reabilitação pela equipe profissional, a médica fisiatra destacou a importância do alinhamento com o paciente para o sucesso do tratamento, estabelecendo uma comunicação continuada e promovendo o autocuidado. De acordo com dados Global Burden Disease (GBD), considerado um dos maiores estudos epidemiológicos do mundo, há um aumento da prevalência do câncer de mama em relação à média global. 

“Também notamos um crescente número de óbitos no país e de mortes evitáveis, apesar da tendência global em reduzir as taxas. Isso traz um impacto imenso na sustentabilidade de todo um planeta, assim como numa geração inteira. Temos um desafio que é garantir que a pessoa com câncer tenha autonomia e sua capacidade de participação social na mesma condição de qualquer outro indivíduo, da mesma faixa etária e condição econômica.”, destaca a doutora Linamara. 

Os quatro pilares da reabilitação

Para mudarmos essa realidade, a reabilitação deve ser precoce e iniciada juntamente com o diagnóstico do câncer. Por meio de quatro pilares, o processo de reabilitação começa com as medidas preventivas; passando pelas terapêuticas, que propõem identificar a incapacidade e a construção da qualidade de vida; e, por fim, pelo “suporte e adaptação e paliativos, no qual todos os esforços em curar são limitados e só nos resta cuidar, confortar e consolar”, conta a fisiatra. 

Ambiência faz parte da reabilitação

Tudo isso deve ser feito em um ambiente acolhedor e agradável. “A ambiência é necessária e parte da estratégia da nossa humanização, que só se faz presente quando os profissionais envolvidos olham para o paciente e entendem a complexidade da doença”, diz a doutora Linamara. 

Para o estabelecimento do plano terapêutico, é necessário a abordagem do paciente do ponto de vista global e multidisciplinar, entendendo suas necessidades e funcionalidades, por meio de um diálogo. Por fim, a médica destacou a importância da avaliação da condição de saúde, que olha para a função, limitações e quais restrições a paciente apresenta ou poderá apresentar no futuro. Com isso é possível determinar o tamanho da alteração funcional, a estrutura que está comprometida e o grau de restrição. Essa avaliação também leva em consideração os fatores ambientais e pessoais, como falta de acesso a medicamentos e terapias. 
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Obesidade e a prevenção do câncer
Estimativas mostram que cerca de 600 mil brasileiros receberão o diagnóstico de câncer em 2017. E, cada vez mais, os estudos revelam que nossos hábitos podem influenciar na saúde. Com o câncer não é diferente. Tabagismo, obesidade, infecção por HPV estão entre os fatores de...
Churrasco e câncer: há relação?
Churrasco e câncer, uma relação que gera muitas dúvidas nas cabeças dos brasileiros. Afinal, aquela carninha que você (que não é vegetariano ou vegano) come com os amigos e a família poderia estar sabotando a sua saúde? Certo é que o consumo de carne vermelha...
Tumor Boards agilizam tratamento e diminuem os custos com a saúde
Os Tumor Boards são reuniões multidisciplinares que contam com a participação de cirurgiões, oncologistas clínicos, radioterapeutas, patologistas, radiologistas, pesquisadores e outros especialistas para discutir a conduta terapêutica mais efetiva para casos complexos de pacientes com câncer. A discussão de muitos substitui a opinião de um...
Lunch Meeting A.C.Camargo Cancer Center no XXIV Congresso Paulista de Obstetrícia e Ginecologia
Entre os dias 22 e 24 de agosto, o A.C.Camargo Cancer Center participa do Congresso Brasileiro de Ginecologia e Obstetrícia, no Transamerica Expo Center, em São Paulo. A Instituição estará presente com um lounge no evento e com o simpósio Controvérsias no Câncer de Mama...
Estudos retrospectivos em parceria elevam qualidade dos resultados
Com maior número de casos, colaborações entre instituições fazem com que os achados se tornem muito mais precisos Estudos retrospectivos: são várias as colaborações científicas entre médicos do A.C.Camargo e especialistas de outras entidades do exterior e do Brasil. Oncologista clínico do A.C.Camargo, o Dr...