Pólipos colorretais: a remoção é necessária para evitar um câncer

Publicado em: 18/02/2020 - 10:02:11
Prevenção
Diagnóstico
Epidemiologia
Tumores Colorretais

Entenda o que são os pólipos e os principais fatores de risco que contribuem para a formação de tumores

Pólipo intestinal é algo comum de ser encontrada em procedimentos de colonoscopia (no intestino grosso ou reto). Sempre que aparecem neste exame, os pólipos já são removidos durante o procedimento e encaminhados para biópsia.

O que muitas pessoas não sabem é que os pólipos também são removidos no exame para evitar que, futuramente, evolua para uma lesão maligna.

Mas, afinal, o que são pólipos?

O Dr. Samuel Aguiar, head do Centro de Referência de Tumores Colorretais, explica que o pólipo é uma “bolinha” em formato de cogumelo, que aparece na superfície plana da mucosa do intestino.

“O pólipo é um conjunto de células que começa a perder o controle de sua capacidade de se duplicar. Sua proliferação acontece em uma velocidade mais rápida que o normal, mas estas células estão em transição entre comuns e cancerígenas. É um tumor benigno, pois o pólipo não causa metástase e não cresce para invadir outro órgão”, explica Dr. Samuel.

Devido a essa transição entre célula normal e cancerígena, o pólipo precisa ser removido, pois cerca de 30% dos pólipos podem se tornar tumores malignos, caso não sejam removidos. “Mas, não é algo rápido de acontecer. O pólipo pode levar de cinco a 10 anos para tornar-se um tumor maligno. Neste caso, o médico precisa verificar o histórico do paciente e estabelecer quando será necessário fazer outro exame”, esclarece o médico.

A idade é o principal fator de risco

Outro ponto esclarecido por Dr. Samuel é a contínua descamação pelo qual o intestino passa, todos os dias. “A superfície do intestino está sempre descamando e se regenerando; são milhões e milhões de células por dia, em uma vida inteira. Em algum momento, pode acontecer um erro de processo, que é uma mutação. Mas, algumas mutações perdem o controle e começam a formação do pólipo. Como essa descamação acontece durante toda a vida, a chance de erro vai aumentando”, conta Dr. Samuel.
Outros fatores também contribuem para aumentar o risco de desenvolver um tumor no cólon ou no reto:

  • Alimentação: dietas ricas em carnes vermelhas, processadas ou expostas a calor intenso, como nos churrascos, estão no topo da lista dos fatores de risco, seguidas por uma dieta pobre em fibras (frutas, legumes e verduras).
  • Sedentarismo: a prática regular de exercícios físicos também ajuda a combater a obesidade, outro fator de risco para este tipo de câncer.
  • Fumo: é um fator de risco para este e outros tipos de tumores.
  • Álcool: sozinho, o consumo de bebidas alcoólicas já é um fator de risco importante, particularmente entre os chamados bebedores pesados. Combinado com o fumo, o risco se multiplica.
  • Doenças inflamatórias intestinais: as formas severas dessas doenças são raras; mas, como são crônicas, podem aumentar o risco de câncer de cólon. Entre elas, estão a colite ulcerativa e a doença de Crohn. Portadores dessas doenças precisam ter acompanhamento específico para detecção precoce do câncer.
  • Síndromes familiais: algumas famílias têm um histórico de câncer de cólon, com várias pessoas afetadas pela doença e antes dos 50 anos. Nesses casos, é importante consultar um médico e um oncogeneticista para fazer uma avaliação de risco e verificar qual a melhor forma de acompanhamento.
     

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Achados comuns de colonoscopia
Confira os principais termos encontrados nos laudos do exame, que avalia intestino grosso e reto Ao fazer uma colonoscopia, é comum encontrar alguns termos no laudo, como pólipo ou divertículo. Muitas vezes, esses nomes vêm associados a biópsia, o que pode assustar, a princípio, principalmente...
Brasileiros com Li-Fraumeni teriam menos chance que americanos com a síndrome de ter câncer colorretal precoce
Explicação seria a mutação R337H, presente apenas em pacientes nascidos em nosso país A Síndrome de Li-Fraumeni é uma doença hereditária de predisposição ao câncer relacionada a mutações germinativas: quem as tem é suscetível a um grande risco de desenvolver cânceres infantis e adultos de...
Tratamento de tumor gastrointestinal diagnosticado cedo tem sucesso acima de 60%, mas maioria dos casos é descoberta tardiamente
Dados epidemiológicos anunciados pelo A.C.Camargo, centro de referência mundial em ensino, pesquisa e tratamento de câncer, demonstram que o diagnóstico precoce de tumores gastrointestinais é fundamental para o sucesso do tratamento, possibilitando que entre 6 e 9 a cada 10 pacientes estejam vivos cinco anos...
O mundo depois da vacinação contra a Covid-19
.video-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; padding-top: 30px; height: 0; overflow: hidden; } .video-container iframe, .video-container object, .video-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; } Mais: - Agende sua consulta
Descobrindo a Ciência, um projeto que visa aproximar o público jovem do tema
No material existem experiências e outras atividades lúdicas sobre o universo científico Aproximar a ciência do público jovem por meio da difusão de conhecimentos sobre pesquisa científica e inovação aplicadas ao câncer. Eis o objetivo do caderno Descobrindo a Ciência. A iniciativa faz parte do...