Papanicolau é a principal forma de rastreamento de câncer do colo do útero

Publicado em: 29/01/2020 - 21:01:00
Prevenção
Diagnóstico
Exames
Tumores Ginecológicos

Exame é simples, rápido e eficaz para detectar lesões pré-malignas de forma precoce

O câncer do colo do útero é o quarto tipo de tumor com maior prevalência entre as mulheres, com exceção dos casos de pele não melanoma. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são aproximadamente 16 mil novos casos por ano no Brasil: quase todos são decorrentes de infecção pelo papilomavírus humano (HPV).

Transmitido por meio de relações sexuais desprotegidas, o HPV pode ser prevenido por meio do uso de preservativos e também pela vacinação. Mas, a maioria das mulheres infectadas pelo vírus não desenvolve tumores e não apresenta sintoma. Por isso, é importante fazer o papanicolau, exame de rastreamento para detecção precoce da doença.

Papanicolau

Este exame é a principal forma de detectar lesões que podem vir a desenvolver a doença. “O papanicolau é um procedimento simples que analisa amostras de células recolhidas do colo do útero, por meio de raspagem com uma espátula e escovinha. O material é analisado em laboratório e pode detectar lesões pré-cancerosas. Com isso, a paciente pode ser tratada precocemente, antes que a lesão resulte em um câncer. É um modelo muito eficaz de rastreamento”, explica Dr. Glauco Baiocchi Neto, head do Centro de Referência de Tumores Ginecológicos.
 
Todas as mulheres devem fazer o exame de acordo com a recomendação para cada idade

  • Aos 21 e 22 anos. Depois, a cada três anos.
  • A partir dos 30 anos, o papanicolau pode ser feito junto com o teste de detecção do DNA do HPV e, se ambos negativos, a cada cinco anos. 
  • Mulheres expostas ao HIV ou com problemas no sistema imunológico devem fazer o exame anualmente. 
  • Mulheres com 70 anos ou mais que tiveram três ou mais testes normais em sequência (e nenhum resultado anormal em 10 anos) não precisam continuar a fazer o exame.

Sinais e sintomas 

Dr. Glauco explica que, nos estágios iniciais, o câncer do colo do útero geralmente não apresenta sintomas e, por isso, a necessidade de fazer o papanicolau. Em casos mais avançados, a mulher pode apresentar:

  • Secreção, corrimento ou sangramento vaginal incomum.
  • Sangramento leve, fora do período menstrual.
  • Sangramento ou dor após a relação sexual, ducha íntima ou exame ginecológico.
  • Estes sintomas não necessariamente indicam a presença de um tumor, pois podem ser sinal de outros problemas ginecológicos. Em caso de dúvida, consulte seu médico.

Saiba mais sobre câncer do colo do útero 

Clique aqui e acesse a “Cartilha de câncer do colo do útero”. Este material, elaborado pela equipe do Centro de Referência de Tumores Ginecológicos, traz informações simples e didáticas com temas como etapas do diagnóstico, fatores de risco, prevenção, estadiamento e fases do tratamento.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Coronavírus: saiba como preservar o cateter
Dispositivo para infusão de quimioterápicos, ele é muito utilizado por grande parte dos pacientes oncológicos Neste cenário de pandemia do novo Coronavírus, é comum que o paciente oncológico, que já precisa de um cuidado diferenciado com a saúde, tenha dúvidas específicas. Coisas como a forma...
Mitos e verdades sobre a leucemia
A leucemia, ainda que bastante conhecida pelo público em geral, é cercada de mitos relacionados aos seus fatores de risco. Veja a seguir os mais comuns: A anemia pode se transformar em leucemia? Mito. A anemia pode ser um sintoma, mas não um fator de...
Triplo negativo, um atípico tumor de mama
Embora possa ser mais agressivo, ele apresenta perspectivas de cura quando descoberto precocemente O câncer de mama triplo negativo (CMTN) representa, em média, 15% dos casos de câncer de mama no mundo. Comparado a outros subtipos, ele é mais frequente em mulheres jovens: enquanto a...
Pesquisadores do A.C.Camargo identificam relação entre bactérias do intestino e câncer colorretal
O estudo, que ganhou destaque na Nature Medicine, mostrou que o tumor pode ter origem nas alterações da microbiota intestinal Um estudo envolvendo institutos de pesquisa de sete países em três continentes revela que o intestino de pacientes com câncer colorretal possui microorganismos diferentes daqueles...
“A vida, para mim, está apenas começando! E eu estou cheia de planos!”
“Sempre me considerei uma mulher ativa e saudável, de bem com a vida. E tenho motivos para isso: sou mãe da pequena Laura, de 12 anos, e professora do segundo ano do ensino fundamental, em uma escola em São Paulo. Ainda que a vocação exija...