Outubro Rosa: poderei engravidar após o tratamento de um câncer?

Outubro Rosa: poderei engravidar após o tratamento de um câncer?

Publicado em: 07/10/2020 - 18:10:19
Tratamento
Foco do paciente
Suporte e Reabilitação
Tumores de Mama
Linha Fina

Mulheres diagnosticadas com tumores de mama têm a opção de recorrer ao congelamento dos óvulos para preservar a fertilidade

 

Outubro Rosa: muitas pacientes, ao serem diagnosticadas com câncer de mama, podem ter receios sobre o efeito da medicação em sua fertilidade. Com os avanços tecnológicos e científicos da medicina, porém, o desejo de ser mãe biológica não precisa ser deixado de lado, necessariamente, por conta da doença.

O câncer de mama é um tumor frequente: até o fim de 2020, são esperados mais de 60 mil novos casos, muitos deles atingindo mulheres em sua idade fértil, ou seja, quando ainda ovulam, têm período menstrual e podem engravidar.

O tratamento contra o câncer de mama pode evoluir para a infertilidade em pelo menos, cerca de 40% a 50% dos casos. Isso varia conforme o tipo de tratamento empregado, e a idade da paciente. Mulheres muito jovens, por exemplo, têm uma chance maior de retorno natural da fertilidade, mas também devem realizar preservação dos óvulos.

“Quando as pacientes chegam ao consultório, o assunto da gravidez quase sempre vem à tona. Por isso, antes de iniciar o tratamento oncológico, converso sobre medidas de preservação de fertilidade, como captação de óvulos que ficam congelados para que possam ser utilizados quando a paciente puder engravidar com segurança”, explica a médica oncologista Solange Moraes Sanches, vice-líder do Centro de Referência em Tumores da Mama.

A especialista alerta que essa recomendação deve ser feita para pacientes que possuem tipos de câncer curáveis, com baixo risco de reincidência.

“Cada caso deve ser avaliado individualmente, pensando no bem-estar da paciente. Mas, caso a mulher tenha desejo de ser mãe, é válido pensar em formas alternativas de fertilização”, explica.


Gravidez e tratamento oncológico

Após o tratamento, a mulher deve tomar alguns cuidados. Nos casos em que a paciente faz o uso de hormonioterapia (com tamoxifeno, por exemplo), ela precisa esperar de três a seis meses antes de tentar uma gravidez sem a medicação.

“O tempo em que ela é liberada após o tratamento pode variar de dois anos, no caso de tumores de baixo risco, até o término do tratamento completo, em aproximadamente cinco anos. É importante ressaltar que isso é decidido de forma personalizada, a depender do risco de reincidência do tumor. Cada organismo reage à suspensão do tratamento de formas diferentes”, reforça a especialista.


Durante o tratamento oncológico

Algumas mulheres podem ser diagnosticadas com câncer durante a gravidez. Nesses casos, durante o primeiro trimestre de gestação, elas não podem receber quimioterapia, sob risco de afetar a viabilidade do bebê. 

“Em casos específicos, a paciente pode receber quimioterapia com medicamentos que não prejudicam a gravidez partir do segundo trimestre. São situações raras e de alta complexidade, que necessitam de uma avaliação rigorosa por parte da equipe médica”, diz.

O A.C.Camargo possui um Centro de Referência dedicado ao diagnóstico, tratamento e à reabilitação das pacientes diagnosticadas com câncer de mama.

É um atendimento global e personalizado, desde o diagnóstico preciso, passando pelo planejamento individualizado do tratamento, recursos para reabilitação física e emocional de cada paciente até a retomada da rotina pessoal e profissional.

Solange Moraes Sanches

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

O câncer colorretal e os impactos da Covid-19
Pacientes com câncer colorretal, claro, também foram impactados pela pandemia da Covid-19. Essa temática motivou um estudo de grande relevância: Impact of Covid-19 Pandemic on Initial Presentation of Colorectal Cancer: Barriers to Access to Cancer Care Identified from a Comprehensive Cancer Center in Brazil (em...
Exame de sangue oculto nas fezes
Simples, barato e não invasivo, este procedimento é importante para ajudar na detecção precoce do câncer colorretal O exame de sangue oculto nas fezes é uma forma muito eficiente para ajudar na detecção precoce de câncer colorretal, pois avalia a presença de pequenas quantidades de...
Pesquisa avalia câncer de tireoide e mama e a história familiar dos pacientes
É um trabalho conjunto: especialistas em câncer de grandes instituições do Brasil e do mundo que se debruçaram sobre o histórico familiar de pacientes com tumores na tireoide e na mama. A.C.Camargo Cancer Center, Unesp de Botucatu, USP, Princess Margaret, MD Anderson, University of Southern...
Outubro Rosa: retomada pós-pandemia é urgente
Em 2019 a área de mastologia do A.C.Camargo Cancer Center atendeu 27.755 pacientes e, em 2020, foram 20.233, ou seja, queda de 7.522 consultas. Até agosto de 2021, os consultórios receberam 14.704 pacientes, 4.193 a menos do que agosto de 2019, que registrou 18.897. Porém...
Exame de sangue oculto nas fezes ajuda a diagnosticar câncer de intestino precocemente
Ele funciona como uma espécie de triagem em grandes populações, indicando quem deve fazer a colonoscopia Pouca gente se lembra de fazer – e às vezes até mesmo os médicos se esquecem de pedir – o exame de sangue oculto nas fezes. Entretanto, ele é...