Homem com celular na mão, olhando a tela do aplicativo de monitoramento remoto

Nossos pacientes da imunoterapia podem contar com monitoramento remoto

Publicado em: 08/02/2021 - 09:02:20
Institucional
Tratamento
Inovação e tecnologia
Linha Fina

Por meio de um aplicativo, os pacientes são monitorados de forma a evitar o agravamento do quadro clínico de sintomas, oferecendo um canal de comunicação rápida e ágil com a Instituição
 

No A.C.Camargo Cancer Center, o acompanhamento de pacientes em imunoterapia, feito por telefone desde abril de 2018, foi aprimorado com a introdução de um aplicativo de monitoramento remoto de sintomas.

O desenvolvimento do aplicativo teve início em fevereiro de 2020, com a revisão do fluxo de identificação precoce de sintomas desenvolvido pelo Dr. Milton Barros, líder médico do Centro de Imunoterapia. O desenvolvimento integrou times assistenciais, de inovação, experiência do paciente, pesquisadores e tecnologia da informação.

A implantação do aplicativo começou em outubro de 2020, após meses de testes com a equipe assistencial e um grupo de 15 pacientes para garantir a segurança da transição e identificar oportunidades de melhoria. Atualmente, cotamos com 160 pacientes de imunoterapia utilizando o aplicativo.

"É uma forma efetiva de acompanhamento dos sintomas relacionados a imunoterapia por equipe especializada, evitando idas desnecessárias ao pronto-socorro e contribuindo para o sucesso do tratamento. É uma ferramenta de acolhimento aos pacientes, que permite o contato direto com os enfermeiros da imunoterapia" relata Patricia Carla, enfermeira e participante do time de desenvolvimento do projeto. 

No aplicativo, o paciente é estimulado a reportar sintomas semanalmente ou sempre que identificar algum que comprometa as atividades diárias e seja incapaz de tolerar até a próxima consulta médica. O fluxo de perguntas do aplicativo segue um estilo de linguagem conversacional, reduzindo o incômodo no preenchimento de longos questionários. Se não estiver disposto a responder as perguntas, o paciente também tem a opção de solicitar uma ligação. 

Depois de respondidas todas as perguntas, o aplicativo analisa os sintomas por meio de algoritmos e gera um resultado que pode ser desde a orientação para que o paciente aguarde a próxima consulta até a emissão de alertas.

No amarelo, o paciente é orientado a acompanhar os sintomas no período de 24 horas e receberá a ligação de um enfermeiro. No alerta vermelho, no qual são identificados sinais evidentes de deterioração clínica, como falta de ar e temperatura acima de 37,8° C, o paciente é orientado a seguir imediatamente para a emergência. Nestes casos, o enfermeiro monitora se o paciente compareceu ao pronto atendimento e qual foi o desfecho.

O monitoramento remoto e os benefícios para o paciente

Graziela Escobar, gerente sênior de operações e líder operacional do projeto, explica que o aplicativo trouxe resultados imediatos para a experiência do paciente da imunoterapia, como a percepção de cuidado integrado entre os profissionais, melhor comunicação com enfermeiros, informações relevantes ao paciente e cuidador sobre os sintomas relacionados ao tratamento, engajamento do paciente nas orientações de cuidado e segurança no monitoramento do tratamento e de gerenciamento da dor.

“O aplicativo também reforça a segurança no direcionamento para Emergência somente dos casos que requerem atendimento presencial, o que é um fator relevante neste cenário de pandemia”, explica Graziela.

Segundo Victor Sato, supervisor de inovação do A.C.Camargo, o próximo passo é expandir o monitoramento remoto para pacientes em tratamentos com quimioterapia, radioterapia e em período pré e pós-cirúrgico. “O aplicativo também é uma forma de se comunicar de forma rápida e ágil com a Instituição, o que proporcionou maior segurança e acolhimento para estes pacientes. Por isso, em breve, será expandido para todas as linhas de tratamento”, finaliza.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Tumores do aparelho digestivo alto: inovações e desafios no tratamento cirúrgico
A terapia adjuvante e outros aspectos terapêuticos do raro colangiocarcinoma O colangiocarcinoma é um tipo de câncer de vias biliares, cujas células epiteliais mutantes são oriundas dos dutos que drenam a bile do fígado para o intestino delgado. Mais um assunto destacado neste sábado (18/5)...
Cinco artigos sobre apoio psicológico para auxiliar no diagnóstico e tratamento do câncer
Chega um momento na vida em que precisamos nos confrontar com uma doença. Depois de muitos exames e de aguardar pelos resultados, às vezes por um longo período, nós nos deparamos com o diagnóstico de câncer. Nesse momento, pode ser difícil ouvir o que o...
Outubro Rosa: cuidados aos 40 e aos 50 anos
A luta contra o câncer é uma causa da humanidade e o diagnóstico precoce aumenta muito as chances de sucesso no tratamento. Não deixe para depois: a hora de fazer seus exames pode ser agora O Outubro Rosa está aí, mas você tem de se...
Radioterapia: A.C Camargo conta com novo Acelerador Linear que reduz tempo de tratamento e potencializa cirurgias de tumores mamários
Os pacientes que necessitam de radioterapia do A.C.Camargo Cancer Center logo poderão contar com novo equipamento de última geração, que foi adquirido para integrar conjunto de aparelhos do seu parque tecnológico. O novo Acelerador Linear (AL) Elekta Versa HD tem a capacidade de aumentar a...
Covid-19 e transplante de medula óssea: a relação
Covid-19 e transplante de medula óssea: as infecções respiratórias têm impacto importante em pacientes transplantados. Isso foi reafirmado no Next Frontiers to Cure Cancer pelo Dr. Steven Pergam, do Fred Hutchinson Cancer Research Center, de Seattle (EUA). Na Sessão IV do congresso – Complicações Infecciosas...