Mitos & verdades sobre Quimioterapia

Publicado em: 08/06/2015 - 13:06:40
Institucional
Prevenção
Epidemiologia
Mitos & Verdades

quimioterapia, uma das principais condutas terapêuticas para o tratamento do câncer, utiliza medicamentos potentes que tem como objetivo destruir as células doentes. Dr. José Augusto Rinck Jr, titular do Departamento de Oncologia Clínica do A.C.Camargo, responde algumas das dúvidas mais comuns sobre esse tratamento.
 

Toda quimioterapia causa queda de cabelos?

Depende. Atualmente, a quimioterapia possui mais de 50 medicamentos e diversas combinações entre eles, possibilitando inúmeras alternativas de tratamento, que também podem resultar em diferentes reações, mais ou menos potencializadas. A queda de cabelo é uma dessas reações e pode ou não acontecer, tudo depende do tipo de medicação que será utilizada em cada caso.

O organismo do paciente também é um fator que interfere na variação dos efeitos colaterais. Por isso, sintomas como a queda de cabelos, náuseas, vômitos, entre outros, podem ser mais comuns em alguns pacientes do que em outros.

Além disso, há também o monitoramento médico: em casos de remédios com efeitos colaterais conhecidos como náusea e vômitos, o oncologista pode utilizar paralelamente outros medicamentos que inibem essas reações - mas para prevenir a queda de cabelo nenhum medicamento se mostrou 100% eficaz.
 

Geralmente, o paciente ganha peso durante o tratamento?

Depende. Varia de acordo com o medicamento prescrito pelo médico. Nem todos têm como efeito colateral o ganho de peso. Porém, uma vez previsto, cabe ao oncologista monitorar essa alteração e determinar um limite máximo, para evitar qualquer risco de complicação ao organismo.

Quando essa reação for inesperada, deve-se investigar as causas, que geralmente não estão relacionadas à quimioterapia, mas a outros fatores, como distúrbios hormonais, ausência de atividade física, outras doenças, e, principalmente, hábitos alimentares inadequados. Nesses casos, por exemplo, o auxílio de uma nutricionista é fundamental e complementa o atendimento multidisciplinar realizado em centros de referência como A.C.Camargo.
 

Alterações hormonais podem ocorrer?

Depende. Novamente, a reação pode acontecer ou não, dependendo do tipo de medicamento utilizado e também o modo como o organismo do paciente reage à terapia. Mudanças no ciclo hormonal da mulher, por exemplo, podem ocorrer quando a quimioterapia afeta os ovários, assim como a perda de hormônios e a menopausa precoce.
 

Medicamentos quimioterápicos exigem acompanhamento médico frequente?

Verdade. Quando o médico prescreve a utilização de determinado remédio no tratamento quimioterápico, ele tem embasamento técnico e científico para isso. Como a maioria dos quimioterápicos apresentam efeitos colaterais, o paciente deve realizar regularmente consultas e exames de sangue, o permite ao médico monitorar todas as etapas do tratamento e contornar grande parte das reações indesejadas.
Além dos casos em que a quimioterapia é a principal modalidade no plano terapêutico do paciente, esse acompanhamento médico deve ocorrer também quando sua função for complementar (terapia adjuvante ou neoadjuvante), com o objetivo de controlar ou diminuir a magnitude dos efeitos. 
 

Terapias alternativas podem substituir a quimioterapia?

Mito. Apesar de algumas drogas utilizadas na quimioterapia serem derivadas de elementos da natureza, como raízes, cascas, flores e frutas, é preciso descobrir exatamente qual é a substância capaz de destruir o tumor. Logo, não basta preparar um chá de uma determinada planta. São necessárias altas concentrações dessa substância, que devem ser analisadas e testadas antes de serem comercializadas e aplicadas, com o objetivo de se descobrir não só qual a dose e frequência corretas, como também os possíveis efeitos colaterais tanto a curto como a longo prazo. Por isso, essas terapias alternativas, sem pesquisas sobre sua ação, podem não inibir a progressão do câncer e piorar o quadro clínico, diminuindo as chances de sucesso no tratamento.

Dr. José Augusto Rinck Jr. - CRM 94128
Médico Titular da Oncologia Clínica
Especialista em Cancerologia - RQE nº 23927

Veja também

O câncer de rim e sua relação com o hormônio renina
Conduzido pelo corpo clínico do A.C.Camargo Cancer Center, estudo abre uma outra perspectiva sobre a função endócrina renal: seus hormônios podem ser fatores prognósticos para câncer? O câncer de rim também orbita pelo universo de Novembro Azul. Há mais de 15 variações dele. Entre elas...
Podcast Rádio Cancer Center #29 - Tumores urológicos: prevenção e diagnóstico precoce
Tumores urológicos: prevenção e diagnóstico precoce, algo essencial para a saúde do homem. Esta é a temática da conversa de hoje em meio a este Novembro Azul, o mês de conscientização sobre os cânceres que atingem a próstata, o rim, a bexiga, o testículo e...
A oncologia personalizada do A.C.Camargo
Pacientes contam com novas ferramentas de diagnóstico e tratamento para maior precisão no combate ao câncer Ao longo dos anos, os avanços científicos proporcionaram não só um maior número de tratamentos contra o câncer como também uma maior personalização, considerando as peculiaridades de cada pessoa...
Sediamos o primeiro congresso na América com os maiores especialistas do mundo em cirurgia robótica de cabeça e pescoço
É o 3º IGReHNS, que abordou o que há de mais inovador em tecnologias e pesquisas nessa área. Os maiores especialistas do mundo em cirurgia robótica de cabeça e pescoço criaram, há alguns anos, uma organização de pesquisas, a International Guild of Robotic & Endoscopic...