Microbiota: pesquisadores estudam bactérias do corpo humano para aprimorar combate a tumores

Publicado em: 03/07/2019 - 09:07:37

Com contribuições da genômica e da nutrição, essa análise é uma tendência cada vez mais importante na oncologia – e pode abrir caminho para novos tratamentos contra o câncer

Os cientistas já sabiam que a microbiota – bactérias, fungos e vírus que habitam o corpo humano – tem um papel importante na regulação do sistema imunológico. Agora, cada vez mais, eles estão convencidos de que estudar esses microrganismos pode ajudar a prever a resposta dos pacientes com câncer a determinados medicamentos, além de abrir caminhos para novas abordagens terapêuticas.

De acordo com o cientista Emmanuel Dias-Neto, head do Laboratório de Genômica Médica do A.C.Camargo, a pesquisa oncológica vem crescendo exponencialmente nos últimos anos, graças aos avanços tecnológicos da genômica e à contribuição de áreas como a nutrição.

“O método padrão para estudos em microbiologia envolve cultivar os microrganismos em laboratório, mas antes não conseguíamos fazer isso com a imensa quantidade de bactérias presentes no corpo humano”, explica Dias-Neto. “O advento do sequenciamento genético em larga escala resultou em um salto nos estudos sobre o microbioma.”

Segundo o cientista, a microbiota tem um papel importante no controle da resposta do organismo a agentes externos. Um desequilíbrio nesse conjunto de microrganismos, em tese, pode afetar a maneira como o corpo detecta e aniquila uma célula anormal antes que ela se transforme em um tumor.

“A microbiota é muito importante no contexto do câncer. Algumas bactérias, por exemplo, degradam os quimioterápicos, aniquilando o efeito da droga e prejudicando o tratamento. Há também bactérias que produzem agentes que causam o câncer”, diz.

 

Imunoterapia

Para o cientista, a microbiota também pode afetar a maneira como os pacientes com câncer respondem aos tratamentos – especialmente à imunoterapia.

“Por sequenciamento genético, analisamos a microbiota dos pacientes que respondem bem ou mal ao tratamento, para verificar se há bactérias associadas a essas respostas”, explica. “Em breve teremos informações robustas sobre como será a resposta do paciente ao tratamento em função de sua microbiota e, com isso, poderemos adaptar a abordagem.” Uma via promissora é modificar esse contexto desfavorável para estimular a resposta à terapêutica. 

Em outra linha de estudos, os pesquisadores identificam grupos de pacientes que têm bactérias associadas a respostas boas e ruins ao tratamento. “Estudamos qual é a dieta do pessoal de cada grupo, para descobrir o que os indivíduos com uma microbiota considerada boa têm em comum em sua alimentação”, afirma Dias-Neto. “O objetivo é tentar melhorar a resposta ao tratamento mudando a dieta do paciente.” 

 

Foco nos alimentos

A pesquisadora Diana Noronha, que faz parte do grupo liderado por Dias-Neto, explica que, em tese, um paciente refratário a um tratamento poderia passar a responder a ele com a alteração de sua microbiota. 

“Além de usar a microbiota como fator preditivo da resposta aos tratamentos, podemos alterá-la para melhorar os resultados. Com esses estudos, estamos percebendo ainda que, na teoria, é possível determinar alimentos que, ao serem metabolizados pelas bactérias, podem proteger contra o câncer”, conta Noronha.

Enfim, trata-se de inovação: possibilita a identificação dos microrganismos do corpo humano para prever reação a tratamentos contra o câncer, além de idealizar novas terapias a partir da alteração da microbiota presente no organismo.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando...
Imunoterapia para o câncer colorretal metastático
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O estudo mais aguardado desta ASCO foi o Keynote-177, pois a imunoterapia é usada para diversos tumores atualmente. Para os pacientes com câncer colorretal, a imunoterapia é aprovada apenas para os pacientes que...
Avaliação de resposta discordante entre PET/CT 18F-FDG e RECIST em pacientes com melanomas metastáticos tratados com inibidores de pontos de verificação
Por Milton José de Barros e Silva, primeiro autor do estudo e oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center A imunoterapia com inibidores de pontos de verificação vem revolucionando o tratamento dos pacientes com melanoma metastático. Nos estudos que levaram à aprovação dessas medicações, o tempo...
Seguimento de longo prazo de Lifileucel – terapia com TILs para pacientes com melanoma avançado que falharam em múltiplos tratamentos
Por Milton José de Barros e Silva, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O tratamento do melanoma metastático avançou muito na última década com a imunoterapia, através dos inibidores de pontos de verificação e da terapia-alvo para os pacientes com a mutação do gene BRAF...
Estudo Fase Ib de Toripalimabe associado a Axitinibe em pacientes portadores de melanoma de mucosa avançado
Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O melanoma de mucosa pode se originar em diversas regiões, sendo as mais frequentes: cavidades nasal e oral e mucosa vulvovaginal e anorretal. É um subtipo raro de melanoma, sendo responsável por 1,3% de todos os...