Microbiota: pesquisadores estudam bactérias do corpo humano para aprimorar combate a tumores

Publicado em: 03/07/2019 - 09:07:37
Tratamento
Pesquisa
Imunoterapia
Tumores Colorretais

Com contribuições da genômica e da nutrição, essa análise é uma tendência cada vez mais importante na oncologia – e pode abrir caminho para novos tratamentos contra o câncer

Os cientistas já sabiam que a microbiota – bactérias, fungos e vírus que habitam o corpo humano – tem um papel importante na regulação do sistema imunológico. Agora, cada vez mais, eles estão convencidos de que estudar esses microrganismos pode ajudar a prever a resposta dos pacientes com câncer a determinados medicamentos, além de abrir caminhos para novas abordagens terapêuticas.

De acordo com o cientista Emmanuel Dias-Neto, head do Laboratório de Genômica Médica do A.C.Camargo, a pesquisa oncológica vem crescendo exponencialmente nos últimos anos, graças aos avanços tecnológicos da genômica e à contribuição de áreas como a nutrição.

“O método padrão para estudos em microbiologia envolve cultivar os microrganismos em laboratório, mas antes não conseguíamos fazer isso com a imensa quantidade de bactérias presentes no corpo humano”, explica Dias-Neto. “O advento do sequenciamento genético em larga escala resultou em um salto nos estudos sobre o microbioma.”

Segundo o cientista, a microbiota tem um papel importante no controle da resposta do organismo a agentes externos. Um desequilíbrio nesse conjunto de microrganismos, em tese, pode afetar a maneira como o corpo detecta e aniquila uma célula anormal antes que ela se transforme em um tumor.

“A microbiota é muito importante no contexto do câncer. Algumas bactérias, por exemplo, degradam os quimioterápicos, aniquilando o efeito da droga e prejudicando o tratamento. Há também bactérias que produzem agentes que causam o câncer”, diz.

 

Imunoterapia

Para o cientista, a microbiota também pode afetar a maneira como os pacientes com câncer respondem aos tratamentos – especialmente à imunoterapia.

“Por sequenciamento genético, analisamos a microbiota dos pacientes que respondem bem ou mal ao tratamento, para verificar se há bactérias associadas a essas respostas”, explica. “Em breve teremos informações robustas sobre como será a resposta do paciente ao tratamento em função de sua microbiota e, com isso, poderemos adaptar a abordagem.” Uma via promissora é modificar esse contexto desfavorável para estimular a resposta à terapêutica. 

Em outra linha de estudos, os pesquisadores identificam grupos de pacientes que têm bactérias associadas a respostas boas e ruins ao tratamento. “Estudamos qual é a dieta do pessoal de cada grupo, para descobrir o que os indivíduos com uma microbiota considerada boa têm em comum em sua alimentação”, afirma Dias-Neto. “O objetivo é tentar melhorar a resposta ao tratamento mudando a dieta do paciente.” 

 

Foco nos alimentos

A pesquisadora Diana Noronha, que faz parte do grupo liderado por Dias-Neto, explica que, em tese, um paciente refratário a um tratamento poderia passar a responder a ele com a alteração de sua microbiota. 

“Além de usar a microbiota como fator preditivo da resposta aos tratamentos, podemos alterá-la para melhorar os resultados. Com esses estudos, estamos percebendo ainda que, na teoria, é possível determinar alimentos que, ao serem metabolizados pelas bactérias, podem proteger contra o câncer”, conta Noronha.

Enfim, trata-se de inovação: possibilita a identificação dos microrganismos do corpo humano para prever reação a tratamentos contra o câncer, além de idealizar novas terapias a partir da alteração da microbiota presente no organismo.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Pesquisa integrada aponta alterações em genes que podem estar relacionadas ao desenvolvimento do carcinoma de pênis
Se os dados coletados forem confirmados em estudos futuros, será possível criar terapias personalizadas para esse tipo de tumor. Durante seu doutorado, o pesquisador Fabio Marchi, do CIPE, cruzou uma imensa quantidade de dados moleculares sobre o carcinoma de pênis. Seu foco era entender como...
Estudo traz nova perspectiva de tratamento para paciente com câncer de mama
Nos últimos anos, o combate ao câncer avançou significativamente e temas ligados a conceitos emergentes na terapia, novas abordagens terapêuticas e a conversão de descobertas em benefícios para paciente chama a atenção da comunidade científica. A revista Nature Cancer divulgou, junto com uma série de...
A Covid-19 e o transplante de medula óssea
Pacientes que fizeram ou que irão se submeter ao procedimento devem tomar alguns cuidados especiais contra o novo Coronavírus A Covid-19 mudou a rotina de grande parte da população e os cuidados de prevenção, como lavar as mãos e manter o isolamento social, são fundamentais...
Cuidados com a pele durante a radioterapia
A radioterapia é um importante método de combate ao câncer que utiliza a radiação para destruir as células tumorais. Apesar da sua eficácia, alguns efeitos colaterais podem surgir e são até mesmo esperados. Em linhas gerais, os efeitos mais comuns são cansaço e alterações na...
Medo de recidiva: nova forma de terapia melhora vida de pacientes após o tratamento
Estudo australiano mostra eficiência de abordagem para controlar o medo da volta da doença, que impacta a qualidade de vida emocional e profissional de mais da metade dos pacientes que sobrevivem ao câncer. Cerca de 50% dos pacientes que passaram por tratamento de câncer e...