Menos casos e maior sobrevida: a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de pulmão

Publicado em: 17/08/2016 - 21:08:00
Diagnóstico
Prevenção
Epidemiologia
Tumores do Pulmão e Tórax

Apesar da previsão de mais de 26 mil novos casos em 2016, no Brasil, o câncer de pulmão é uma doença potencialmente evitável. O seu desenvolvimento, em cerca de 90% dos casos, está relacionado ao consumo de tabaco – em todas as suas formas, inclusive narguilé, charuto, cachimbo, entre outros. Eliminar ou evitar esse hábito é fundamental para a prevenção de tumores pulmonares, que, segundo o INCA, é o tipo com maior taxa de mortalidade no Brasil.

Em levantamento realizado pelo A.C.Camargo Cancer Center, cerca de 80% dos mais de 1.000 pacientes diagnosticados com câncer de pulmão, a partir dos anos 2000, são ou foram fumantes por muitos anos. "São números que reforçam o tabagismo como o principal fator de risco para o desenvolvimento dessa doença", ressalta Dr. Jefferson Gross, cirurgião oncológico e diretor do Núcleo de Pulmão e Tórax do A.C.Camargo.

Se a prevenção pode diminuir o número de casos, o diagnóstico precoce pode resultar em um tratamento mais eficiente: as chances de sobrevida após cinco anos nesses casos podem ser de mais de 70%. No entanto, apenas um entre quatro casos costuma ser descoberto em fase inicial, e mais da metade dos pacientes são diagnosticados já com metástase (quando o tumor atinge outros órgãos), quando a porcentagem de sucesso do tratamento diminui consideravelmente. Para a detecção precoce da doença, a tomografia é o principal exame de rastreamento.

Não existem manifestações clínicas específicas do câncer de pulmão. Os sintomas costumam ser semelhantes a reações comuns ao ato de fumar, como tosse, pigarro e secreção, caracterizando-se como o principal motivo da detecção tardia da doença. "O fumante está acostumado a lidar com esses sintomas e não se atenta ao possível surgimento de um tumor", analisa Dr. Jefferson. Por isso, recomenda-se a consulta com um especialista anualmente a partir dos 55 anos, caso seja tabagista ou tenha parado de fumar há menos de 15 anos.

Queda da prevalência do tabagismo e outros fatores
Com a proibição da propaganda do cigarro e as campanhas de conscientização sobre seus males, o índice de fumantes no Brasil caiu para cerca de 15% da população – menos da metade em relação há duas décadas, de acordo com dados do Ministério da Saúde. Esse avanço, porém, deve ser acompanhado por um aviso: o tabagismo não é o único fator de risco para o câncer de pulmão. A poluição atmosférica é outro ponto de alerta, principalmente as de fábricas industriais e agrícolas e dos gases emitidos por veículos automotivos.

Dr. Jefferson Luiz Gross - CRM 68099
Diretor do Núcleo de Pulmão e Tórax
Especialista em Cirurgia Torácica - RQE nº 3502

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Câncer de próstata: sinais, sintomas e um manual completo de informações sobre cirurgia
O câncer de próstata deverá acometer 65.840 brasileiros e causar quase 15.576 mortes em 2020, segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca). É o segundo tumor mais comum entre os homens no país, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma. Na maioria das vezes...
Dermatoscopia, dermatoscopia digital e microscopia confocal, os exames que ajudam a diagnosticar o câncer de pele
Dermatoscopia, dermatoscopia digital e microscopia confocal são exames de imagem complementares que auxiliam no diagnóstico do câncer de pele. Essa associação de técnicas permite a identificação de lesões ainda sem critérios clássicos de um tumor cutâneo, possibilitando o diagnóstico cada vez mais precoce do câncer...
Coronavírus: tire todas as suas dúvidas
Confira perguntas e respostas direcionadas aos pacientes do A.C.Camargo Cancer Center Coronavírus: o que é? Os coronavírus são uma grande família viral que causam infecções respiratórias em seres humanos e em animais. Recentemente, foi identificado um novo tipo de vírus desta família como causa de...
Radioterapia feita durante a cirurgia pode evitar volta de tumores digestivos e ginecológicos
Destacado em periódico internacional, estudo identificou que o procedimento garantiu sobrevida a pacientes Pessoas cujos tumores retornaram após a realização de um tratamento costumam apresentar limitações para se submeterem a novas terapias. Uma forma de virar esse jogo, de acordo com um estudo realizado no...
A.C.Camargo ajuda a definir condutas oncológicas nacionais e internacionais na era da Covid-19
Médicos participaram da elaboração de diretrizes em especialidades como cirurgia oncológica, tumores urológicos, gastrointestinais e de cabeça e pescoço A Covid-19 requer que todas as orientações médicas sejam respeitadas. Assim como o câncer, cujo tratamento não pode ser modificado ou abandonado por vontade própria –...