Mamografia associada a exames complementares contribui para o diagnóstico precoce de câncer de mama

Publicado em: 26/11/2018 - 11:11:22

Se hoje é possível diagnosticar precocemente cerca de 70% dos casos de câncer de mama, um dos protagonistas do avanço na saúde da mulher é a mamografia. Casos identificados logo no início trazem 90% de chance de sucesso no tratamento. Contrariamente, na década de 1980, somente 30% das mulheres descobriam a doença na fase inicial. A mamografia é capaz de diagnosticar lesões ainda não palpáveis, menores que dois milímetros. Essas pequenas lesões, chamadas de microcalcificações, estão presentes, segundo o Pathology Outlines, em 50% dos casos de câncer de mama.

No entanto, a mamografia não é eficaz para todos os casos. O seu potencial é reduzido, por exemplo, quando a paciente tem a mama densa ou já fez biópsia do tecido mamário. “Nessas situações, o exame complementar é usado tanto para ter um diagnóstico mais preciso, quanto para a definição do melhor procedimento para conter a evolução do tumor”, explica a médica radiologista, responsável pelo setor de mamografia do A.C.Camargo Cancer Center, Elvira Ferreira Marques.

Quando não é possível caracterizar um nódulo pela mamografia, o principal exame complementar é o ultrassom. “Um achado visto pelo exame, por exemplo, pode ser sólido, que tem mais propensão de ser câncer, ou ter um conteúdo líquido, que, na maioria das vezes, são benignos. O ultrassom consegue fazer essa diferenciação”, ressalta a Dra. Elvira Marques.

Outra indicação frequente é a do exame de ressonância magnética. O procedimento é indicado para as mulheres que já foram diagnosticadas com câncer de mama, mas precisam determinar, com maior precisão, o tamanho do tumor e a possível existência de outras lesões na mama. O National Cancer Institute (NCI), dos Estados Unidos, ressalta que estão sendo estudadas, em busca de evidências científicas, outras tecnologias complementares à mamografia, como a tomografia por emissão de pósitrons (PET) e a tomografia óptica difusa, que usa luz em vez de raios X para criar imagens da mama.

Independentemente da realização de exames complementares, uma mamografia feita com qualidade faz a diferença, conforme explica a cirurgiã oncologista e líder médica de Mastologia do A.C.Camargo Cancer Center, Fabiana Baroni Makdissi. “Equipamentos modernos, paciente corretamente posicionada, mama pressionada na direção e força corretas resultam num laudo preciso. São diferenciais que ampliam a qualidade do exame e isso é fundamental, pois uma mamografia malfeita gera uma informação que não condiz com a realidade clínica da paciente, o que é muito prejudicial”, comenta a Dra. Fabiana.

De acordo com a Dra. Elvira Marques, os mamógrafos atuais apresentam recursos que reduziram a dose de irradiação, sendo capazes de analisar imagens com grande efetividade, facilitando assim a identificação de alterações sem a necessidade de muitas imagens complementares. “Cada vez mais, nós estamos sendo capazes de indicar o exame correto para a paciente certa, trazendo acurácia no diagnóstico e evitando desperdícios”, afirma a radiologista.

Câncer de mama no mundo e no Brasil

O levantamento Globocan 2018, da Organização Mundial de Saúde (OMS), aponta que o câncer de mama impacta 2,1 milhões de mulheres por ano.

No Brasil, segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), também é o câncer mais comum entre as mulheres. A estimativa para 2018 é que cerca de 60 mil brasileiras recebam o diagnóstico de câncer de mama.

Mamografia e a redução da mortalidade

Não há estudos que mostram o impacto da realização do exame na população brasileira, porém o levantamento SEERs, do Ministério da Saúde dos Estados Unidos, destaca redução das mortes por câncer de mama. O órgão aponta que a taxa global de sobrevida em cinco anos é de 89,7%, ou seja, quase nove entre 10 mulheres, em média, estão vivas após cinco anos de tratamento. Nas mulheres que descobrem a doença na fase mais inicial essa taxa sobe para 98,7%.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
15 de setembro - Dia mundial de conscientização sobre linfomas
Como se prevenir deles? Indo ao médico assim que perceber os sintomas. Então apareceu um gânglio diferente no pescoço, ou na axila, ou na virilha, que não dói, mas você sente extremo cansaço, febre, está suando à noite e também perdendo peso sem razão aparente...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...
21/09: Dia Mundial do Doador de Medula Óssea
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, que tem como objetivo a conscientização sobre a importância da doação de medula óssea. O procedimento servirá para o transplante, um tipo de tratamento que visa substituir uma medula óssea doente...
25/09 - Palestra Segurança do Paciente: participe!
A importância do paciente, acompanhante e cuidador no atendimento hospitalar Convidamos você para participar de uma palestra especial, onde falaremos sobre a importância de cada pessoa nas questões relacionadas à segurança de nossos pacientes. Será uma tarde de compartilhamento de muito conhecimento e experiências. Você...