Exercícios durante ou após a quimioterapia em pacientes com câncer

Publicado em: 01/06/2020 - 15:06:29
Tratamento
Pesquisa
Quimioterapia
Tumores de Mama

Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama

Houve um estudo holandês, que foi apresentado como pôster, que falava sobre o exercício físico durante ou após a quimioterapia em pacientes com câncer.

A gente sabe que os exercícios têm efeitos positivos em pacientes oncológicos, mas não havia nenhum estudo que mostrasse qual seria o timing perfeito para que essas pessoas executassem a atividade física.

O que esse trabalho faz é comparar pacientes que começaram a se exercitar durante a quimioterapia com aqueles adotaram a prática depois do tratamento. Havia pacientes com câncer de mama, testículos, cólon e com linfoma – apenas dois.   

Eles identificaram que aqueles pacientes que fizeram exercícios supervisionados e que começaram durante a quimioterapia – esta, com intenção curativa, em pacientes não metastáticas – tinham uma melhora na qualidade de vida e redução na fadiga. 

É muito interessante mostrar que quem começa a atividade depois que finaliza o ciclo de quimioterapia, depois de alguns meses, também consegue alcançar os mesmos benefícios de quem passou a se exercitar durante a quimioterapia.

Sem dúvida, o bem-estar pela redução na fadiga e a melhora na qualidade de vida, já durante a quimioterapia, advogam que a gente indique a atividade física supervisionada para esses pacientes. 

Por se tratar de um pôster, não há maiores detalhes sobre a intensidade e a periodicidade desses exercícios. O que se sabe é que houve três meses de exercícios supervisionados e, depois, essas atividades continuavam em casa por mais seis meses.  

Mas a ideia de que o exercício deve ser estimulado durante a quimioterapia é realmente muito interessante.

Solange Moraes Sanches

Saiba mais:
- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Estudo sobre custo-efetividade mostra as vantagens da cirurgia robótica para câncer de próstata
A introdução de novas tecnologias revolucionou a área da saúde, principalmente a oncologia. Para o tratamento do câncer de próstata, por exemplo, a cirurgia robótica impactou positivamente, trazendo melhores resultados para pacientes com doença localizada. Mas quais são os resultados de custo-efetividade para este tipo...
Dia Mundial da Higiene das Mãos: 7 passos para a lavagem perfeita
Data de conscientização ocorre em 5 de maio e serve para reafirmar a importância essencial desse ato Higiene das mãos, algo vital. Tanto que há um dia de conscientização (5/5), instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que nasceu bem antes da pandemia. Assim, nunca...
Oncologista explica: transplante de medula óssea pode ajudar no tratamento de tumor de testículo
Este tipo de câncer é mais comum em jovens entre 15 e 35 anos Considerado incomum, um em cada 250 homens desenvolverá câncer de testículo em algum momento da vida. Nos Estados Unidos, a estimativa é de 9.560 novos casos, com 410 mortes, para o...
A atuação dos Cuidados Paliativos em pacientes adultos e pediátricos
Esse departamento do A.C.Camargo Cancer Center busca promover melhor qualidade de vida aos pacientes e familiares que enfrentam questões associadas à doença O Departamento de Cuidados Paliativos, com seu trabalho voltado à prevenção e ao alívio do sofrimento do paciente, tenta identificar seus problemas precocemente...
Função sexual e câncer urológico: mitos e verdades
Todo tipo de tratamento contra câncer urológico pode resultar em impotência sexual. Mito. Não é todo câncer urológico que pode causar impotência sexual após o tratamento. Na maioria das vezes, a disfunção erétil ocorre durante o tratamento cirúrgico para tumores de próstata ou de bexiga...