Dra. Cecilia Maria Lima da Costa olha sorrindo para a garota na cama do hospital, ao lado da mãe dela, em pé

Câncer infantil: A.C.Camargo avalia efeitos tardios em quem tratou um tumor e se curou na infância e na adolescência

Publicado em: 23/09/2020 - 13:09:27
Prevenção
Institucional
Inovação e tecnologia
Tumores Pediátricos
Linha Fina

O objetivo das consultas com o grupo de estudos GEPETTO é monitorar a pessoa como um todo e tentar identificar se o tratamento causou ou poderá causar algum transtorno para a vida dela – seja ele físico, emocional ou social

A cura de um câncer infantil, além de clínica, tem de ser psicológica e social.

Com o objetivo de avaliar eventuais consequências tardias do câncer em indivíduos que se trataram e se curaram na infância e na adolescência, o A.C.Camargo conta com o Grupo de Estudos Pediátricos dos Efeitos Tardios do Tratamento Oncológico, o GEPETTO.

Criado em 1999, mais uma iniciativa pioneira do A.C.Camargo no Brasil, o GEPETTO, que detém cerca de 1.300 pacientes registrados, faz uma abordagem multidisciplinar desses possíveis efeitos tardios, algo já praticado à época na Europa e nos EUA.  

“Eles já se preocupavam em saber o que a quimioterapia, a cirurgia e o próprio tumor poderiam acarretar para as crianças, mesmo após um longo tempo de ter realizado o tratamento, visto que a criança é um ser ainda em formação. Assim, ela tem um organismo mais suscetível aos efeitos tóxicos da quimioterapia e da radioterapia, mesmo a longo prazo”, explica a Dra. Cecilia Maria Lima da Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos.


Antever diagnósticos

O GEPETTO gera conhecimento ano após ano. Pois, a partir do momento em que se conhece esses efeitos tardios num determinado paciente, é possível rediscutir estratégias de tratamento para minimizar consequências futuras.
Exemplo: alguns quimioterápicos têm toxicidade para o coração, alteram a função cardíaca, mesmo anos após serem sido utilizados. 

“Então, precisamos monitorar os pacientes que usaram esse medicamento e ir acompanhando se não surge um problema cardíaco ao longo dos anos. Na consulta com o grupo de oncologia pediátrica, além do exame físico, é feito o monitoramento da função cardíaca por meio de exames complementares. Ao detectar alguma alteração, encaminhamos ao cardiologista para que haja o acompanhamento precoce”, diz a médica. 

Dependendo do tratamento realizado e da idade que a criança tinha, vários outros problemas de saúde podem ocorrer após anos do término do tratamento. Entre eles: distúrbios endocrinológicos, neurológicos, disfunção renal, auditiva e visual, aparecimento de um segundo câncer, déficit de atenção e dificuldade de aprendizagem, além de problemas psicoemocionais e sociais.

“Durante a consulta no GEPETTO, procuramos conhecer todas as queixas dos pacientes, assim poderemos identificar a necessidade de acompanhamento com a psicologia, a psiquiatria e a assistente social.”, conta a Dra. Cecilia.

“A gente quer que o paciente seja um indivíduo totalmente integrado à sociedade”, encerra.

Dra. Cecilia Maria Lima da Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos
"
O principal objetivo do GEPETTO é analisar os efeitos tardios e tentar reconhecê-los precocemente para evitar que eles progridam, e não prejudiquem a qualidade de vida de um paciente curado de um câncer
Dra. Cecilia Maria Lima da Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos

Veja também

Dicas de segurança e manutenção dos cuidados nesta nova fase da quarentena - Por Dr. Ivan França
video { width: 100%; height: auto; } * Clique aqui caso tenha problemas para visualizar o vídeo.
Ensino: começa o Projeto de Treinamento em Simulação Realística
Em parceria com a Simutec, curso é voltado a residentes, que simulam cirurgias por videolaparoscopia A Superintendência de Ensino do A.C.Camargo iniciou o Projeto de Treinamento em Simulação Realística com os Residentes da Cirurgia Oncológica de primeiro e segundo ano (R1 e R2). É um...
7 entre 10 casos de câncer de Cabeça e Pescoço são diagnosticados em fase avançada da doença, alerta A.C.Camargo Cancer Center
Negligencia dos sintomas e demora no encaminhamento por parte de dentistas, médicos e demais profissionais da saúde são alguns dos fatores que retardam o diagnóstico de tumores na região de Cabeça e Pescoço Os tumores de cabeça e pescoço, segundo o Globocan 2012, levantamento da...
Mitos & verdades: câncer de estômago e esôfago
Refluxo, gastriste e a bactéria H. Pylori podem ser fatores de risco para o desenvolvimento de tumores no estômago e no esôfago? Dr. Felipe Coimbra, Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal esclarece alguns mitos e verdades sobre o tema. Gastrite pode ser um sinal ou...
Dezembro Laranja: prevenção e diagnóstico em tumores cutâneos; assista
Dezembro Laranja é o mês de conscientização sobre a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de pele. De acordo com estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), são esperados 83.770 novos casos de câncer de pele não melanoma em homens e de 93.160 em...