Câncer de mama, estudos e seus achados

Publicado em: 04/03/2020 - 10:03:47
Pesquisa
Tratamento
Biologia celular
Tumores de Mama

Confira os resultados promissores de três publicações realizadas pelos especialistas A.C.Camargo Cancer Center

Câncer de mama, o tipo de tumor que mais acomete mulheres no Brasil – está atrás do câncer de pele não melanoma.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), para 2020 são estimados 66.280 novos casos.

Além de atuar em diagnóstico e tratamento no Centro de Referência em Tumores de Mama, que proporciona uma visão 360º do cuidado, o A.C.Camargo é um Cancer Center por se dedicar às pesquisas, caso destas a seguir, que acabam de ser publicadas por médicos e cientistas da Instituição. 


Câncer de mama e radioterapia intraoperatória

O estudo Intraoperative Breast Radiotherapy: Survival, Local Control And Risk Factors for Recurrence (Radioterapia Intraoperatória da Mama: Sobrevida, Controle Local e Fatores de Risco para Recorrência) partiu do princípio que a irradiação total da mama reduz a recorrência locorregional e o risco de morte em pacientes submetidas ao tratamento conservador. 

Os dados conhecidos mostravam que essa radiação, quando implementada apenas no quadrante, pode ser suficiente em determinadas mulheres.

A intenção do trabalho foi relatar a experiência com a radioterapia intraoperatória – feita durante o procedimento cirúrgico, depois que o tumor foi retirado – com feixe de elétrons no acelerador linear. Outro foco era mostrar os resultados na sobrevida global, no controle local e na toxicidade tardia das 147 pacientes submetidas ao tratamento.

Os resultados, que foram publicados na revista científica Reports of Practical Oncology & Radiotherapy, evidenciaram que a sobrevida global da coorte em cinco anos, no acompanhamento médio e em dez anos, foi de 98,3%, 95,1% e 95,1%, respectivamente.

Já o controle local em cinco anos, no acompanhamento médio e em dez anos, foi de 96 %, 94,9% e 89,5%, respectivamente. Dois grupos de risco foram identificados para recorrência local, dependendo dos receptores de estrogênio ou progesterona.

Conclusão: a radioterapia intraoperatória é um tratamento seguro e eficaz, mas a seleção rigorosa é importante para alcançar grandes resultados de controle local.


Quimioterapia neoadjuvante e ressonância magnética

Outra pesquisa merece destaque: Diffusion-Weighted Magnetic Resonance Imaging of Patients with Breast Cancer Following Neoadjuvant Chemotherapy Provides Early Prediction of Pathological Response - A Prospective Study (Ressonância Magnética Ponderada por Difusão de Pacientes com Câncer de Mama após Quimioterapia Neoadjuvante Fornece Previsão Precoce de Resposta Patológica - Um Estudo Prospectivo).

Seu objetivo foi avaliar a capacidade da ressonância magnética ponderada por difusão para predição precoce da resposta patológica em 62 pacientes com câncer de mama, todas elas submetidas à quimioterapia neoadjuvante – realizada antes da cirurgia. 

A ressonância magnética foi feita antes do início do tratamento, após o primeiro ciclo de quimioterapia neoadjuvante e após a conclusão da quimioterapia neoadjuvante. 

A conclusão, apresentada no periódico Scientific Reports, é de que a resposta patológica completa na coorte, após a quimioterapia, precede a redução no tamanho do tumor na ressonância magnética convencional. Portanto, pode ser usada como um preditor precoce de resposta ao tratamento.


Mulheres jovens brasileiras

Já o Journal of Global Oncology destacou mais um trabalho dos especialistas do A.C.Camargo, intitulado Advanced Stage at Diagnosis and Worse Clinicopathologic Features in Young Women with Breast Cancer in Brazil: A Subanalysis of the AMAZONA III Study [GBECAM 0115] (Estágio Avançado no Diagnóstico e Piores Características Clínico-Patológicas em Mulheres Jovens com Câncer de Mama no Brasil: uma Subanálise do Estudo AMAZONA III [GBECAM 0115]).

O câncer de mama em mulheres jovens é menos comum e tende a apresentar características mais agressivas. Para entender e caracterizar melhor esse cenário no Brasil, foi feita essa subanálise do estudo AMAZONA III, que mapeou 2.888 pacientes diagnosticadas em 22 cidades entre janeiro de 2016 e março de 2018.

Dessas 2.888 mulheres, 486 (17%) tinham 40 anos de idade ou menos. Estas tinham maior nível educacional. A maioria estava empregada e era casada.

Tais pacientes jovens tinham casos mais sintomáticos. Também apresentaram mais frequentemente tumores em estágio III e subtipos HER-2 positivos, luminal B e triplo-negativos.

Resultados: mulheres brasileiras com menos de 40 anos apresentam características clínico-patológicas desfavoráveis na hora do diagnóstico do câncer de mama, com subtipos mais agressivos e estágio mais avançado quando comparadas às mais velhas. 

Como essas diferenças não são explicadas por desequilíbrios socioeconômicos ou étnicos, as causas de maior prevalência entre mulheres jovens no Brasil merecem investigações adicionais.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Estudos retrospectivos em parceria elevam qualidade dos resultados
Com maior número de casos, colaborações entre instituições fazem com que os achados se tornem muito mais precisos Estudos retrospectivos: são várias as colaborações científicas entre médicos do A.C.Camargo e especialistas de outras entidades do exterior e do Brasil. Oncologista clínico do A.C.Camargo, o Dr...
Aconselhamento genético: um caminho promissor para antever o câncer de próstata
Testes germinativos podem diagnosticar mutações que culminam em tumores com diversos graus de agressividade Aconselhamento genético. Duas palavras que podem fazer a diferença definitivamente como fator preventivo ante o câncer. É a constatação de Brian Shuch, urologista americano que é diretor do Programa de Câncer...
Aluna de doutorado do A.C.Camargo é premiada com estudo sobre células natural killer
Foto: Célula Natural Killer (NK) combatendo uma célula do câncer de mama: violeta - célula tumoral / vermelha - célula NK. Foto capturada em um dos experimentos na empresa Fluidigm Em parceria inédita com a Universidade de Stanford, projeto investiga o papel dessas células na...
Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil
Dra. Cecília Costa, head da pediatria do A.C.Camargo Cancer Center, explica a importância da equipe multidisciplinar especializada para o tratamento do paciente pediátrico O Dia Nacional de Combate ao Câncer Infantil é comemorado em 23 de novembro. A data é uma forma de chamar atenção...
Oncologistas alertam para incidência 3 vezes maior nesta década dos casos de câncer de boca e garganta ligados ao HPV
GRÁTIS - Encontro com Especialistas – 14 de abril de 2015 – Como Proteger do Câncer sua Boca e Garganta Estudo publicado pelo A.C.Camargo Cancer Center na revista científica International Journal of Cancer aponta que 32% dos tumores de boca em jovens têm associação com...