Arte gráfica com fundo verde. Ao lado direito, um recorte arredondado de três pessoas: dois pacientes e um médico conversando.

Um cisto no ovário pode estar relacionado a um câncer?

Publicado em: 12/03/2021 - 11:03:16
Prevenção
Tratamento
Sinais e Sintomas
Tumores Ginecológicos
Ovário
Linha Fina

Entenda o que é e como é possível tratar esta pequena lesão, muito comum nas mulheres durante o ciclo menstrual 

Cisto no ovário, uma preocupação que pode surgir entre algumas mulheres.

Os ovários são órgãos responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos e pelo armazenamento dos óvulos. São duas glândulas localizadas na cavidade pélvica da mulher, com formato parecido ao de uma amêndoa.

A partir de exames periódicos, caso do ultrassom, algumas mulheres podem perceber o surgimento de um cisto no ovário, ou seja, uma alteração na formação dos óvulos que não apresenta sintomas, a depender de seu tamanho.


Cisto no ovário: o que é?

Primeiramente, é preciso entender o que são essas alterações. Antes da ovulação, os ovários trabalham continuamente para desenvolver óvulos, necessários para gerar uma vida. Neste período, a pessoa produz mensalmente o cisto folicular, formado pelos óvulos em desenvolvimento, que acumulam líquidos para ficarem maiores no período de ovulação.

Caso não haja concepção, ou seja, se o óvulo não for fecundado, esse cisto vira um corpo lúteo, que se desintegra do ovário cerca de 14 dias após a ovulação. Os níveis dos hormônios estrogênio e progesterona caem e ocorre a menstruação.

“Contudo, algumas vezes, esses cistos viram bolsas cheias de líquido que se formam dentro do ovário, o que pode causar desconforto se a formação for volumosa ou se estiver relacionada com sangramento ou torção do ovário, por exemplo”, explica o Dr. Glauco Baiocchi Neto, líder do Centro de Referência em Tumores Ginecológicos do A.C.Camargo Cancer Center.

“A grande maioria desses casos não apresenta sintomas e surge durante a vida reprodutiva da mulher. Alguns cistos podem não ter relação com ovulação e estes podem crescer lentamente e não regredir”, acrescenta o médico.
Como os cistos são parte natural da fisiologia humana, não existe prevenção. Já a detecção é feita a partir de um diagnóstico clínico pós-ultrassom pélvico.


Cisto no ovário pode virar câncer?

“Não. Cistos benignos não são lesões pré-câncer e só é recomendada a retirada caso traga desconforto para a paciente”, tranquiliza o Dr. Baiocchi.

Além disso, contrariando os boatos, quem tem cisto no ovário não desenvolve tendência a ganhar peso. 

Não há também correlação com a síndrome do ovário policístico (SOP) – quando não há ovulação e os ovários apresentam vários cistos pequenos.


Sobre os tumores ginecológicos

Em março, mês da mulher, publicamos diversos conteúdos informativos para prevenção e conscientização do câncer ginecológico.

Os tumores ginecológicos atingem, a cada ano, mais de 30 mil mulheres, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

A alta incidência decorre da descoberta tardia, uma vez que os sintomas são ausentes ou inespecíficos na fase inicial do tumor. 

No entanto, baseado no histórico da paciente, nos exames clínicos e na análise anatomopatológica, é possível antecipar o diagnóstico e obter um tratamento mais efetivo.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Podcast Rádio Cancer Center #44 - Tumores digestivos: como se proteger
Esta conversa é sobre os tumores digestivos, mais precisamente do aparelho digestivo alto, que inclui órgãos como estômago, esôfago, fígado, pâncreas, intestino delgado, GIST (tumor estromal gastrointestinal) e vesícula biliar e vias biliares. Vamos tirar todas as dúvidas sobre o assunto de uma forma simples...
Vídeo: a oncologia clínica nos tumores cerebrais
Entenda mais sobre o tema com a Dra. Ana Carolina Levy A oncologia clínica nos tumores cerebrais é peculiar, pois esses cânceres do sistema nervoso central podem ser primários ou secundários. Isso significa que eles surgiram das células do próprio sistema nervoso central ou que...
Estudo PRODIGE23: foco no tratamento neoadjuvante do câncer de reto localizado
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O tratamento do câncer de reto localizado tem passado por transformações nos últimos anos. Classicamente, os pacientes são tratados com quimiorradioterapia seguida de cirurgia e depois mais quimioterapia. Para melhorar os resultados, está...
Câncer de canal anal: o que há de novo?
Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato...
Sinais e sintomas do câncer de pâncreas
Apresentamos uma cartilha com informações que também abordam fatores de risco, diagnóstico e tratamento da doença O câncer de pâncreas é responsável por cerca de 2% de todos os tipos de tumores diagnosticados e por 4% do total de mortes causadas pela doença no Brasil...