Ilustração células linfoma, arredondadas, azuis e vermelhas

Mitos & verdades sobre os linfomas

Publicado em: 28/06/2021 - 06:06:00
Diagnóstico
Prevenção
Hábitos saudáveis
Neoplasias Hematológicas
Linfoma de Hodgkin
Linfoma de não-Hodgkin
Mitos & Verdades

Os linfomas estão entre os tipos mais comuns de câncer entre as mulheres brasileiras, considerando que o linfoma não Hodgkin ocupa a décima posição, com 5.540 novos casos em 2020, de acordo com a projeção do Instituto Nacional do Câncer (INCA).

Esses tipos de tumor são caracterizados pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. 

Assim, veja abaixo quatro mitos comuns:


Todo diagnóstico de linfoma refere-se à mesma doença?

Mito. Trata-se de um grupo diversificado de doenças, divididas inicialmente entre Linfomas de Hodgkin e não-Hodgkin, que se distinguem principalmente pela característica da célula tumoral e, consequentemente, pelo tipo de tratamento.

Ambos são tratados com quimioterapia, com a possibilidade de se associar ou não à radioterapia, de acordo com o caso.

Esses dois grupos englobam subdivisões ainda mais específicas, resultando em cerca de 50 subtipos. Entre os Linfomas não Hodgkin, por exemplo, há diferenciação na velocidade da evolução do câncer: os indolentes se expandem lentamente e demoram a apresentar sintomas; já os agressivos demonstram sinais de sua extensão rapidamente e podem exigir uma intervenção imediata. 

Já o Linfoma de Hodgkin pode ser clássico ou de predomínio Nodular Linfocitário, caracterizado de acordo com o tecido atingido pelo tumor. 
 

A incidência de linfomas é maior entre fumantes?

Verdade. Assim como a leucemia, o linfoma também é mais comum naqueles que apresentam o hábito do tabagismo. Segundo pesquisas, o risco de desenvolver um Linfoma de Hodgkin pode ser 50% maior para quem fuma, na média, 20 cigarros por dia. 
 

O surgimento da íngua nem sempre é um sintoma de linfoma?

Verdade. O aumento do tamanho de um gânglio linfático pode ocorrer devido ao desenvolvimento de um câncer como o linfoma, mas também ser causado por infecção ou inflamação. O recomendável é consultar um especialista para avaliar cada caso com o objetivo de identificar possíveis causas, principalmente se não houver infecção no local. 
 

O linfedema, acúmulo de circulação linfática em um gânglio, é fator de risco?

Mito. Esse tipo de inchaço costuma ser consequência de alguns tratamentos oncológicos. Geralmente provocado por um funcionamento anormal da drenagem linfática, o gânglio pode aumentar por diversas causas, como doenças imunológicas ou infecções. 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Vídeo: Coronavírus e o paciente oncológico
Assista ao papo com o infectologista Ivan França e a oncologista clínica Solange M. Sanches O Coronavírus e o paciente oncológico foram o tema de uma transmissão ao vivo na página do Facebook do A.C.Camargo Cancer Center. Realizada na noite de quarta-feira, 17 de março...
Podcast Rádio Cancer Center #36 - Saiba como se prevenir contra o câncer de colón e reto
O câncer de colón e reto é muito frequente no Brasil. Sem contar os tumores de pele não melanoma, ele é o segundo mais comum entre os homens, com previsão de 20.540 novos casos para 2020, e também o segundo mais comum entre as mulheres...
Náuseas: um flan para combatê-las
Assista ao vídeo e, em 1 minuto e meio, aprenda esta receita que melhora o desconforto Náuseas, um efeito colateral recorrente para os pacientes do A.C.Camargo Cancer Center, sobretudo para quem se submete à quimioterapia. Assim, esta receita preparada pelas nutricionistas da Instituição, um flan...
Câncer de colo de útero: o que fazer para erradicar a doença
O câncer de colo de útero é um tipo de tumor que afeta a parte inferior do órgão reprodutor feminino, e que pode não apresentar sintomas na fase inicial. Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil teve mais de 16 mil novos...
Novo Coronavírus e câncer infantil: conheça os cuidados necessários para os pequenos
A Covid-19 pode ser assintomática ou apresentar sintomas leves em crianças, mas nem por isso elas devem se descuidar O novo Coronavírus inspira cuidados também com as crianças. A pandemia do novo Coronavírus mudou a rotina de muitas famílias e, em muitos casos, intensificou a...