Transplante de Medula Óssea

Transplante de Medula Óssea
Transplante de Medula Óssea

O serviço de Transplante de Medula Óssea (TMO) do A.C.Camargo Cancer Center integra um seleto grupo de instituições brasileiras que operam em todas as modalidades do transplante: alogênico aparentado e não aparentado e autólogo ou autogênico.

Composto por uma equipe interdisciplinar que contempla médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, odontologistas, assistentes sociais e psicológicos, o serviço de TMO atua com uma estrutura única que une equipamentos de última geração à expertise de toda a equipe.

Nossa área de TMO, totalmente modernizada, possui dez leitos para os pacientes e um específico para isolamento com doença infecto-contagiosa. 

O que é medula óssea?

A medula óssea é um tecido encontrado no interior dos ossos, rico em células tronco ou progenitoras que são responsáveis pela formação dos componentes do sangue: as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas. As hemácias cuidam da oxigenação dos tecidos, os leucócitos são células responsáveis pela defesa do organismo contra infecções e as plaquetas compõem o sistema de coagulação do sangue.

O que fazemos

O transplante de medula óssea (TMO) é um tipo de tratamento que visa substituir uma medula óssea doente por uma saudável para restabelecer a produção normal das células sanguíneas. É indicado para diversas doenças, como leucemia, linfomas, mieloma múltiplo (colocar links), aplasia de medula, imunodeficiências. Nem todos os pacientes portadores destas doenças, no entanto, têm indicação para realização de transplante, pois depende do tipo e do estágio da doença, além de idade do paciente.
A doação de células-tronco pode ser realizada por meio de uma pequena cirurgia, de aproximadamente 90 minutos, pela qual são feitas múltiplas punções com agulhas nos ossos da bacia do doador para a retirada do material. Há ainda a possibilidade de coletar as células-tronco por meio da leucaférese, procedimento realizado sem necessidade de internação, onde o doador recebe uma medicação para estimular o crescimento das células tronco e a coleta é realizada geralmente por meio de uma punção das veias dos braços (como numa doação de sangue). 

Como fazemos

O doador de medula passa por uma avaliação clínica e laboratorial intensa para mapear o seu estado de saúde. O paciente que se submete a um TMO também passa inicialmente por uma avaliação clínica e laboratorial minuciosa. É necessário que ele seja internado para receber quimioterapia em altas doses, tratamento que destrói a própria medula, que está doente. 
Posteriormente, recebe a medula sadia como se fosse uma transfusão de sangue. Essa nova medula, rica em células progenitoras, uma vez na corrente sanguínea, circula e aloja-se na medula óssea, onde se desenvolve. Durante o período em que estas células ainda não são capazes de produzir glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas em quantidade suficiente, o paciente fica sem imunidade no organismo e, por isso, exposto a episódios infecciosos e hemorragias. Por esta razão, deve ser mantido internado e em regime de isolamento.

Tipos de transplante

O serviço de Transplante de Medula Óssea (TMO) do A.C.Camargo é um dos poucos do país que realiza as modalidades de transplante alogênico aparentado e não aparentado e autólogo ou autogênico.
No transplante autólogo ou autogênico as células-tronco usadas são do próprio paciente que será transplantado. No transplante alogênico as células-tronco provêm de um doador compatível, que pode ser um parente ou não parente. 
Esta compatibilidade é determinada por um conjunto de genes localizados no cromossomo 6. Esta análise é realizada por meio de testes laboratoriais específicos, a partir de amostras de sangue do doador e receptor, chamados de exames de histocompatibilidade. Na família, a chance de haver um doador compatível é de 35% e entre não-aparentados a probabilidade diminui para um em um milhão.
O aumento do número de doadores voluntários brasileiros é imprescindível para aumentar as chances de se encontrar um doador compatível. A espera por um doador compatível pode durar meses e o tempo de espera na fila de transplante pode ser um fator determinante para o sucesso deste procedimento.