Tumores gastrointestinais: resultados promissores para o adenocarcinoma esofagogástrico

Publicado em: 04/06/2020 - 12:06:22
Pesquisa
Tratamento
Quimioterapia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

Por Victor Hugo Fonseca de Jesus, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center

Foi apresentado o DESTINY-Gastric01, um estudo randomizado, de fase II, envolvendo 187 pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico avançado HER2 positivo. Ele comparou o Trastuzumabe Deruxtecan com a quimioterapia de escolha do investigador.

O estudo foi realizado em 48 instituições no Japão e outras 18 na Coreia do Sul. 

Significa uma evolução, pois não havia dados a respeito da efetividade de terapias anti-HER2 para pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico previamente tratados com Trastuzumabe.


Como funciona

O Trastuzumabe Deruxtecan consiste em um anticorpo monoclonal humanizado conjugado a um quimioterápico inibidor de topoisomerase I.

Após ligação da medicação ao HER2 (membrana localizada na membrana celular do tumor), a droga é internalizada e a ligação entre o Trastuzumabe e o quimioterápico é quebrada por ação de enzimas nos lisossomos. Depois, o quimioterápico é liberado dentro da célula, desencadeando a morte da célula.


Objetivo 

Terapias anti-HER2 foram testadas em pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico previamente tratados com Trastuzumabe, sem sucesso. Tratamentos com Lapatinibe e TDM-1 falharam em trazer benefícios aos pacientes.

O campo de agentes conjugados anticorpo-quimioterápico sofreu grandes avanços nos últimos anos. Isso culminou no desenvolvimento de moléculas com maior afinidade aos receptores e melhores características físico-químicas, otimizando a atividade anti-tumoral. 

Foi nesse cenário que o Trastuzumabe Deruxtecan foi desenvolvido por pesquisadores japoneses da Daiichi Sankyo.


Principal novidade e benefícios

O estudo demonstrou ganhos significativos em termos de sobrevida global (mediana: 12,5 vs. 8,4 meses) e de taxa de resposta radiológica (51 vs. 14%).

Como o adenocarcinoma esofagogástrico HER2 positivo é uma doença de comportamento agressivo, esta nova terapia de alta efetividade traz esperanças aos 15-20% de pacientes com tumores de esôfago ou estômago que expressam essa proteína.

Assim, o estudo demonstra grande potencial para tratamento, e aponta o caminho para o desenvolvimento de terapias voltadas contra outras proteínas presentes em células tumorais.

Um dos aspectos negativos da droga é o risco de 10% de desenvolver pneumonite (inflamação no pulmão) ou doença intersticial pulmonar. Outras toxicidades também foram mais frequentes quando comparadas à quimioterapia de escolha do investigador, como a toxicidade hematológica (anemia, queda de glóbulos brancos e queda de plaquetas) e náuseas/vômitos.


Conclusões 

Esta droga é extremamente promissora. O impacto positivo é enorme, abrindo caminho para uma nova geração de drogas e para o tratamento de doenças graves e consideradas anteriormente refratárias ao tratamento.

Victor Hugo Fonseca de Jesus

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

A.C.Camargo Cancer Center apresenta nova unidade na Aclimação e anuncia expansão
Com investimento de R$ 360 milhões, rede de unidades ambulatoriais reorganiza os serviços no modelo cancer center para melhorar acesso, conforto e comodidade do paciente. Complexo hospitalar na Liberdade passa a concentrar alta complexidade. O A.C.Camargo Cancer Center apresentou nesta semana a Unidade Pires da...
Cinco artigos sobre apoio psicológico para auxiliar no diagnóstico e tratamento do câncer
Chega um momento na vida em que precisamos nos confrontar com uma doença. Depois de muitos exames e de aguardar pelos resultados, às vezes por um longo período, nós nos deparamos com o diagnóstico de câncer. Nesse momento, pode ser difícil ouvir o que o...
Imunoterapia: novo medicamento para o câncer renal é aprovado pela ANVISA
Outros dois tratamentos se mostram eficazes para o combate a tumores A Food and Drug Administration (FDA) havia aprovado em maio o medicamento para imunoterapia avelumabe (BAVENCIO, EMD Serono, Inc.) em combinação com o axitinibe para o tratamento de primeira linha de pacientes com carcinoma...
Aluna de doutorado do A.C.Camargo é premiada com estudo sobre células natural killer
Foto: Célula Natural Killer (NK) combatendo uma célula do câncer de mama: violeta - célula tumoral / vermelha - célula NK. Foto capturada em um dos experimentos na empresa Fluidigm Em parceria inédita com a Universidade de Stanford, projeto investiga o papel dessas células na...
Uma revisão da literatura científica sobre genética que ajuda a identificar os melhores candidatos e os diversos tratamentos no câncer de cabeça e pescoço
Os cientistas analisaram artigos de 2008 a 2016 sobre microRNAs – sequências que regulam a expressão de vários genes – para entender como essas sequências podem ajudar no prognóstico. O grupo de tumores do carcinoma de células escamosas é heterogêneo: laringe, faringe, cavidade oral, cavidade...