Tumores gastrointestinais: resultados promissores para o adenocarcinoma esofagogástrico

Publicado em: 04/06/2020 - 12:06:22
Pesquisa
Tratamento
Quimioterapia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

Por Victor Hugo Fonseca de Jesus, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center

Foi apresentado o DESTINY-Gastric01, um estudo randomizado, de fase II, envolvendo 187 pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico avançado HER2 positivo. Ele comparou o Trastuzumabe Deruxtecan com a quimioterapia de escolha do investigador.

O estudo foi realizado em 48 instituições no Japão e outras 18 na Coreia do Sul. 

Significa uma evolução, pois não havia dados a respeito da efetividade de terapias anti-HER2 para pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico previamente tratados com Trastuzumabe.


Como funciona

O Trastuzumabe Deruxtecan consiste em um anticorpo monoclonal humanizado conjugado a um quimioterápico inibidor de topoisomerase I.

Após ligação da medicação ao HER2 (membrana localizada na membrana celular do tumor), a droga é internalizada e a ligação entre o Trastuzumabe e o quimioterápico é quebrada por ação de enzimas nos lisossomos. Depois, o quimioterápico é liberado dentro da célula, desencadeando a morte da célula.


Objetivo 

Terapias anti-HER2 foram testadas em pacientes com adenocarcinoma esofagogástrico previamente tratados com Trastuzumabe, sem sucesso. Tratamentos com Lapatinibe e TDM-1 falharam em trazer benefícios aos pacientes.

O campo de agentes conjugados anticorpo-quimioterápico sofreu grandes avanços nos últimos anos. Isso culminou no desenvolvimento de moléculas com maior afinidade aos receptores e melhores características físico-químicas, otimizando a atividade anti-tumoral. 

Foi nesse cenário que o Trastuzumabe Deruxtecan foi desenvolvido por pesquisadores japoneses da Daiichi Sankyo.


Principal novidade e benefícios

O estudo demonstrou ganhos significativos em termos de sobrevida global (mediana: 12,5 vs. 8,4 meses) e de taxa de resposta radiológica (51 vs. 14%).

Como o adenocarcinoma esofagogástrico HER2 positivo é uma doença de comportamento agressivo, esta nova terapia de alta efetividade traz esperanças aos 15-20% de pacientes com tumores de esôfago ou estômago que expressam essa proteína.

Assim, o estudo demonstra grande potencial para tratamento, e aponta o caminho para o desenvolvimento de terapias voltadas contra outras proteínas presentes em células tumorais.

Um dos aspectos negativos da droga é o risco de 10% de desenvolver pneumonite (inflamação no pulmão) ou doença intersticial pulmonar. Outras toxicidades também foram mais frequentes quando comparadas à quimioterapia de escolha do investigador, como a toxicidade hematológica (anemia, queda de glóbulos brancos e queda de plaquetas) e náuseas/vômitos.


Conclusões 

Esta droga é extremamente promissora. O impacto positivo é enorme, abrindo caminho para uma nova geração de drogas e para o tratamento de doenças graves e consideradas anteriormente refratárias ao tratamento.

Victor Hugo Fonseca de Jesus

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Podcast Rádio Cancer Center #9 - Covid-19, leucemias e outros cânceres hematológicos
Escute uma conversa que esclarece a relação do novo Coronavírus com os tumores que ocorrem no sangue Covid-19. O assunto segue sendo o novo Coronavírus, a pandemia que coloca em alerta, especialmente, o paciente onco-hematológico. No caso das leucemias, tem algum tipo que fica mais...
A relação entre a mortalidade por Covid-19 e o câncer
No terceiro dia do congresso Next Frontiers to Cure Cancer 2021, do A.C.Camargo Cancer Center, Gisele Aparecida Fernandes, epidemiologista do Grupo de Epidemiologia e Estatística da Instituição, abordou a relação entre mortalidade por Covid-19 e o câncer. Foram apresentados dois artigos de sua autoria publicados...
Prebiótico x probiótico: saiba a diferença e por que são importantes para a saúde
Componentes ajudam na prevenção de tumores colorretais Nos últimos anos, duas palavras ganharam destaque na mídia e na internet quando o assunto é nutrição: os prebióticos e os probióticos. À primeira vista, pode parecer mais um modismo alimentar, porém o assunto vai além disso: eles...
Pesquisa avalia quais pacientes de câncer de colo do útero podem se beneficiar de cirurgia menos radical
Estudo liderado pelo nosso Diretor do Departamento de Ginecologia, Dr. Glauco Baiocchi Neto, foi escolhido como editorial principal da edição da Gynecologic Oncology, o primeiro do gênero realizado em país em desenvolvimento. O objetivo era identificar quais pacientes com câncer de colo de útero poderiam...
Estudo RAPIDO: foco no tratamento do carcinoma de reto localizado
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico, com a colaboração da médica da radioterapia Maria Leticia Gobo, ambos do A.C.Camargo Cancer Center Os resultados do estudo RAPIDO estavam sendo bastante aguardados. Os pacientes com carcinoma de reto distal de alto risco são tratados hoje...