Touca de resfriamento, disponível no A.C.Camargo Cancer Center, reduz queda de cabelo em pacientes que recebem quimioterapia

Publicado em: 13/11/2019 - 21:11:00
Release

Um dos efeitos colaterais mais comuns entre os pacientes que são tratados com quimioterapia é a perda parcial ou total de cabelo. Tecnologia implantada no A.C.Camargo Cancer Center tenta minimizar esse efeito evitando que a droga chegue até a raiz do cabelo

Um dos efeitos colaterais mais comuns e temidos pelos pacientes que recebem a indicação de quimioterapia é a perda parcial ou total de cabelo. A maioria das drogas utilizadas, ao passar pela corrente sanguínea danifica as células capilares, provocando a queda. Isso acontece porque a quimioterapia tem como alvo todas as células de divisão rápida no organismo e a divisão celular acontece de forma muito rápida nos fios. Os cabelos costumam cair em duas semanas após o início do tratamento com quimioterapia.

Uma tecnologia recente, introduzida no A.C.Camargo Cancer Center, está se mostrando eficaz em reduzir essa queda de cabelo. A técnica consiste em uma touca acoplada a uma serpentina que sai de uma caixa de resfriamento. O líquido de refrigeração circula na serpentina a uma temperatura de 4 ºC para que o couro cabeludo se mantenha em torno de 11ºC. Essa baixa temperatura é capaz de diminuir o diâmetro dos vasos sanguíneos, dificultando assim que a droga utilizada na quimioterapia penetre e danifique a raiz do cabelo.

Em âmbito geral, a touca é indicada para todos os pacientes que recebem quimioterápicos que têm a queda de cabelo como um efeito colateral associado. No entanto, os benefícios são mais evidentes para os pacientes que são tratados com duas classes específicas de drogas, os taxanos e as antraciclinas.

A touca é indicada também para homens, mas a procura é maior por parte das mulheres, sendo que os casos de câncer de mama representam 75% da procura das pacientes por essa tecnologia. A eficácia do controle da queda varia entre uma paciente e outra. “Em média, 50% dos fios são preservados”, observa Solange Sanches, oncologista clínica do A.C.Camargo.

De acordo com a especialista, alguns pacientes podem sentir dor no início e desconforto com a sensação de frio intenso no couro cabeludo, mas a maioria se adapta. “Depende de qual é o padrão de tolerância pessoal que o paciente tenha ao frio. É importante que estejam agasalhados e com cobertores. Em alguns casos, podem apresentar sintomas como dor de cabeça e sensação de dor no seio da face”, acrescenta a oncologista clínica.

Autoestima e privacidade

Além de focar no sucesso do tratamento, a paciente deseja desfrutar de uma boa qualidade de vida. Dentre os fatores que tornam esse desejo uma realidade, a autoestima positiva é um dos protagonistas. Se sentir mais bonita e até mais forte para seguir com os cuidados necessários são pontos que contribuem para a melhor evolução de todo o tratamento oncológico. “Embora muitas mulheres se adaptem a lenços, perucas, chapéus, ou mesmo a sair careca, outras sentem que estar careca é sinônimo de ficar estigmatizada. Para essas pacientes, ficar com os cabelos é algo muito mais importante do que a estética. Permite fazer a quimioterapia com discrição, sem precisar se expor a respeito da doença”, comenta Solange Sanches.

Como funciona

  • A touca é colocada 30 minutos antes da sessão de quimioterapia. O paciente permanece com ela durante toda a sessão e ainda por mais 90 minutos. Depois disso, fica ainda 10 minutos.

  • Deve ser usada em todas as sessões de quimioterapia.

  • A touca é bem leve e protegida por uma capa de neoprene. O paciente pode ler, se ocupar de atividades e até ir ao banheiro sem afetar o seu tratamento.

Conheça as redes sociais do A.C.Camargo:

Facebook: http://www.facebook.com/accamargocancercenter
Twitter: http://www.twitter.com/haccamargo
YouTube: http://www.youtube.com/accamargovideos
LinkedIn: http://www.linkedin.com/company/accamargo
Instagram: https://instagram.com/accamargocancercenter/

Clique aqui para acessar o formulário de atendimento 

Veja também

Inscrições para 17 bolsas de Iniciação Científica do A.C.Camargo Cancer Center estão abertas até dia 19
Alunos matriculados em programas de Graduação podem concorrer a uma das dezessete vagas da nova turma de Iniciação Científica (PIBIC) do A.C.Camargo, com apoio do CNPq. Objetivo é estimular a inclusão de jovens cientistas em projetos de pesquisa básica e clínica em Oncologia Uma oportunidade...
Patologistas discutem tratamento de novas classificações de câncer do trato gastrointestinal
Entre os dias 16 e 18 de junho, São Paulo receberá alguns dos mais renomados patologistas gastrointestinais do mundo, responsáveis pela atualização da classificação histológica dos tumores de esôfago, estômago, intestino, apêndice, pâncreas e fígado. Evento reunirá mais de 500 participantesOs avanços no entendimento das...
Congresso internacional promovido pelo A.C.Camargo Cancer Center discute novas abordagens para o câncer de pâncreas
Oito entre dez casos de câncer de pâncreas são diagnosticados em fase mais avançada, o que resulta em abordagens mais complexas e menos efetivas. Com o desafio de ampliar o entendimento sobre esta doença, cientistas do Brasil e exterior se reúnem em São Paulo de...
Avaliação genética poderá prever perda auditiva em crianças tratadas por câncer
Estudo publicado na Clinical and Translational Oncology por pesquisadores do A.C.Camargo Cancer Center descobriu que a variante genética c.313A>G do gene GSTP1 aumenta o risco das crianças tratadas com cisplatina e carboplatina virem a perder a audição a ponto de terem a fala comprometida.Um grupo...
OdontoPrev e A.C.Camargo firmam parceria com foco no diagnóstico precoce do câncer de boca
Ação visa auxiliar o cirurgião-dentista na identificação de lesões que podem resultar em diagnóstico precoce do câncer bucal. Com alta incidência no Brasil, a doença é diagnosticada em fase avançada em cerca de 8 entre 10 casos.São Paulo, 22 de julho de 2016 - O...