Síndrome metabólica e os riscos de diabetes, doenças do coração e câncer de fígado

Publicado em: 11/04/2017 - 21:04:00
Notícias

Não é uma doença nova, mas de uns anos para cá a chamada síndrome metabólica passou a chamar a atenção dos médicos de várias áreas, inclusive da oncologia.

Síndrome metabólica é um quadro clínico que envolve pelo menos três das seguintes características:

  • Pressão alta
  • Obesidade ou sobrepeso com gordura acumulada na região abdominal
  • Taxa de glicemia (açúcar no sangue) alta em jejum
  • Taxa de triglicérides alta
  • Níveis de HDL (o colesterol bom) baixos

Também chamada de síndrome da resistência à insulina e síndrome X, ela predispõe tanto ao diabetes tipo 2 quanto a doenças cardiovasculares, mas também começa a ser associada ao risco de câncer, especialmente o de fígado. Portadores da síndrome costumam apresentar ainda problemas de coagulação do sangue e uma leve, porém constante, inflamação no corpo, mas os especialistas ainda não sabem se esses dois fatores são consequência da síndrome ou se a agravam.

"O fato de a síndrome predispor ao diabetes e à doença cardiovascular já seria suficiente para termos atenção redobrada com esse quadro, mas é sempre bom lembrar que a obesidade é fator de risco importante para vários tipos de câncer", alerta Dr. Felipe Coimbra, nosso Diretor do Departamento de Cirurgia Abdominal. A preocupação é ainda maior em relação ao câncer de fígado. "A esteatose, ou seja, o acúmulo de gordura no fígado, está entre os principais fatores de risco desse tipo de câncer, da mesma forma que o diabetes e a obesidade", destaca.

O risco de desenvolvimento da síndrome aumenta com a idade e também é maior em pessoas que sofrem de apneia do sono e ovário policístico. No entanto, se o envelhecimento não pode ser controlado, outros fatores podem e devem. "A síndrome está associada a vários fatores comportamentais, como sedentarismo, excesso do consumo de sal e alimentação inadequada, excessivamente gordurosa", afirma o especialista. Daí a recomendação para uma alimentação saudável, rica em frutas e legumes frescos, com pouca fritura e uso moderado de sal. Além disso, controle da pressão arterial, já que a hipertensão costuma ser uma doença silenciosa, que não apresenta sintomas, e muitos hipertensos descuidam de medicação e dieta.

Outra recomendação importante é o controle periódico das taxas de glicemia (açúcar no sangue), notadamente em pessoas com histórico familiar de diabetes tipo 2. "Há uma série de estratégias para lidar com o pré-diabetes, que incluem dieta com restrição calórica e de açúcares, prática de exercícios físicos e, em alguns casos, até medicação", diz Dr. Felipe. Vale o mesmo para os baixos níveis de colesterol bom – perigosos, porque é o colesterol bom que elimina o colesterol ruim, aquele que se acumula nas paredes das artérias.

Fundamental também é o controle dos triglicérides, já que eles estão relacionados ao acúmulo de gordura no fígado, sobrecarregando o órgão e podendo levar a quadros de hepatite, fibrose ou cirrose hepática, todos fatores que aumentam o risco de câncer de fígado. Segundo especialistas, nos Estados Unidos, que convivem com uma epidemia de obesidade, 25% da população sofre de esteatose e o número de casos de câncer de fígado vem aumentando.

 

Dr. Felipe José Fernández Coimbra - CRM 93020
Diretor do Departamento de Cirurgia Abdominal
Especialista em Cancerologia/Cirúrgica - RQE nº 30634
Especialista em Cirurgia Geral - RQE nº 30635

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Sintomas iniciais do câncer de estômago são inespecíficos
No início, parece uma gastrite. E muitas pessoas se automedicam ou demoram a procurar um especialista. Os sintomas iniciais do câncer de estômago são bastante inespecíficos: os pacientes costumam se queixar de queimação no estômago, má digestão, dificuldade de engolir (deglutição) e refluxo ácido. Para...
Descoberto novo fator de risco para câncer pancreático familial
Apesar de corresponder a somente 2% dos casos de câncer no Brasil, o tumor maligno no pâncreas é um dos mais agressivos. Por ser de difícil detecção, a taxa de mortalidade aumenta devido ao diagnóstico tardio e aos índices de metástase. Porém, estudo publicado no...
Exames de rastreamento do câncer colorretal: Sangue Oculto nas Fezes e Colonoscopia
No Brasil, o tumor maligno no cólon e no reto é o terceiro tipo mais comum em homens e o segundo em mulheres. Diagnosticado inicialmente, o câncer colorretal pode apresentar cerca de 90% de chances de sucesso no tratamento. No entanto, apenas 25% dos casos...
Touca de resfriamento - Uma forma de colaborar com a autoestima e preservar a privacidade dos pacientes
Tentar manter a autoestima durante o tratamento de câncer ajuda no bem-estar e na qualidade de vida e também a paciente a se sentir mais bonita e até mais forte para seguir com os cuidados necessários. Nem sempre isso é tão simples. Um dos efeitos...
"Tirinhas sem Graça" - Cartunistas deixam a piada de lado e falam sério sobre câncer de próstata
O câncer de próstata é um assunto que deve ser sempre levado a sério. Baseado nesse conceito, o A.C.Camargo divulgou a ação "Tirinhas sem Graça", criada pela agência J. Walter Thompson, com ilustrações de alguns dos principais cartunistas do Brasil sobre a importância do diagnóstico...