Riscos e benefícios da reposição de vitamina D

Publicado em: 11/05/2015 - 21:05:00
Notícias

O que é a vitamina D?
Apesar do nome, na verdade, a vitamina D é um hormônio, que ajuda na saúde dos ossos, sendo protetor, por exemplo, contra a osteoporose. Além disso, há estudos que mostram que bons níveis de vitamina D podem diminuir a incidência de alguns tumores, inclusive da pele, mas para isso a pessoa não pode tomar mais sol que o recomendado.

Quais são os riscos de excesso desse hormônio?
O excesso desse hormônio no organismo pode acarretar alguns efeitos colaterais, como insuficiência renal e cálculo renal, perda de apetite e irritabilidade.

Como saber se devo repor vitamina D?
Para confirmar essa necessidade, o especialista deve solicitar um exame de dosagem dos níveis do hormônio. Ele também deve avaliar pessoas do grupo de risco, isto é, aqueles com descendência europeia, ou que ficam muito vermelhas quando expostas ao sol, assim como pacientes que já tiveram câncer de pele (que podem repor a vitamina D por via oral).

Qual é a forma ideal de repor vitamina D: sol, vitamínicos ou alimentos?
O primeiro passo é se informar. A exposição ao sol por dez minutos, três dias por semana, é suficiente para manter os níveis de vitamina D adequados, por exemplo, para o cidadão paulistano. Deve-se também seguir sempre a orientação de um especialista, que poderá indicar vitamínicos, quando necessário.

Além do sol e de suplementos vitamínicos, é possível obter vitamina D por meio do consumo de alimentos com maiores níveis dessa substância, como bacalhau, salmão, leite e gema de ovo. Porém, essa forma é a menos eficaz quando comparada às demais.

Dr. João Pedreira Duprat Neto - CRM 49571
Diretor do Departamento de Oncologia Cutânea
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 42350

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Doze cuidados com as mãos e os pés importantes ao paciente oncológico
Durante o tratamento quimioterápico, alguns pacientes podem sentir efeitos colaterais na pele, principalmente na região das mãos e dos pés. Dentre as principais alterações, destacam-se a Síndrome de mãos e pés; mudanças nas unhas e a neuropatia periférica, pequena lesão no Sistema Nervoso que pode...
Em câncer de endométrio nem sempre é preciso fazer linfadenectomia
Quando o câncer de endométrio avança, geralmente o primeiro lugar em que ele vai se instalar é nos linfonodos da pelve. "Depois disso, se o câncer continuar invadindo os tecidos, a tendência é que ele avance até a para-aórtica (que fica atrás do intestino)", explica...
O uso de aspirina pode prevenir o Câncer no Intestino?
Verdade. Diversos estudos demonstram a correlação da aspirina(ácido acetilsalicílico) com a prevenção do câncer colorretal. A Universidade Queen Mary, de Londres, revelou que o uso diário do medicamento, em baixa dosagem (75mg, menor que uma dose infantil) por mais de cinco anos pode prevenir tumores...
Evento para público leigo em SP destaca os sarcomas, tumores que podem acometer qualquer parte do corpo
Com mais de 12 mil novos casos previstos por ano nos Estados Unidos e em torno de 7,5 mil no Brasil, os sarcomas são considerados tumores raros, mas há uma questão que merece atenção: são tumores que podem acometer qualquer uma das estruturas denominadas partes...
Relatório da American Cancer Society indica queda na taxa de mortalidade entre os principais tipos de câncer
O índice de mortes de 2010 a 2014 diminuiu em 11 dos 16 tipos mais comuns de câncer entre os homens e em 13 dos 18 tipos mais comuns de câncer entre as mulheres, incluindo pulmão, colorretal, mama e câncer de próstata. Os maiores aumentos...