Radioterapia feita durante a cirurgia pode evitar volta de tumores digestivos e ginecológicos

Publicado em: 29/05/2019 - 17:05:53
Tratamento
Diagnóstico
Radioterapia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

Destacado em periódico internacional, estudo identificou que o procedimento garantiu sobrevida a pacientes 

Pessoas cujos tumores retornaram após a realização de um tratamento costumam apresentar limitações para se submeterem a novas terapias. Uma forma de virar esse jogo, de acordo com um estudo realizado no A.C.Camargo Cancer Center, é a radioterapia intraoperatória – feita durante o procedimento cirúrgico, depois que o tumor foi retirado.

Publicado no periódico Radiation Oncology, o estudo Intraoperative Radiation Therapy for the Treatment of Recurrent Retroperitoneal and Pelvic Tumors: a Single-Institution Analysis (Radioterapia no Intraoperatório para Tratamento de Tumores Retroperitoneais e Pélvicos Recorrentes: Análise de Instituição Única) acompanhou os casos de 41 pacientes do A.C.Camargo ao longo de 11 anos, entre 2004 e 2015. Pessoas acometidas por tumores no trato digestivo (pâncreas, cólon, reto), trato ginecológico (colo do útero, endométrio) e por sarcomas (músculos, tendões, gordura). 

Tais pacientes não tinham metástases e apresentaram o retorno da doença em um único local, na região pélvica ou retroperitoneal, que é a parte posterior do abdome.

“A radioterapia intraoperatória foi feita em uma única aplicação, logo após a retirada do tumor, na região do retorno, visando evitar outra recidiva”, explica um dos autores do estudo, o doutor Tharcisio Machado Coelho, do Departamento de Radioterapia do A.C.Camargo. “Alguns pacientes também realizaram outras técnicas de radioterapia após a recuperação da cirurgia”, complementa o especialista. 

 

O controle do tumor

Essa técnica influenciou significativamente o tempo de vida dos pacientes. “Após oito anos com esse procedimento, alcançamos 50% de controle local da doença. O sucesso na retirada de todo tumor, antes da radioterapia intraoperatória, relaciona-se com um melhor controle local da doença”, afirma Tharcisio.

Esses procedimentos somente são possíveis porque o A.C.Camargo conta com um centro cirúrgico dentro do Departamento de Radioterapia, próximo à sala do acelerador linear, o grande diferencial do cancer center.

“Isso viabiliza a retirada do tumor e a realização da radioterapia concomitantemente. Essa estrutura associada à expertise de uma equipe multidisciplinar experiente e atualizada torna viável o tratamento para esses tumores recidivados”, celebra Tharcisio.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Existe exame “preventivo” para o câncer de ovário?
Embora o câncer de ovário seja incomum, atualmente ocupa no mundo a oitava posição entre as causas de morte por câncer entre as mulheres. Segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), a incidência estimada para 2019 no Brasil é de 5,79 casos por 100.000...
Câncer de testículo é altamente curável e predominante em jovens
Considerado raro, o câncer de testículo, curiosamente, é mais comum em jovens na faixa dos 15 aos 40 anos – predominantemente entre 20 e 34 anos. “Pega o homem no auge de sua vida sexual, reprodutiva e de sua capacidade de trabalho, então causa um...
Mamografia e covid-19: posso tomar a vacina e fazer o exame?
A mamografia é o exame mais importante para se diagnosticar o câncer de mama. Realizada via mamógrafo, um equipamento de raio-x, a mamografia é capaz de identificar lesões nos estágios iniciais. Mas, em tempos de covid-19, é preciso ter atenção em relação ao momento de...
Cientistas focam em evitar desnecessárias cirurgias de tireoide
Com espectrometria de massas e alterações genéticas, pesquisas visam elucidar maior conhecimento da biologia do tumor Quase seis vezes mais comum nas mulheres, o câncer de tireoide, segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (INCA), deverá acometer mais de 8 mil brasileiras em 2019, sendo...
Anemia: o doce bolo de feijão que a combate
Assista ao vídeo e, em 1 minuto e meio, aprenda esta inusitada receita que reforça o ferro no organismo Anemia, um efeito colateral conhecido dos pacientes oncológicos, que, durante o tratamento, muitas vezes passam a apresentar deficiência de ferro (esta é a causa que leva...