Radioterapia feita durante a cirurgia pode evitar volta de tumores digestivos e ginecológicos

Publicado em: 29/05/2019 - 17:05:53
Tratamento
Diagnóstico
Radioterapia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

Destacado em periódico internacional, estudo identificou que o procedimento garantiu sobrevida a pacientes 

Pessoas cujos tumores retornaram após a realização de um tratamento costumam apresentar limitações para se submeterem a novas terapias. Uma forma de virar esse jogo, de acordo com um estudo realizado no A.C.Camargo Cancer Center, é a radioterapia intraoperatória – feita durante o procedimento cirúrgico, depois que o tumor foi retirado.

Publicado no periódico Radiation Oncology, o estudo Intraoperative Radiation Therapy for the Treatment of Recurrent Retroperitoneal and Pelvic Tumors: a Single-Institution Analysis (Radioterapia no Intraoperatório para Tratamento de Tumores Retroperitoneais e Pélvicos Recorrentes: Análise de Instituição Única) acompanhou os casos de 41 pacientes do A.C.Camargo ao longo de 11 anos, entre 2004 e 2015. Pessoas acometidas por tumores no trato digestivo (pâncreas, cólon, reto), trato ginecológico (colo do útero, endométrio) e por sarcomas (músculos, tendões, gordura). 

Tais pacientes não tinham metástases e apresentaram o retorno da doença em um único local, na região pélvica ou retroperitoneal, que é a parte posterior do abdome.

“A radioterapia intraoperatória foi feita em uma única aplicação, logo após a retirada do tumor, na região do retorno, visando evitar outra recidiva”, explica um dos autores do estudo, o doutor Tharcisio Machado Coelho, do Departamento de Radioterapia do A.C.Camargo. “Alguns pacientes também realizaram outras técnicas de radioterapia após a recuperação da cirurgia”, complementa o especialista. 

 

O controle do tumor

Essa técnica influenciou significativamente o tempo de vida dos pacientes. “Após oito anos com esse procedimento, alcançamos 50% de controle local da doença. O sucesso na retirada de todo tumor, antes da radioterapia intraoperatória, relaciona-se com um melhor controle local da doença”, afirma Tharcisio.

Esses procedimentos somente são possíveis porque o A.C.Camargo conta com um centro cirúrgico dentro do Departamento de Radioterapia, próximo à sala do acelerador linear, o grande diferencial do cancer center.

“Isso viabiliza a retirada do tumor e a realização da radioterapia concomitantemente. Essa estrutura associada à expertise de uma equipe multidisciplinar experiente e atualizada torna viável o tratamento para esses tumores recidivados”, celebra Tharcisio.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Atendimento Oncológico Protegido: como protegemos nossos profissionais
A pandemia da Covid-19 mudou a vida de muita gente. No A.C.Camargo, adotamos medidas imediatas para conter o vírus em nossa Instituição e proteger a vida de nossos profissionais e pacientes. Antes mesmo que a contaminação por SARS-CoV-2 fosse considerada uma pandemia pela Organização Mundial...
Dia Nacional da Mamografia
Comemorado em 5 de fevereiro, data reforça a importância do exame para diagnóstico precoce da doença Em 5 de fevereiro é comemorado o Dia Nacional da Mamografia, com objetivo de conscientizar a população sobre a importância do exame para detectar alterações na mama. O exame...
Vídeo: Tratamento de câncer de intestino diminuiu por conta da pandemia
O Dr. Samuel Aguiar Junior, head do Centro de Referência em Tumores Colorretais e Sarcoma do A.C.Camargo Cancer Center, participou ontem (18/02) da reportagem exibida no Jornal Nacional (Rede Globo) comentando a dificuldade de acesso ao diagnóstico e tratamento por parte da população durante a...
Radioterapia lattice: tratamento inovador na América Latina
Com uma dose adicional de radiação, terapia pode trazer novas perspectivas de controle para tumores considerados grandes e sem tratamento A detecção precoce do câncer é um dos fatores primordiais para que o tratamento do paciente tenha maiores chances de sucesso. Mas, tumores em estágios...
Gente do Banco de Sangue: conheça Eloir Domingos
Uma conversa tira-dúvidas com a enfermeira que está à frente desse departamento Há quanto tempo você trabalha no Banco de Sangue? Cinco anos e 11 meses, porém já atuo há 10 anos como enfermeira especialista em hemoterapia. A agulha de doação de sangue dói mais...