Radioterapia: acolhimento ao paciente

Publicado em: 01/11/2019 - 10:11:37
Tratamento
Foco do paciente
Radioterapia

Por Katia Trigo, Enfermeira da Radioterapia do A.C.Camargo Cancer Center


Na Semana Brasileira da Oncologia, apresentei o resultado do trabalho de acolhimento, conhecido como Radiotour, que realizamos no A.C.Camargo Cancer Center.

É algo inovador e vai de encontro com os temas mais atuais em relação à jornada: experiência do paciente, cuidado centrado e segurança do paciente. 


Radioterapia: o método Radiotour

O projeto Acolhimento na Radioterapia, denominado Radiotour, inicia-se após a consulta médica, com a abordagem da enfermagem especializada e a visita à estrutura física. 

Permeia todas as etapas do tratamento e conclui-se com o monitoramento remoto, em média 7 dias após a alta. Os pacientes que não tiveram indicação do tratamento são orientados quanto aos fatores impeditivos e acompanhados até tornarem-se aptos. 

Esse acompanhamento dos pacientes, aptos e não aptos ao tratamento, é realizado pela equipe multidisciplinar até o desfecho do caso – ou início de tratamento.


Rápido e humano

Após a implantação do modelo Cancer Center no A.C.Camargo, decidimos conciliar requisitos de navegação no tratamento de radioterapia, tendo como principal finalidade a redução do intervalo de tempo entre diagnóstico e início do tratamento, além de contribuir para a diminuição da ansiedade pelos pacientes e familiares.


Mais benefícios

Este projeto nos mostrou que é possível melhorar os processos em várias vertentes, como o gerenciamento efetivo pela equipe multiprofissional, resultando em um tratamento seguro ao paciente.

Primeiro, conseguimos diminuir o tempo entre a consulta de indicação e o tratamento (em 40%, média de 16 dias). 

Também implementamos indicadores de qualidade (na assistência e no administrativo) que norteiam um plano de cuidado individualizado, humanizado, com um fluxo de atendimento mais rápido, mais seguro e menos burocrático. 

Por fim, é de valia lembrar que, após esse primeiro projeto, desenvolvemos mais dois trabalhos que também foram apresentados pelas enfermeiras da radioterapia em formato de pôster:
1)    Análise das causas de interrupção do tratamento de radioterapia em um Cancer Center;
2)    O impacto do monitoramento remoto na qualidade de vida dos pacientes após tratamento de radioterapia. 

Radioterapia Katia Trigo

Radioterapia Katia Trigo

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Dia do Médico: inspire-se com o Doutor Torloni
O Dia do Médico é comemorado anualmente em 18 de outubro. Data esta que foi escolhida por ser o Dia de São Lucas, o padroeiro da medicina. Sinônimo de pioneirismo e devoção à profissão, o Doutor Humberto Torloni (1924–2017) cumpriu uma trajetória marcante e inspiradora...
Câncer de canal anal: o que há de novo?
Na oncologia, a área é carente de estudos, mas Brasil e América Latina podem fazer a diferença pelo grande número de pacientes O câncer de canal anal é uma área carente de pesquisa. Nos EUA, esse tipo de câncer representa 2,6% das neoplasias do trato...
Nosso aluno de pós-graduação propõe uma combinação inovadora de técnicas para quimioterapia em câncer de ovário avançado
O estudo mostrou que a nova abordagem é segura e pode agilizar o tratamento. O método convencional de tratamento para câncer de ovário avançado indica cirurgia para a retirada completa do tumor e, depois, seis ciclos de quimioterapia. Há alguns anos surgiu a quimioterapia intraperitonial...
O câncer colorretal e os impactos da Covid-19
Pacientes com câncer colorretal, claro, também foram impactados pela pandemia da Covid-19. Essa temática motivou um estudo de grande relevância: Impact of Covid-19 Pandemic on Initial Presentation of Colorectal Cancer: Barriers to Access to Cancer Care Identified from a Comprehensive Cancer Center in Brazil (em...
Pesquisa identifica características incomuns no câncer de tireoide mais frequente
O câncer papilífero de tireoide é o mais comum dos tumores de cabeça e pescoço e o mais frequente da tireoide, somando 90% dos casos. Ele costuma ser indolente, isto é, ter progressão lenta, e sua incidência vem crescendo em vários países, não se sabe...