Presença de proteína no sangue é um importante biomarcador para controle de câncer de estômago

Publicado em: 23/05/2019 - 10:05:18
Tratamento
Pesquisa
Genética
Tumores do Aparelho Digestivo Alto

Oncogene HER 2 é maior nas células tumorais circulantes do que nos tumores primários

O câncer de estômago é a terceira neoplasia maligna mais letal do planeta, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) – corresponde a 8% de todos os tumores. Entre as causas, além de uma falta geral de compreensão da biologia do tumor, estão a ausência de sintomas que levam ao diagnóstico tardio e às baixas taxas de resposta à quimioterapia. 

Razões que motivaram o estudo The Potential Clinical Implications of Circulating Tumor Cells and Circulating Tumor Microemboli in Gastric Cancer / As Implicações Clínicas Potenciais de Células Tumorais Circulantes e Microembolia do Tumor Circulante no Câncer Gástrico. 

Publicado na The Oncologist, o trabalho analisa as chamadas células tumorais circulantes, que têm esse nome porque se desprendem do tumor. “Essas células vão para o sangue; quando isso ocorre, há risco de metástase”, afirma um dos autores do estudo, Victor Hugo Fonseca de Jesus, vice head de tumores abdominais do A.C.Camargo Cancer Center. 

Foram avaliados 55 pacientes de nossa Instituição, homens e mulheres com média de 57 anos e sem metástase no instante do diagnóstico. Ficou constatado que a presença do oncogene HER 2 é maior nas células tumorais circulantes (43%) do que nos tumores primários (11%). 

O que isso representa de benefício para os pacientes? “Para uma definição mais segura do tratamento, a presença deste marcador deve ser avaliada”, explica a farmacêutica bioquímica Ludmilla Chinen, uma das líderes do estudo.

Também foram quantificados os microêmbolos tumorais circulantes e ficou constatado que pacientes com maior risco de progressão da doença têm maior expressão da proteína placoglobina, mostrando-se um potencial biomarcador tumoral.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Avanços em carcinoma renal e as necessidades do pacientes
Simpósio proporcionou um momento único para debate sobre a doença Por José Augusto Rinck Jr., oncologista clínico O Simpósio de Avanços em Carcinoma Renal foi um dia todo dedicado ao câncer de rim, com palestras e discussões sobre os mais recentes avanços terapêuticos e as...
Dia Nacional dos Ostomizados
Procedimento proporciona a pacientes nova oportunidade de viver com mais qualidade A ostomia, mais conhecida como estomia, é uma cirurgia realizada com objetivo de construir um novo caminho para eliminar a urina e as fezes. É um procedimento que salva vidas. Mas, ainda existem pessoas...
Tratamento oncológico e libido: uma relação delicada
A diminuição da libido é normalmente uma questão pouco abordada quando se fala em efeitos colaterais do tratamento oncológico. No entanto, é comum entre os pacientes com câncer. Costuma afetar principalmente mulheres cujo tratamento da doença gera mutilações, como os tumores ginecológicos ou de mama...
Estudo clínico consolida benefício da terapia hormonal combinada no câncer de próstata metastático sensível à castração
Apresentada na ASCO, a análise envolveu 1125 pacientes divididos em dois grupos Por Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center Novidade da ASCO 2019, o estudo ENZAMET analisou 1125 portadores de câncer de próstata metastático sensível à castração. Esses pacientes foram randomizados em dois...
Podcast Rádio Cancer Center #47 - Quimioterapia e Mulheres
Podcast Radio Cancer Center: no episódio #47, o jornalista Bruno Favoretto e Gustavo Fiorin, do Ensino, bateram um papo com a Dra. Solange Sanches, médica oncologista, e com a Gisele de Oliveira Pereira, enfermeira oncologista do A.C.Camargo Cancer Center sobre quimioterapia e mulheres. Quais as...