Pesquisadores evidenciam relação entre as células tumorais circulantes e a resposta ao tratamento de câncer de cabeça e pescoço

Publicado em: 03/06/2019 - 18:06:37
Pesquisa
Tratamento
Genética
Tumores de Cabeça e Pescoço

Estudo apresentado no congresso por profissionais do A.C.Camargo também avaliou o período livre de progressão e a sobrevida global

Apresentado em Chicago no Congresso anual da ASCO – sigla em inglês para a Sociedade Americana de Oncologia Clínica –, um trabalho desenvolvido por pesquisadores do A.C.Camargo evidencia a relação entre a quantidade de células tumorais circulantes (CTCs) e a resposta ao tratamento apresentada por pacientes com câncer de cabeça e pescoço. Os autores avaliaram também o período livre de progressão e a sobrevida global.

O pôster Prognostic Impact Of Baseline Circulating Cells (CTCs) Detected By The Isolation By Size Of Epithelial Tumor Cells (Iset) In Locally Advanced Head And Neck Squamous Cell Carcinoma (LAHNSCC): Results Of A Prospective Study traz os resultados da análise de CTCs provenientes de amostras de sangue de 83 pacientes tabagistas – 69 homens e 14 mulheres. Todos eles portadores de tumores primários de orofaringe, cavidade oral, laringe e hipofaringe.

“O objetivo foi avaliar o impacto prognóstico da análise de CTCs em pacientes com tumores de cabeça e pescoço não metastáticos, porém localmente avançados, em estágios III e IV”, explica o oncologista clínico Thiago Bueno Oliveira, principal autor deste trabalho translacional, ao lado da pesquisadora Ludmilla T.D. Chinen.  

Foi utilizada, após a coleta de sangue, a técnica de isolamento das células epiteliais do tumor por tamanho (ISET) para a contagem e a caracterização das CTCs. Essas células tumorais circulantes foram definidas de acordo com os critérios citopatológicos: tamanho e tipo de contorno do núcleo da célula, presença de citoplasma visível e escasso e exame de imunocitoquímica negativo para CD45. 

Os pacientes foram divididos em dois grupos, ambos com indicação de tratamento com opção de cura. Um grupo passou por cirurgia e radioterapia adjuvante (com a contagem de CTCs sendo feita antes da radioterapia). No outro grupo ficaram os pacientes candidatos a estratégias não-cirúrgicas (tumores inoperáveis ou passíveis de serem preservados), com radioterapia inicial concomitante com quimioterapia (cisplatina) ou cetuximabe (inibidor de EGFR). 

Resultados

A taxa de detecção de CTCs foi de 94% (em 78 de 83 pacientes) e as contagens dessas células presentes na circulação foram significativamente correlacionadas à sobrevivência. 

No grupo tratado com uma abordagem não-cirúrgica, para cada aumento de uma CTC por ml de sangue no início do estudo, houve um aumento relativo de 18% no risco de morte e de 16% no risco de progressão, além de redução de 26% nas chances de resposta completa ao tratamento. Na mediana das análises, os pacientes apresentaram 3,5 CTCs por ml. 

“Queremos tornar o tratamento cada vez mais personalizado e eficaz. Quando sabemos quais pacientes têm risco aumentado de progressão da doença, podemos optar por um tratamento sistêmico com medicações mais potentes”, afirma Bueno. 

Além de Ludmilla Chinen e Thiago Bueno, o estudo contou com a participação das biólogas Alexcia Camila Braun e Emne Abdallah, dos oncologistas clínicos Ulisses Ribaldo Nicolau e Victor Hugo Fonseca, do cirurgião oncológico e diretor de cabeça e pescoço, Luiz Paulo Kowalski, da enfermeira Vanessa Silva Alves e do estatístico Vinícius Calsavara, todos do A.C.Camargo Cancer Center.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Vigilância Ativa em câncer de tireoide: o tratamento acompanhado de perto
Monitoramento para o carcinoma papilífero pode proporcionar uma terapia mais benéfica e evitar a retirada da glândula Alguns tipos de câncer de tireoide, como o carcinoma papilífero, possuem uma evolução muito lenta e com poucas repercussões ao(à) paciente. Estudos de pesquisadores japoneses e americanos indicaram...
Coronavírus e os cuidados necessários com a traqueostomia
Pacientes traqueostomizados devem manter algumas precauções específicas Com a pandemia do novo Coronavírus, o paciente traqueostomizado precisa de cuidados que vão além daqueles de rotina. Quando um paciente tem um câncer que dificulta a passagem de ar para os pulmões, como um tumor na garganta...
Equipe de Radioterapia do A.C.Camargo participa de congresso internacional em Chicago (EUA)
Médicos e residentes apresentaram trabalhos desenvolvidos na Instituição Considerado o mais importante congresso mundial sobre radioterapia, o ASTRO 2019, realizado pela American Society for Radiation Oncology apresenta anualmente os resultados mais promissores de ensaios clínicos em andamento que incluem novas tecnologias, novas doses de radiação...
Inibidores de PARP: estamos vivendo uma mudança de paradigma?
Medicamento atua inibindo enzimas relacionadas às mutações BRCA1 e BRCA2 presentes no desenvolvimento de câncer de ovário Os inibidores de PARP. estão quebrando paradigmas no tratamento de câncer de ovário. O medicamento, que funciona como uma quimioterapia oral, tem sido utilizado para tratamento de uma...
Câncer de cabeça e pescoço: programa científico – Next Frontiers to Cure Cancer 2021
O câncer de cabeça e pescoço será o foco de dois dias intensos de debates no Next Frontiers to Cure Cancer 2021. Um total de 56 especialistas renomados nessa área, incluindo 10 palestrantes internacionais, abordarão as principais novidades no tratamento desses tumores, além de aspectos...