Pesquisador do A.C.Camargo avalia papel de medicamento em carcinomas de cabeça e pescoço

Publicado em: 26/06/2019 - 14:06:42
Pesquisa
Tratamento
Quimioterapia
Tumores de Cabeça e Pescoço

Publicado na conceituada JAMA Oncology, estudo comparou 617 pacientes tratados com afatinibe e placebo

Pacientes diagnosticados com carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço (HNSCC) de cavidade oral, hipofaringe, laringe e orofaringe foram avaliados em um estudo publicado na revista científica JAMA Oncology. Intitulado LUX-Head & Neck 2, o trabalho contou com a participação de Ulisses Ribaldo Nicolau, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center.

O principal ponto analisado na pesquisa foi a sobrevida livre de doença. Em outras palavras, levou-se em conta se a medicação em questão (afatinibe) seria capaz de reduzir o número de pacientes que sofre com recidiva do câncer.

 

Como funcionou

Seiscentos e dezessete pacientes foram randomizados para receber terapia adjuvante com afatinibe (40mg/dia) ou placebo. Tratava-se de pessoas com a doença localmente avançada, de risco alto ou intermediário, que se submeteram à quimiorradioterapia definitiva (com ou sem quimioterapia de indução). Era permitida a ressecção cirúrgica de doença residual após a quimiorradioterapia – 41 pacientes necessitaram de operação. 

Após um acompanhamento médio de 22 meses, 26% dos pacientes que receberam afatinibe apresentaram recidiva da neoplasia; no grupo do placebo, 25% dos pacientes foram acometidos com o retorno da neoplasia. Esses pacientes que receberam afatinibe também apresentaram mais efeitos colaterais que os tratados com placebo (96% versus 55%) – os mais comuns são diarreia, rash/acne e estomatite. 

Conclusão do estudo: o afatinibe falhou em reduzir as chances de recidiva de carcinoma de cabeça e pescoço, portanto não deve ser usado para essa condição.

 

Relevância do trabalho

A cada ano, mais de 830 mil indivíduos são diagnosticados com carcinoma de células escamosas de cabeça e pescoço (HNSCC) no mundo todo. Nesse período, a média de mortes é de mais de 430 mil casos. 

Dados do INCA apontam que no Brasil, em 2018, houve aproximadamente 22 mil novos casos de neoplasias de boca e laringe. O HNSCC representa 90% de todos os cânceres de boca e laringe, podendo ser detectado em vários sítios anatômicos: cavidade oral, lábios, laringe, nasofaringe, orofaringe e hipofaringe. 

Aproximadamente 75% dos HNSCC estão associados ao uso de tabaco e álcool; uma minoria dos HNSCC é causada pela infecção pelo papilomavírus humano (HPV). 

Nos Estados Unidos, o declínio do uso de cigarros tem sido associado a uma diminuição na incidência de HNSCC, com exceção do carcinoma epidermoide da orofaringe relacionado ao HPV, que vem apresentando uma incidência crescente e acelerada. Essa infecção pelo HPV tem um papel estabelecido como causador do HNSCC, principalmente na orofaringe.

 

EGFR e seu papel

O EGFR – uma proteína receptora presente na membrana das células tumorais – é superexpresso em até 90% dos carcinomas de células escamosas de cabeça e pescoço (HNSCC). Altos níveis dessa proteína estão correlacionados a um pior prognóstico. Aí entra o afatinibe, que é uma medicação inibidora de tirosina quinase, proteína que bloqueia a transmissão da sinalização celular gerada por receptores da família EGFR. 

Em estudos prévios, o afatinibe se mostrou bastante eficaz contra tumores de pulmão EGFR mutado. Em tumores de cólon avançados, a utilização de anticorpos contra o EGFR (por exemplo, cetuximabe e panitumumabe) também melhoraram os desfechos.

Em pacientes com HNSCC recorrente e/ou metastático, a adição de cetuximabe à quimioterapia de primeira linha melhora as taxas de resposta, de sobrevida livre de progressão (SLP) e de sobrevida global (SG) – SG de10,1 meses versus 7,4 meses para os que não associaram o cetuximabe. 

Nos indivíduos com HNSCC loco regional avançada, o cetuximabe associado à radioterapia melhora a SG em comparação à radioterapia isolada (49 meses versus 29,3 meses). 

Já em pacientes com HNSCC recidivado ou metastático, que já haviam progredido a terapias à base de platina, o afatinibe mostrou benefício em SLP quando comparado à quimioterapia metotrexate (2,6 meses versus 1,7 meses). 

Em suma, embora o bloqueio de EGFR tenha uma forte fundamentação científica, esses resultados não se traduziram no cenário adjuvante com o uso de afatinibe em pacientes portadores de HNSCC.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Imunoterapia em Tumores de Cabeça e Pescoço: uma Nova Esperança de Tratamento
Por Marcelo Corassa, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O tratamento do câncer de cabeça e pescoço sempre foi extremamente complexo, sobretudo quando não há a possibilidade de realizar um tratamento curativo. Quando esses tumores já se apresentam com metástases ou voltam após a cirurgia...
Dezembro Laranja: avanços no tratamento de tumores de pele; veja o vídeo
Dezembro Laranja é o mês para conscientização sobre a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de pele. O tratamento do câncer de pele, tanto o melanoma quanto o não melanoma, avançou muito nos últimos anos. Com a entrada no mercado da imunoterapia e das...
O Dia do Oncologista e a excelência em ensino do A.C.Camargo
Esse profissional da medicina tem um diferencial no processo de formação: a humanização Nove de julho é o Dia do Oncologista. Trata-se de uma especialidade peculiar da medicina, pois esse profissional é responsável pelo diagnóstico e pelo tratamento do câncer. Há um aspecto adicional que...
Um cisto no ovário pode estar relacionado a um câncer?
Cisto no ovário, uma preocupação que pode surgir entre algumas mulheres. Os ovários são órgãos responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos e pelo armazenamento dos óvulos. São duas glândulas localizadas na cavidade pélvica da mulher, com formato parecido ao de uma amêndoa. A partir...
Você sabe o que é laringectomia?
O câncer de laringe é uma doença que atingirá 6.470 em homens e de 1.180 em mulheres no Brasil em 2022, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). Uma formas de tratamento é a remoção cirúrgica do órgão, de forma parcial ou total, chamada de...