Pesquisa usa biópsia líquida para antever risco de metástases em pacientes com tumores de cabeça e pescoço

Publicado em: 09/06/2017 - 21:06:00
Pesquisa
Diagnóstico
Inovação e tecnologia
Tumores de Cabeça e Pescoço

Microêmbolos compostos por um aglomerado de células tumorais (chamadas de CTMs) circulam pela corrente sanguínea e podem levar à metástase. Para identificar marcadores presentes nessas células que apontem o risco de metástase, nossos pesquisadores avaliaram, usando biópsia líquida, amostras de sangue de 53 pacientes com câncer de cabeça e pescoço avançado. O estudo foi publicado em agosto na revista científica Head & Neck.

As amostras de sangue foram colhidas em dois momentos: antes do início do tratamento e, em média, três meses após o tratamento (com quimioterapia ou radioterapia). Os pacientes que não apresentaram microêmbolos antes e após o tratamento tiveram 22,4 meses de sobrevida livre de progressão da doença (SLP), enquanto os pacientes com microêmbolos tiveram sobrevida de 4,7 meses.

A pesquisa é parte da tese de doutorado do Dr. Thiago Bueno de Oliveira, da Oncologia Clínica, orientada pela Dra. Ludmilla Thomé Domingos Chinen, que lidera o grupo de células tumorais circulantes do CIPE. A tese ainda é co-orientada pelo Dr. Luiz Paulo Kowalski, Diretor do Departamento de Cabeça e Pescoço. "Estudar a presença dos microêmbolos é importante porque, quando as células estão agrupadas na circulação, o nosso organismo/sistema imune tem menos força para combatê-las. Consequentemente, aumenta a probabilidade de que elas fiquem presas nos capilares de algum órgão como o pulmão ou o fígado, resultando em metástase", explica Dr. Thiago.

O fato de apresentar microêmbolos não significa que o paciente já tenha metástase e sim que há um risco maior disso ocorrer. "Isso é o mais interessante: apesar de eles não terem metástase macroscópica, 90% deles têm células circulando. E nem todos esses 90% terão metástase no futuro. O objetivo é entender porque alguns vão apresentar metástases e outros não", diz o especialista. O estudo revelou também que a expressão do marcador TGF- ßRI nessas células indica que a doença pode voltar. Isso abre a possibilidade de um tratamento personalizado com inibidores desse marcador.

 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Dia do médico patologista: profissional dedicado ao diagnóstico
A especialidade, cuja data comemora-se em 5 de agosto, realiza o diagnóstico de células e tecidos Dia do médico patologista: O diagnóstico de um câncer passa, antes de tudo, pelas mãos de um profissional fundamental: o(a) médico patologista. Ele(a) estuda as alterações observadas nas células...
Será que isso causa câncer?
Há muitas informações sobre o câncer disponíveis na internet, mas algumas delas são enganosas ou erradas. Assim, alguns mitos e verdades são tema de conversas no dia a dia de um oncologista clínico no consultório. A seguir, veja seis dos mitos mais comuns sobre o...
Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando...
Saúde Digestiva: os sinais e sintomas que merecem atenção
Reconheça os alertas que pedem uma consulta médica Saúde Digestiva: no câncer, a chance de sobrevida pode até dobrar se o diagnóstico for realizado precocemente. Por isso, o A.C.Camargo Cancer Center tem um Fluxo Oncológico Protegido para receber seus pacientes, algo pensado não apenas para...
Pacientes com linfonodo positivo e adenocarcinoma têm mais risco de recidiva em outros órgãos
Estudo conclui, contudo, que um ciclo de quimioterapia adicional e reforçado poderia minimizar a reincidência de tumores em portadoras de câncer de colo uterino Pacientes com câncer de colo de útero com linfonodo comprometido e adenocarcinoma, por exemplo, têm mais chance de recidiva à distância...