Orientações sobre a gripe 2018

Publicado em: 29/05/2018 - 21:05:00
Notícias

A gripe

A influenza ou gripe é uma infecção respiratória aguda, causada pelo vírus influenza, com alto potencial de transmissão. Os primeiros sintomas geralmente são: febre, dor muscular e tosse seca. A evolução costuma ser branda e autolimitada, por período de quatro dias a sete dias, mas pode apresentar formas graves, levando o paciente à internação.

Existem três tipos de vírus influenza que circulam no Brasil: A, B e C. Os vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias.

Tipo A - Entre os subtipos de vírus influenza A, atualmente os subtipos A(H1N1) e A(H3N2) circulam com frequência  e infectam humanos. 

Não há circulação do vírus H2N3 no Brasil.

A vacina

 A vacina contra gripe é segura e é a intervenção mais importante para evitar casos graves e mortes pela doença.  

A vacina contra influenza é uma vacina de vírus inativado (incapaz de provocar doença).

Anualmente, são definidas as cepas que constituirão a vacina. Em 2018, a vacina trivalente será constituída de duas cepas similares ao vírus influenza A (H1N1 e H3N2) e uma cepa similar ao influenza B (disponível em todos os postos de saúde).

A vacina tetravalente inclui mais uma cepa similar ao influenza B (somente disponível em clínicas particulares).

Indicações para tomar a vacina

- Todo paciente em tratamento de câncer pode e deve tomar a vacina contra gripe.

- Pacientes com tumores sólidos ou hematológicos têm maior risco para infecção e complicações de influenza, tendo prioridade e recomendação formal para vacinação.

- Pacientes que recebem radioterapia, quimioterapia venosa ou oral, terapia-alvo (incluindo rituximabe) ou pacientes pós-transplante.

- Pacientes que utilizam imunoterapia (anticorpos anti-PD-L1 e anti-CTLA4) podem receber a vacina.

- Pacientes em estudo clínico devem ter a conduta individualizada, sempre após consulta à equipe médica responsável pelo estudo.

- Pessoas em contato com pacientes com câncer (principalmente crianças) e profissionais de saúde, que não apresentem contraindicação, devem receber também a vacina.

Demais grupos prioritários:

  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos
  • Gestantes
  • Puérperas (até 45 dias após o parto)
  • Trabalhadores de saúde
  • Povos indígenas
  • Indivíduos com 60 anos de idade ou mais 
  • População privada de liberdade
  • Funcionários do sistema prisional
  • Professores da rede pública e privada
  • Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis
  • Pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais (doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias)

Não se pega a gripe tomando a vacina.

A reação com febre baixa e dor no corpo por um ou dois dias pode acontecer com qualquer vacina e não se trata de gripe.

Prevenção

Para redução do risco de adquirir ou transmitir doenças respiratórias, especialmente as de grande infectividade, como vírus influenza, orienta-se que sejam adotadas medidas gerais de prevenção, tais como:

  • Frequente higienização das mãos, principalmente antes de consumir algum alimento
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca
  • Higienizar as mãos após tossir ou espirrar
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas
  • Manter os ambientes bem ventilados
  • Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas de influenza
  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados (procurar manter os ambientes ventilados)
  • Orientar o afastamento temporário (trabalho, escola etc.) até 24 horas após cessar a febre

Indivíduos que apresentem sintomas de gripe devem:

  • Evitar sair de casa em período de transmissão da doença (até 7 dias após o início dos sintomas)
  • Evitar visitar pacientes em hospitais
  • Restringir ambiente de trabalho para evitar disseminação
  • Evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados

Importante

O serviço de saúde deve ser procurado imediatamente caso a pessoa apresente algum destes sintomas: dificuldade para respirar, lábios com coloração azulada ou roxeada, dor ou pressão abdominal ou no peito, tontura ou vertigem, vômito persistente, convulsão.

Referências:

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Fumo de terceira mão também é fator de risco para desenvolvimento de câncer
Toxinas que se fixam em roupas e no ambiente após o indivíduo terminar o cigarro também fazem mal à saúde. Após a consolidação de evidências sobre os males para quem fuma e para os fumantes passivos, cientistas chamam a atenção da sociedade para os perigos...
Doze cuidados com as mãos e os pés importantes ao paciente oncológico
Durante o tratamento quimioterápico, alguns pacientes podem sentir efeitos colaterais na pele, principalmente na região das mãos e dos pés. Dentre as principais alterações, destacam-se a Síndrome de mãos e pés; mudanças nas unhas e a neuropatia periférica, pequena lesão no Sistema Nervoso que pode...
Destruindo tumores: células podem programar de que forma vão morrer
Estudos apresentados no AACR Meeting 2017, em Washington, mostram que mecanismos que levam a célula para a morte programada podem colaborar no tratamento do câncer. O processo de morte celular programada, isto é, em que a célula decide a própria morte, ocorre em todo o...
A Síndrome de Lynch e sua relação com o câncer colorretal
Responsável por cerca de 5% dos casos de câncer de intestino, a Síndrome de Lynch é decorrente de uma alteração genética que aumenta o risco de desenvolvimento de tumores no cólon e no reto. Além disso, pode aumentar também a predisposição ao câncer em outras...
Evento para público leigo em SP destaca os sarcomas, tumores que podem acometer qualquer parte do corpo
Com mais de 12 mil novos casos previstos por ano nos Estados Unidos e em torno de 7,5 mil no Brasil, os sarcomas são considerados tumores raros, mas há uma questão que merece atenção: são tumores que podem acometer qualquer uma das estruturas denominadas partes...