Oncogeriatria: o desafio de tratar uma população com cada vez mais idosos

Publicado em: 22/09/2016 - 21:09:00
Tratamento
Foco do paciente
Epidemiologia

Sessão educativa do ASCO mostrou a necessidade de produzir dados específicos para o tratamento do paciente idoso e adotar comunicação mais clara que facilite a tomada de decisão

Estima-se que, em 2040, 70% dos diagnósticos de câncer serão de pessoas com mais de 65 anos, e isso significa dez vezes mais pacientes na faixa dos 75 aos 84 anos e 17 vezes na faixa acima dos 85 anos, em relação a 1975.

Esse é um desafio para o tratamento, já que existem poucas evidências sobre as condutas terapêuticas desse grupo, que, geralmente, já sofre de outras doenças crônicas e convive com as fragilidades da idade.

Para eles, o tratamento deve levar em conta não apenas o tumor, mas também o impacto dessas outras doenças e a autonomia e independência do doente.

A importância desse grupo é tão grande que o ASCO 2017 realizou uma sessão educacional, Improving Quality and Value of Cancer Care for Older Adults, para debater e melhorar qualidade valor no cuidado oncológico a idosos.

Qualidade é a medida da adesão a protocolos de tratamento, e o problema aqui é que existem poucos dados científicos para essa população. Um estudo realizado em 2013, por exemplo, constatou que 60% dos medicamentos novos aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) não ofereciam informações sobre seu uso em idosos.

"Valor é uma forma de medir a eficiência da assistência à saúde e, na oncogeriatria, é importante levar em conta alguns fatores, como independência para funções do dia a dia e manutenção da capacidade cognitiva", explica o Dr. Aldo Dettino, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center, que acompanhou a sessão.

"Qualidade de vida pode ser mais importante do que sobrevida global e isso pode significar optar por cuidados paliativos menos agressivos, em vez de tratamentos mais tóxicos", acrescenta.

A sessão, apresentada pelas Dras. Beverly Canin, da Breast Cancer Option, Arash Naeim, da Universidade da Califórnia, Erika Ramsdale, da Universidade da Virgínia, e Andrew Chapman, da Universidade Thomas Jefferson, destacou também a importância de as necessidades específicas dessa população idosa serem reconhecidas e consideradas nos processos de decisão de políticas de saúde e de uma comunicação mais eficiente e clara.

"Nesse sentido, a tecnologia da informação pode contribuir bastante, com melhorias na comunicação, condições de acesso, novos métodos de coletas de dados e pesquisas e aumento de decisões compartilhadas na assistência à saúde", afirma Dr. Dettino.

De acordo com os especialistas, pacientes e cuidadores, ao lado dos profissionais de saúde, podem decidir quais as melhores opções de tratamento, de acordo com os desejos e as necessidades pessoais.

Cansados de enfrentar as dificuldades e os altos custos do tratamento, pacientes tendem a ver conceitos como valor e qualidade como desumanizadores e querem ser tratados como indivíduos.

Por isso, a troca de informações entre toda a equipe multidisciplinar que o atende é tão fundamental e precisa ser clara e acessível para facilitar a tomada de decisão a cada passo dessa jornada.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Levantamento aponta sinal de alerta para diagnóstico tardio de câncer de cabeça e pescoço
Os tumores de cabeça e pescoço representam o 9º tipo de câncer mais comum no mundo, com maior prevalência nos países em desenvolvimento, segundo o Globocan 2012, levantamento da Organização Mundial de Saúde. Incluindo todas as áreas da cavidade oral, como a língua e a...
Laringectomizados totais: os cuidados em tempos de covid-19
Pacientes laringectomizados totais devem redobrar os cuidados em tempos de covid-19. A maioria deles é composta por idosos que, muitas vezes, já têm múltiplas comorbidades, o que os torna mais suscetíveis durante a pandemia. Mas a atenção especial deve ser dada à traqueostomia definitiva, também...
Dia Mundial da Saúde Mental – 10/10: cuidar da mente faz parte do tratamento oncológico
O corpo é importante, mas a saúde mental não pode ficar de lado Mente sã, corpo são, já dizia a sabedoria popular. Por outro lado, quando pensamos em cuidar da saúde, a primeira ideia que pode vir à mente é ir ao médico, fazer exames...
A.C.Camargo Cancer Center apresenta nova torre na Aclimação, anuncia unidades Itaim e Tatuapé e ampliação em Santo André
O A.C.Camargo Cancer Center apresentou em agosto a nova unidade Pires da Mota, na Aclimação, e anunciou seu programa de expansão de unidades ambulatoriais em rede na região metropolitana para proporcionar melhor acesso, comodidade e conforto aos pacientes que se deslocam para o atendimento médico...
Avaliação de resposta discordante entre PET/CT 18F-FDG e RECIST em pacientes com melanomas metastáticos tratados com inibidores de pontos de verificação
Por Milton José de Barros e Silva, primeiro autor do estudo e oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center A imunoterapia com inibidores de pontos de verificação vem revolucionando o tratamento dos pacientes com melanoma metastático. Nos estudos que levaram à aprovação dessas medicações, o tempo...