Obesidade: os riscos para o câncer de endométrio

Publicado em: 21/09/2015 - 21:09:00
Notícias

A obesidade está entre os fatores de risco para o desenvolvimento de diversos tipos de câncer, como intestino, próstata, entre outros. No caso das mulheres, o sobrepeso está estritamente ligado à incidência do câncer de endométrio, tecido que reveste a camada interna do corpo do útero.



De acordo com Dr. Glauco Baiocchi Neto, diretor do Núcleo de Ginecologia Oncológica do A.C.Camargo Cancer Center, o câncer de endométrio pode surgir a partir de uma alteração hormonal no organismo. "O estrogênio, hormônio relacionado ao desenvolvimento das características femininas, estimula o crescimento do endométrio, enquanto outro hormônio, a progesterona, atua como contraponto a esse estímulo. Quando somente o estrogênio está muito elevado, maior o risco de crescimento anormal do endométrio e, consequentemente, de desenvolvimento do câncer", explica o médico.

sobrepeso pode ser um dos responsáveis pela alteração dos hormônios. "No organismo da mulher obesa há maior produção de estrogênio e menor ação da progesterona, mesmo na menopausa. Essa reação torna, portanto, a obesidade o principal fator de risco da incidência de tumores no endométrio", afirma Baiocchi. Por isso, a doença costuma ser mais frequente em países com grandes taxas de sobrepeso, como os Estados Unidos, com 54 mil novos casos estimados em 2015. No Brasil, segundo dados do Inca, estimam-se 7 mil novos casos em 2016.

Sintomas e diagnóstico

O câncer de endométrio é, em praticamente 95% dos casos, sintomático. Um sangramento na menopausa ou grandes alterações no ciclo menstrual, geralmente a partir dos 50 anos, são os principais alertas. "Nessas situações, deve-se procurar a avaliação de um especialista, que solicitará exames para descobrir qual a verdadeira causa desse sangramento", informa Dr. Glauco Baiocchi. "O ultrassom transvaginal, por exemplo, pode verificar a espessura do endométrio. Se estiver muito grosso, pode aumentar as suspeitas de uma lesão pré-maligna ou até mesmo de câncer".

Porém, se diagnosticado precocemente, as chances de sucesso no tratamento é alta: em torno de 80%. "O sangramento começa a surgir em estágio inicial do tumor, facilitando o diagnóstico precoce e melhor prognóstico para a paciente", avalia o oncologista.

Dr. Glauco Baiocchi Neto - CRM 97501
Diretor do Núcleo de Ginecologia Oncológica
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 42471

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Para que jejum em exames de imagem?
Tese de doutorado avalia se deixar de comer e beber pode piorar as condições dos pacientes. Afinal, é mesmo necessário ficar em jejum para exames de tomografia ou ressonância? A Dra. Paula N. V. Pinto Barbosa, da Radiologia, fez a si mesma essa pergunta depois...
Agrotóxicos podem aumentar o risco de câncer?
Verdade. Agrotóxicos, ou defensivos agrícolas, são produtos químicos empregados para controlar insetos, doenças, ou ervas daninhas que causem dano às plantações. Tais produtos são cercados de polêmica, pois seu uso pode ter impacto negativo sobre a saúde humana. Estudos apontam que os agrotóxicos podem desencadear...
Dengue: Fique atento!
Doença infecciosa causada por um vírus, a Dengue traz preocupações para a saúde brasileira desde a década de 1980 – apesar de termos registros de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti, desde o século XVI. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 390...
Combinação de medicamentos desacelera evolução de câncer de próstata metastático
Resultados apresentados no ASCO mudam recomendação de tratamento para esses pacientes. Acrescentar abiraterona e prednisona à terapia hormonal administrada aos pacientes com câncer de próstata agressivo e metastático aumenta em duas vezes o período médio sem progressão da doença e reduz em 38% o risco...
Orientações sobre a gripe 2018
A gripe A influenza ou gripe é uma infecção respiratória aguda, causada pelo vírus influenza, com alto potencial de transmissão. Os primeiros sintomas geralmente são: febre, dor muscular e tosse seca. A evolução costuma ser branda e autolimitada, por período de quatro dias a sete...