Núcleo de Desospitalização: um repertório de boas práticas com foco na eficiência da alta hospitalar

Publicado em: 11/03/2013 - 21:03:00

Ser eficaz no processo de alta hospitalar é um procedimento beneficente a todos os envolvidos – pacientes, instituição de saúde, operadoras e prestadores de serviço. Entenda-se como eficiência a capacidade de liberar o paciente internado no momento certo e da maneira correta, tendo como premissa sua segurança. No A.C.Camargo Cancer Center, um repertório de boas práticas assistenciais voltadas para esse objetivo sempre fez parte da rotina da Instituição e ganhou ainda mais força com a criação, em maio, do Núcleo de Desospitalização, dentro da Gerência Técnica Operacional.

De acordo com Viviany Bozza, da Gerência Técnica Operacional, o Núcleo de Desospitalização é composto por profissionais da Enfermagem da Unidade de Internação. "A atuação do grupo vai ao encontro de questões enfrentadas no cotidiano da maioria dos hospitais e, principalmente, de um Cancer Center como o A.C.Camargo, que lida com situações de alta complexidade, cuja demanda de pacientes cresce mais rápido do que a possibilidade de ampliação do número de leitos", informa. Para ter uma ideia, a taxa média de ocupação de leitos de segunda a sexta-feira na Instituição está acima de 93%. Portanto, adiar a alta do paciente já em condições de ser liberado significa aumentar o tempo de espera de quem aguarda internação para uma cirurgia, por exemplo. Outra questão são os custos: se além do necessário, podem onerar o sistema de saúde como um todo.

Sinergia do time

O trabalho do Núcleo de Desospitalização envolve equipes médicas, operadoras, prestadores de serviços, pacientes e familiares. Uma das medidas a serem tomadas foi a implementação da visita multidisciplinar em conjunto com a Oncologia Clínica, que passou a ter médicos titulares em todos os andares das Unidades de Internação (UIs). "Com base no plano terapêutico e na avaliação dos pacientes realizada nessas visitas diárias, são definidas as decisões de alta", afirma Claudia Nogueira, do Núcleo de Desospitalização. Nesse contexto, há pacientes liberados sem necessidade de cuidados especiais e os que precisarão de procedimentos em casa, como curativos, fisioterapia ou serviços de home care.

A conscientização de familiares e pacientes sobre os benefícios da alta no tempo certo é outra frente de trabalho do Núcleo de Desospitalização. A atuação começa no primeiro dia de internação com a gradativa orientação do acompanhante, que, em geral, assumirá os cuidados pós-alta.

Parceria com a operadora

Na etapa inicial do processo da alta, a primeira medida do Núcleo de Desospitalização é verificar se a solicitação do serviço à operadora de saúde do paciente foi preenchida corretamente. Além disso, faz contato direto com a empresa com o objetivo de cumprir todas as medidas necessárias para agilizar as solicitações, com o envio de todos os documentos. No caso de um paciente liberado com home care, por exemplo, o prestador de serviço que vem ao centro oncológico para avaliá-lo é recebido por um profissional do Núcleo de Desospitalização, com o suporte necessário.

Também há situações em que a operadora libera parte da solicitação do médico – por exemplo, autoriza o oxigênio e a fisioterapia em domicílio, mas não cobre os medicamentos. Em um caso como esse, o profissional do Núcleo de Desospitalização verifica com o médico se é possível dar alta ao paciente com somente o liberado. Caso contrário, dialoga-se com a família para saber se ela assume o que não faz parte da cobertura do convênio. Além disso, também dá apoio para o cumprimento do horário da alta médica e mantém contato na fase pós-alta hospitalar ao se colocar à disposição para solucionar eventuais dúvidas relativas aos cuidados com o paciente.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

"Tirinhas sem Graça" - Cartunistas deixam a piada de lado e falam sério sobre câncer de próstata
O câncer de próstata é um assunto que deve ser sempre levado a sério. Baseado nesse conceito, o A.C.Camargo divulgou a ação "Tirinhas sem Graça", criada pela agência J. Walter Thompson, com ilustrações de alguns dos principais cartunistas do Brasil sobre a importância do diagnóstico...
462 anos de São Paulo: conheça alguns destaques da maior cidade do país
A cidade mais populosa de toda a América celebra hoje 462 anos. São Paulo não só é um município de grande influência política e econômica, mas também local de ricas histórias, com locais e personagens marcantes. Como homenagem à cidade sede do A.C.Camargo, conheça alguns...
7 entre 10 casos de câncer de fígado e estômago são relacionados com Hepatites B e C e H. pylory
Estimativa realizada pelo A.C.Camargo Cancer Center aponta que 70% dos tumores de estômago são associados à presença da bactéria H. pylori. O mesmo percentual é atribuído às Hepatites B e C em relação ao hepatocarcinoma, tipo mais comum de câncer no fígado. Além dessas infecções...
A perigosa relação dos jovens com o cigarro
Momento de transição para a idade adulta, é na adolescência que, geralmente, acontece o período de autoafirmação social. É nessa fase que a adoção de comportamentos e a tomada de algumas decisões podem trazer consequências prejudiciais à saúde. Um desses exemplos é o cigarro, que...
A relação entre tabagismo e obesidade com câncer de pâncreas
Os dados podem assustar: fumantes têm risco de 2 a 6 vezes maior do que não fumantes de desenvolver câncer de pâncreas; entre 20% e 30% dos pacientes diagnosticados são fumantes; e 20% dos pacientes são obesos e diabéticos obesos. A principal forma de prevenir...