Na linha de frente contra as infecções

Publicado em: 09/04/2015 - 21:04:00

Uma das maiores preocupações em qualquer instituição de saúde é o controle e o tratamento de infecções, que são as doenças causadas por vírus, bactérias, protozoários e fungos. No A.C.Camargo Cancer Center, esse cuidado é ainda maior, já que no paciente oncológico, via de regra, o sistema de defesa do organismo está comprometido, seja pela própria doença, seja pelo tratamento.



Nesse contexto, é responsabilidade de todo profissional de saúde que atua no cuidado aos pacientes evitar infecções, mas, acima de tudo, essa é a preocupação maior do médico infectologista. Para esse especialista, a atenção constante é no sentido de auxiliar na prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças infecciosas. Ele contribui ainda para a definição de protocolos específicos para o tratamento, como o uso de antibióticos, imunização (vacinas) e prevenção de infecções. Salientando que a medida mais importante de todas é a correta higienização das mãos antes e após o contato com cada paciente.

Para celebrar a atuação desse profissional, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) instituiu o dia 11 de abril como o Dia do Infectologista. A data foi escolhida por ter sido o dia de nascimento do médico Emílio Ribas, pioneiro da especialidade no Brasil e um dos responsáveis por disseminar no país a preocupação com o controle de infecções, ainda no início do século XX.

Olhar o paciente como um todo é fundamental no dia a dia, explica o diretor do Departamento de Infectologia e coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do A.C.Camargo, Ivan França, que ressalta a importância da atuação conjunta do infectologista a outras áreas na avaliação e no tratamento dos pacientes. "No exame clínico, podemos entender se já existe algum foco de infecção que deve ser acompanhado, indicar o tratamento mais adequado para cada paciente, levando em consideração seu quadro clínico e epidemiológico, bem como recomendar medidas preventivas, como a aplicação de vacinas".
 
Comumente o câncer deixa o paciente debilitado e altera o seu sistema imunológico, o que facilita a ocorrência de infecções. Os tratamentos de combate à doença, como quimioterapia, também podem provocar essa fragilidade, além de outros procedimentos, como o uso de cateteres venosos por longos períodos. "Partimos sempre do princípio de que todos os nossos pacientes são imunocomprometidos e esses fatores requerem muito cuidado e atenção de nossa parte. Em um ambiente como um hospital dedicado ao tratamento de câncer, é fundamental a atuação do infectologista para garantir os melhores resultados possíveis no controle e no combate a infecções", ressalta.

Dr. Ivan Leonardo Avelino França e Silva - CRM 93300
Diretor do Departamento de Infectologia
Coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH)

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

"Tirinhas sem Graça" - Cartunistas deixam a piada de lado e falam sério sobre câncer de próstata
O câncer de próstata é um assunto que deve ser sempre levado a sério. Baseado nesse conceito, o A.C.Camargo divulgou a ação "Tirinhas sem Graça", criada pela agência J. Walter Thompson, com ilustrações de alguns dos principais cartunistas do Brasil sobre a importância do diagnóstico...
462 anos de São Paulo: conheça alguns destaques da maior cidade do país
A cidade mais populosa de toda a América celebra hoje 462 anos. São Paulo não só é um município de grande influência política e econômica, mas também local de ricas histórias, com locais e personagens marcantes. Como homenagem à cidade sede do A.C.Camargo, conheça alguns...
7 entre 10 casos de câncer de fígado e estômago são relacionados com Hepatites B e C e H. pylory
Estimativa realizada pelo A.C.Camargo Cancer Center aponta que 70% dos tumores de estômago são associados à presença da bactéria H. pylori. O mesmo percentual é atribuído às Hepatites B e C em relação ao hepatocarcinoma, tipo mais comum de câncer no fígado. Além dessas infecções...
A perigosa relação dos jovens com o cigarro
Momento de transição para a idade adulta, é na adolescência que, geralmente, acontece o período de autoafirmação social. É nessa fase que a adoção de comportamentos e a tomada de algumas decisões podem trazer consequências prejudiciais à saúde. Um desses exemplos é o cigarro, que...
A relação entre tabagismo e obesidade com câncer de pâncreas
Os dados podem assustar: fumantes têm risco de 2 a 6 vezes maior do que não fumantes de desenvolver câncer de pâncreas; entre 20% e 30% dos pacientes diagnosticados são fumantes; e 20% dos pacientes são obesos e diabéticos obesos. A principal forma de prevenir...