Na linha de frente contra as infecções

Publicado em: 09/04/2015 - 21:04:00
Notícias

Uma das maiores preocupações em qualquer instituição de saúde é o controle e o tratamento de infecções, que são as doenças causadas por vírus, bactérias, protozoários e fungos. No A.C.Camargo Cancer Center, esse cuidado é ainda maior, já que no paciente oncológico, via de regra, o sistema de defesa do organismo está comprometido, seja pela própria doença, seja pelo tratamento.



Nesse contexto, é responsabilidade de todo profissional de saúde que atua no cuidado aos pacientes evitar infecções, mas, acima de tudo, essa é a preocupação maior do médico infectologista. Para esse especialista, a atenção constante é no sentido de auxiliar na prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças infecciosas. Ele contribui ainda para a definição de protocolos específicos para o tratamento, como o uso de antibióticos, imunização (vacinas) e prevenção de infecções. Salientando que a medida mais importante de todas é a correta higienização das mãos antes e após o contato com cada paciente.

Para celebrar a atuação desse profissional, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) instituiu o dia 11 de abril como o Dia do Infectologista. A data foi escolhida por ter sido o dia de nascimento do médico Emílio Ribas, pioneiro da especialidade no Brasil e um dos responsáveis por disseminar no país a preocupação com o controle de infecções, ainda no início do século XX.

Olhar o paciente como um todo é fundamental no dia a dia, explica o diretor do Departamento de Infectologia e coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH) do A.C.Camargo, Ivan França, que ressalta a importância da atuação conjunta do infectologista a outras áreas na avaliação e no tratamento dos pacientes. "No exame clínico, podemos entender se já existe algum foco de infecção que deve ser acompanhado, indicar o tratamento mais adequado para cada paciente, levando em consideração seu quadro clínico e epidemiológico, bem como recomendar medidas preventivas, como a aplicação de vacinas".
 
Comumente o câncer deixa o paciente debilitado e altera o seu sistema imunológico, o que facilita a ocorrência de infecções. Os tratamentos de combate à doença, como quimioterapia, também podem provocar essa fragilidade, além de outros procedimentos, como o uso de cateteres venosos por longos períodos. "Partimos sempre do princípio de que todos os nossos pacientes são imunocomprometidos e esses fatores requerem muito cuidado e atenção de nossa parte. Em um ambiente como um hospital dedicado ao tratamento de câncer, é fundamental a atuação do infectologista para garantir os melhores resultados possíveis no controle e no combate a infecções", ressalta.

Dr. Ivan Leonardo Avelino França e Silva - CRM 93300
Diretor do Departamento de Infectologia
Coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar (SCIH)

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Sessão educacional aborda câncer de mama precoce e a necessidade de treinamento de profissionais de saúde
Uma das sessões educacionais do ASCO 2017 debateu o diagnóstico precoce de câncer de mama em pacientes submetidos à radioterapia, na infância, adolescência e juventude, com conclusões que podem ser ampliadas para a população em geral, especialmente quando se trata do aparecimento da doença em...
Como o pioneirismo em cirurgia robótica acelera a recuperação de pacientes
Artigo científico descreve como foi a implementação dessa tecnologia aqui no A.C.Camargo e que temos, hoje, expertise similar aos melhores do mundo Somos pioneiros na América Latina em cirurgia robótica de cabeça e pescoço, com expertise similar aos centros de referência do mundo. A primeira...
Como funciona a anestesia
A anestesia pode ser utilizada em procedimentos como cirurgia, exames de diagnóstico e também curativos. Apesar de ainda causar preocupação em algumas pessoas, é um procedimento seguro. Conheça, por meio do infográfico, mais sobre a história, como funciona o processo e a atuação da equipe...
Riscos e benefícios da reposição de vitamina D
O que é a vitamina D? Apesar do nome, na verdade, a vitamina D é um hormônio, que ajuda na saúde dos ossos, sendo protetor, por exemplo, contra a osteoporose. Além disso, há estudos que mostram que bons níveis de vitamina D podem diminuir a...
Cistos no ovário apresentam risco para desenvolvimento do câncer?
Pequena lesão comum nas mulheres durante o ciclo menstrual, o cisto de ovário desaparece em algumas semanas após seu surgimento, sem causar nenhum sintoma. Em outros casos, porém, podem ser mais duradouros, quando não relacionados ao ciclo menstrual. No aspecto oncológico, contudo, sua relação com...