Mitos & verdades: câncer de pâncreas, fígado e vesícula

Publicado em: 03/12/2019 - 14:12:00
Institucional
Prevenção
Epidemiologia
Tumores do Aparelho Digestivo Alto
Mitos & Verdades

Geralmente assintomáticos no início, os tumores no fígado e no pâncreas podem ser diagnosticados tardiamente, em fase mais avançada e agressiva. Confira alguns mitos e verdades sobre câncer de pâncreas, fígado e vesícula biliar.
 

O diabetes pode se desenvolver em câncer?

Mito. O diabetes não é um fator de risco para o desenvolvimento da doença, mas o modo e a intensidade de sua manifestação podem ser sintomas do câncer de pâncreas.

Quando surge subitamente em não diabéticos ou em quem estava com a doença controlada, recomenda-se a análise do pâncreas, pois um tumor pode causar esse desequilíbrio. Essa verificação é importante para direcionar o paciente ao tratamento correto e não somente alterar medicações ou doses de insulina para inibir os sintomas.
 

O câncer no fígado pode ser causado por hepatites?

Verdade. Infecções virais como as hepatites B e C, se estiverem em atividade, podem se tornar fatores de risco para a forma mais comum de câncer de fígado, o hepatocarcinoma. A cirrose, outra doença que pode atingir o órgão, também pode ser relacionada às hepatites, além de predispor ao desenvolvimento de tumores no fígado.
 

O fígado se regenera após sua retirada parcial cirurgicamente?

Verdade. Devido à extensão de alguns tumores, é necessária a retirada parcial do fígado. Após o procedimento, o órgão cresce para reocupar o espaço e também todas as suas funções. Mas essa "regeneração" só é possível se, após a cirurgia, reste pelo menos metade do fígado.
 

Pedras na vesícula podem aumentar o risco de desenvolvimento de tumores?

Depende. Essa possibilidade varia de acordo com o tamanho do cálculo. A maioria das pedras que aparecem na vesícula biliar costuma ter entre 0,5 e 1 cm e, geralmente, é retirada por meio da laparoscopia, procedimento cirúrgico minimamente invasivo. Mas, caso o tamanho do cálculo supere os 3 cm, é considerado fator de risco para o desenvolvimento do câncer de vesícula biliar, tumor raro e de comportamento agressivo.

Dr. Felipe José Fernandez Coimbra - CRM 93020
Diretor do Núcleo de Cirurgia Abdominal
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE 30634
Especialista em Cirurgia Geral - RQE 30635

Veja também

Podcast Rádio Cancer Center #11 - Covid-19, fake news, mitos e verdades
Vitaminas ajudam na blindagem do organismo? Garganta úmida resolve? Atletas estão protegidos? Vinagre substitui álcool em gel? Entenda o que é real e o que não é A Covid-19 não está imune a uma torrente de afirmações desencontradas que se proliferam pelas redes sociais. Em...
Novas Fronteiras - Como tratar a mulher jovem com câncer de mama
Apesar de menos frequente, o câncer de mama em mulheres abaixo dos 40 anos costuma ser diagnosticado em fases mais avançadas e está associado a tipos histológicos mais agressivos. Em um levantamento com 4.527 de nossas pacientes diagnosticadas com câncer de mama e tratadas a...
Ambulatórios SUS passam a funcionar na Unidade Castro Alves
O edifício, que foi inaugurado em setembro, vai trazer mais conforto para os pacientes Desde o dia 6 de janeiro, as consultas ambulatoriais dos pacientes atendidos pelo SUS (já matriculados conosco) estão funcionando na Unidade Castro Alves, localizada na Rua Castro Alves, nº 131, a...
Next Frontiers to Cure Cancer 2019: confira a cobertura do congresso do A.C.Camargo
De 16 a 18 de maio, aconteceu a quarta edição do Next Frontiers do Cure Cancer, congresso internacional organizado pelo A.C.Camargo Cancer Center para discutir os principais avanços em pesquisa, diagnóstico e tratamento do câncer. Voltado para médicos, cientistas e multiprofissionais de diversas áreas como...
Os avanços na área de inteligência artificial em oncologia
Cada vez mais, as máquinas podem cuidar de tarefas complexas que consomem muito tempo dos médicos. Todos os dias são gerados 25 exabites de dados em oncologia, o equivalente a mais de 629 milhões de livros do Harry Potter. Quem consegue ler e interpretar tudo...