Mitos e verdades sobre o câncer infantil

Publicado em: 23/09/2021 - 08:09:00
Foco do paciente
Tratamento
Efemérides
Tumores Pediátricos
Linha Fina

Confira 8 mitos e verdades e esclareça suas dúvidas sobre
tumores em crianças

O câncer infantil é considerado uma doença rara. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o número de novos casos de câncer infanto-juvenis esperados para cada ano do triênio 2020-2022 será de 4.310 casos novos para meninos e 4.150 para meninas. Esses valores correspondem a um risco estimado de 138 casos novos por milhão de meninos e 139 por milhão de meninas.

É um tema que costuma gerar diversas dúvidas em pais, cuidadores e familiares. Para esclarecer essas dúvidas, confira abaixo os principais mitos e verdades sobre o tema comentados pela Dra. Cecília Costa, líder do Centro de Referência em Tumores Pediátricos do A.C.Camargo Cancer Center.

1. Câncer em criança é igual ao câncer em adulto.

Mito. O câncer em criança é diferente dos tumores em adultos, pois não existem fatores de risco como falta de exercícios físicos ou erros na dieta. Suas causas ainda são desconhecidas.

2. O câncer infantil é somente de natureza hereditária.

Mito. Apesar do câncer infantil não estar diretamente associado a fatores como dieta e sedentarismo, não se determina a predisposição genética como o único fator de risco. Pelo contrário, menos de 10% dos pacientes pediátricos tem a hereditariedade como causa da doença. Como explicado anteriormente, a razão para a maioria dos casos de câncer infantil ainda é desconhecida.

3. Todo tratamento quimioterápico em crianças faz o cabelo cair.

Mito. Apesar de grande parte dos tratamentos quimioterápicos provocarem queda de cabelo, isso não ocorre necessariamente com todos os pacientes. A queda capilar depende do tipo de tumor e do medicamento utilizado. Doses mais intensas de quimioterapia costumam aumentar o risco desse efeito colateral.

4. A criança em tratamento oncológico não pode ir para a escola.

Mito. Nos períodos em que o paciente estiver clinicamente bem, é permitido frequentar a escola e até mesmo outros locais, como parques. No entanto, deve-se tomar cuidado redobrado quando houver casos de doenças contagiosas na escola ou na classe do paciente, pois a imunidade da criança em tratamento oncológico é mais baixa. Muitos pais acreditam que, durante o tratamento, devem manter os filhos em casa. Mas eles podem sair mantendo-se alguns cuidados, como por exemplo, evitar lugares fechados e com aglomeração, como hipermercados e transporte público, devido ao maior risco de contrair alguma infecção

5. Criança em tratamento quimioterápico não pode comer alimentos crus.

Verdade. Apesar de oferecerem maior concentração de nutrientes, os alimentos crus são mais propensos a conter micro-organismos, aumentando o risco de infecções. Por isso, tais alimentos devem ser evitados. O nutricionista que acompanha o tratamento é o profissional ideal para indicar quais frutas e verduras podem ser consumidas. Também é importante evitar se alimentar em restaurantes, lanchonetes ou outros estabelecimentos, por não ser possível verificar a procedência e a higienização dos produtos.

6. Pacientes pediátricos em tratamento quimioterápico não podem frequentar praia e/ou piscinas.

Verdade. As águas do mar e da piscina são ambientes que oferecem alto risco de contaminação pela alta concentração de produtos químicos ou bactérias. Devido à queda na imunidade provocada pelo tratamento, os pacientes oncológicos devem evitar praias e piscinas. A exposição à luz solar em excesso também pode trazer riscos. Caso uma criança em tratamento quimioterápico precise sair ao ar livre, recomenda-se escolher horários de sol mais ameno (antes das 10h e depois das 16h), o uso de protetor solar e permanecer preferencialmente na sombra.

7. Criança em tratamento quimioterápico deve ficar longe do animal de estimação.

Mito. O animal não precisa ser retirado da residência de um paciente em tratamento.  Porém, deve-se tomar uma série de cuidados para que o contato da criança com o bicho não ofereça risco de contaminação. O paciente não pode ter contato com os excrementos dos animais, tampouco deixá-lo dormir na mesma cama. Preservar-se de atos como lambidas no rosto, arranhões e mordidas também é importante.

8. Mesmo após a alta do tratamento, o paciente pediátrico precisa continuar o acompanhamento médico ao longo da vida.

Verdade. O cuidado com o paciente pediátrico deve permanecer após a alta para avaliação de possíveis efeitos tardios decorrentes da terapia ou mesmo da possibilidade de recidiva da doença. Esse acompanhamento clínico busca assegurar melhor qualidade de vida para a criança e adolescente ao longo de sua vida.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Reduza o desconforto da mamografia
A mamografia é uma das principais formas de detecção precoce do câncer de mama. O exame pode ser incômodo para algumas pacientes, pois é necessário comprimir a mama para conseguir uma boa imagem. Mas, a questão da dor é relativa: enquanto algumas mulheres têm a...
Imunoterapia para o câncer de mama triplo negativo metastático
Por Solange Sanches, oncologista clínica e vice-coordenadora do Centro de Referência em Tumores da Mama O uso da imunoterapia, que já demonstrou seu papel extremamente divisor de águas no tratamento de vários tipos de tumores, como pulmão, bexiga e cabeça e pescoço, também vem começando...
Cirurgia Oncológica: saiba como é a residência neste vídeo
A residente Marina Canal encontrou a formação desejada no A.C.Camargo Cancer Center; assista a este capítulo da série Os Bastidores da Luta contra o Câncer e compreenda melhor essa especialidade Cirurgia Oncológica é uma paixão arrebatadora. No começo da faculdade de Medicina, porém, Marina Canal...
Sediamos o primeiro congresso na América com os maiores especialistas do mundo em cirurgia robótica de cabeça e pescoço
É o 3º IGReHNS, que abordou o que há de mais inovador em tecnologias e pesquisas nessa área. Os maiores especialistas do mundo em cirurgia robótica de cabeça e pescoço criaram, há alguns anos, uma organização de pesquisas, a International Guild of Robotic & Endoscopic...
Dr. Felipe Coimbra participa de congresso americano sobre doenças digestivas
Organizado por quatro sociedades médicas internacionais do setor de gastroenterologia (AASLD, AGA, ASGE e SSAT), o doutor Felipe Coimbra, head do departamento de tumores abdominais da nossa Instituição, participou como convidado da Digestive Disease Week (DDW), que aconteceu em San Diego, nos Estados Unidos. No...