Imunoterapia, Nobel de Medicina 2018, foi utilizada em cerca de 500 pacientes no A.C.Camargo

Publicado em: 04/10/2018 - 12:10:53
Institucional
Pesquisa
Imunoterapia

O Prêmio Nobel de Medicina de 2018 foi anunciado no dia 1º de outubro para o americano James P. Allison, do MD Anderson Cancer, uma das instituições parceiras do A.C.Camargo Cancer Center e, para o japonês Tasuku Honjo, da Universidade de Kyoto.

O reconhecimento se dá pelas descobertas ligadas a medicamentos que estimulam a função do sistema imunológico a identificar as células cancerosas e atacá-las. É a imunoterapia, o maior avanço em tratamento oncológico dos últimos anos, e o quarto pilar no tratamento contra o câncer, junto com quimioterapia, cirurgia e radioterapia.
 
O Centro de Imunoterapia do A.C.Camargo oferece atendimento personalizado aos pacientes, ampliando as possibilidades terapêuticas e seus benefícios. São mais de 70 profissionais entre médicos do corpo clínico, cientistas e de diversas áreas da assistência.

Além disso, por meio do Grupo de Imuno-Oncologia Translacional, investimos e incentivamos a pesquisa para buscar terapias combinadas que melhorem a resposta para cada paciente, assim como identificar outros indivíduos que possam se beneficiar da imunoterapia.

O Grupo conta com várias colaborações internacionais e nacionais destinadas a promover o impacto do A.C.Camargo Cancer Center nesta área do conhecimento, o que inclui convênios com pesquisadores do National Institute of Health e National Cancer Institute, dos Estados Unidos. Temos também um Centro de Excelência em Citometria de Fluxo Avançado, que analisa tumores, células e moléculas do sangue para mapear quais pacientes podem responder melhor ao tratamento.
 
O Dr. Kenneth Gollob, que lidera o Grupo de Imuno-Oncologia, comemorou o Prêmio Nobel e explicou a importância da pesquisa: “Queremos entender por que só cerca de 40% dos pacientes respondem bem ao tratamento e o que podemos fazer para aumentar essa taxa. Em nossa pesquisa vamos procurar uma resposta e ampliar o tratamento para outros tipos de câncer. Para aqueles que não estão respondendo, queremos descobrir como estimular o sistema imunológico de outras maneiras”.

Entenda o trabalho dos cientistas que ganharam o Nobel

Pioneiro na área, o imunologista americano James P. Allison, do MD Anderson Cancer Center, teve a ideia de soltar o "freio” do sistema imunológico conhecido como CTLA-4, um receptor presente na célula T (ou linfócito T), responsável por reconhecer as células que não são normais no organismo, como as células cancerosas. 

A estratégia para o sucesso envolveu a criação de um anticorpo que se liga no "freio molecular", impedindo que ele seja ativado. Com isso, Allison curou camundongos que tinham melanoma. O medicamento utilizado em humanos, hoje, age da mesma forma. Já, Tasuku Honjo, da Universidade de Kyoto, descobriu logo depois que outra proteína, a PD-1, também funciona como um freio para as células T, mas em um mecanismo diferente do que faz a CTLA-4.

Sobre o Nobel

A escolha do vencedor do mais importante prêmio da área é realizada por um grupo de 50 pesquisadores ligados ao Instituto Karolinska, na Suécia. Em seu testamento, Alfred Nobel destacou o reconhecimento para aqueles que tenham feito notáveis contribuições ao futuro da humanidade para receber a láurea.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Gratuita e voltada ao público leigo, palestra aborda a importância dos hábitos de vida saudáveis e da colonoscopia para prevenção do câncer de intestino
Saúde do intestino: prevenção do câncer colorretal – 13 de janeiro de 2015, às 17h30, em São Paulo Um dos tumores mais prevalentes na população brasileira, principalmente em São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, o câncer de intestino e reto (colorretal)...
Oncologia personalizada na América Latina
A oncologia personalizada (ou de precisão) deixou de ser o futuro do tratamento oncológico para estar cada vez mais presente no dia a dia. Mas, ainda são necessários muitos estudos e pesquisas clínicas para torná-la cada vez mais acessível e precisa no combate ao câncer...
Custo-efetividade: indicadores médicos na construção de protocolos mais eficientes
Custo-efetividade: desde 2004, o departamento de Anestesiologia do A.C.Camargo Cancer Center possui uma equipe de Qualidade e Segurança do Paciente que coleta dados de todas as anestesias realizadas. Com essas informações, o grupo constrói e monitora indicadores que vão desde a avaliação pré-anestésica, intraoperatório e...
Imunoterapia para o câncer colorretal metastático
Por Celso Abdon Lopes de Mello, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center O estudo mais aguardado desta ASCO foi o Keynote-177, pois a imunoterapia é usada para diversos tumores atualmente. Para os pacientes com câncer colorretal, a imunoterapia é aprovada apenas para os pacientes que...
Equipe de Radioterapia do A.C.Camargo participa de congresso internacional em Chicago (EUA)
Médicos e residentes apresentaram trabalhos desenvolvidos na Instituição Considerado o mais importante congresso mundial sobre radioterapia, o ASTRO 2019, realizado pela American Society for Radiation Oncology apresenta anualmente os resultados mais promissores de ensaios clínicos em andamento que incluem novas tecnologias, novas doses de radiação...