Cientistas mexendo em tubos de ensaio

Genômica: no A.C.Camargo, você descobre antes se há risco de câncer – e o previne

Publicado em: 10/08/2021 - 08:08:54
Prevenção
Diagnóstico
Genética
Tumores de Mama
Mama
Linha Fina

Testes genéticos feitos na Instituição mapeiam fatores hereditários e garantem o diagnóstico precoce de um eventual tumor, além de personalizar o tratamento de quem foi diagnosticado com trunfos como a biópsia líquida

Genômica: estima-se que de 5% a 10% dos tumores malignos sejam de origem hereditária. Parece pouco, mas trata-se de uma grande parcela da população mundial.

É aí que entra a genômica, que verifica diretamente no DNA se a pessoa tem um risco aumentado de câncer devido à hereditariedade e orienta uma prevenção com mais precisão. E, caso a pessoa seja diagnosticada, personaliza o tratamento dela, considera suas peculiaridades. 

Ou seja, ao fazer um teste genético, você pode identificar um eventual risco e monitorá-lo, garantindo o diagnóstico precoce e, logo, um tratamento mais adequado e com o desfecho mais promissor.

Pois o câncer não é uma ciência exata: um tumor de mama de uma pessoa pode ser diferente do câncer de outra.

Assim, no A.C.Camargo Cancer Center, cientistas e médicos dedicam-se a estudar os genes dos pacientes e de seus tumores para identificar alterações associadas ao câncer. E, com o apoio da equipe de aconselhamento genético, você vai entender e tirar dúvidas sobre como reduzir seu risco oncogenético. 

“Os testes genômicos ajudam na individualização da prevenção contra o câncer nos casos hereditários.  Estes testes personalizam a prevenção e o diagnóstico precoce através da análise de variantes genéticas, a fim de identificar se uma pessoa tem um risco maior ou menor e ajustar a prevenção de acordo com esse risco”, explica o Dr. José Claudio Casali da Rocha, head do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo.


Genômica: os tipos de testes genéticos 

Conhecer os genes associados à predisposição para o câncer ainda é algo novo. 

No caso do câncer de mama, um estudo que reuniu 113 mil mulheres em 25 países mostrou um bom panorama.
Publicada no The New England Journal of Medicine, a pesquisa Breast Cancer Risk Genes – Association Analysis in More than 113,000 Women evidenciou 18 genes associados ao risco para câncer de mama. 

“Além de fatores de risco oncogenéticos, como os genes BRCA1 e BRCA2, que aumentam naturalmente o risco para o câncer de mama, ovário, próstata e outros, é importante entender questões sobre os fatores ambientais, entender porque algumas pessoas são mais sensíveis a fatores ambientais do que outras”, afirma o Dr. Casali. 

Para identificar o risco hereditário, o A.C.Camargo disponibiliza alguns testes genéticos:

  • Teste dos genes BRCA1 e BRCA2 – indicado para suspeita de Síndrome de Câncer de Mama e Ovário Hereditários
  • Teste do gene TP53 (Síndrome de Li-Fraumeni) – indicado para suspeita de síndrome de predisposição a múltiplos tumores, casos de mama e sarcomas 
  • Teste dos genes de reparo (MLH1, MSH2, PMS2, MSH6) – suspeita de Síndrome de Lynch, com risco para câncer colorretal e de endométrio hereditários
  • Teste do gene CDKN2A e CDK4 – indicados na suspeita de Melanoma Familial
  • Teste do gene VHL (síndrome de von Hippel-Lindau) – risco de tumores renais e pancreáticos, hemangioma de retina e cerebelo


Doenças genéticas associadas ao câncer 

Há ainda algumas doenças que são um sinal de alerta para o risco de câncer e merecem atenção. As mais conhecidas são: 

  • Síndrome de Câncer de Mama e Ovário Hereditários
  • Síndrome de Li-Fraumeni
  • Síndrome de Lynch
  • Melanoma Familial
  • Síndrome de von Hippel-Lindau


Quem deve fazer testes genéticos

Eles são indicados para pacientes com vários casos de câncer na mesma família ou com câncer em idade mais precoce que a usual, além de tumores múltiplos de origens diferentes. 

O mais importante é que as pessoas com suspeita de síndromes hereditárias passem por uma avaliação com um especialista em oncogenética.


Genômica: biópsia líquida e personalização do tratamento

Caso o paciente já esteja em tratamento de um câncer, identificar alterações genéticas associadas ao tumor é muito importante. 

Com esse dado em mãos, o oncologista clínico pode indicar o tratamento com as chamadas terapias-alvo, que agem em alvos moleculares específicos do tumor, poupando as células normais. 

Dá para monitorar a resposta ao tratamento com as biópsias líquidas, um exame realizado com fluidos do corpo, como sangue, urina e saliva, sem necessidade de se submeter a uma nova biópsia cirúrgica.

Com a biópsia líquida, o médico pode acompanhar a evolução da doença verificando a presença de algum fragmento do tumor – DNA, célula, entre outros – nos líquidos corporais. 

O acompanhamento pode, ainda, evitar medicamentos que o paciente desenvolveu resistência, evitando uma exposição desnecessária.

“A genômica do A C Camargo Cancer Center está pronta para orientar você na nova era da oncologia de precisão, com precisão no cuidado para atender ainda melhor”, encerra o médico.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Reduza o desconforto da mamografia
A mamografia é uma das principais formas de detecção precoce do câncer de mama. O exame pode ser incômodo para algumas pacientes, pois é necessário comprimir a mama para conseguir uma boa imagem. Mas, a questão da dor é relativa: enquanto algumas mulheres têm a...
Mitos & verdades sobre Quimioterapia
A quimioterapia, uma das principais condutas terapêuticas para o tratamento do câncer, utiliza medicamentos potentes que tem como objetivo destruir as células doentes. Dr. José Augusto Rinck Jr, titular do Departamento de Oncologia Clínica do A.C.Camargo, responde algumas das dúvidas mais comuns sobre esse tratamento...
Next Frontiers to Cure Cancer 2021: Radiologia intervencionista terapêutica
O Next Frontiers to Cure Cancer é um congresso internacional organizado pelo A.C.Camargo Cancer Center para discutir os principais avanços em pesquisa e inovação em diagnóstico e tratamento do câncer. Voltado para médicos, cientistas e multiprofissionais de diversas áreas, como enfermeiros, fisioterapeutas, entre outros, o...
Vacinação e Covid-19: 5 coisas que o paciente com câncer precisa saber
Vacinação e Covid-19: para o paciente com câncer, todo o contexto ainda gera muitos questionamentos. Neste 9 de junho, o Dia Nacional da Imunização, o A.C.Camargo Cancer Center reafirma alguns fatos importantes. Lembramos ainda que no A.C.Camargo são tomadas todas as medidas preventivas em tempos...
Coronavírus: sou cuidador de um paciente com câncer. Como devo proteger a mim e a ele?
É importante seguir alguns cuidados especiais para quem faz parte do grupo de risco da Covid-19 O Coronavírus ataca principalmente o sistema respiratório e imunológico, e causa sintomas como tosse seca, febre e, em casos mais graves, dificuldade para respirar. Fazem parte do grupo de...