Febre Amarela: orientações para nossos pacientes

Publicado em: 18/01/2018 - 22:01:00
Notícias

O aumento no número de casos de febre amarela, principalmente em São Paulo, tem gerado uma grande preocupação na população, e também nos nossos pacientes.

A febre amarela é uma doença infecciosa, causada por vírus e transmitida por vetores, ou seja, pela picada de mosquitos infectados com o vírus.

Importante

A doença não é contagiosa, ou seja, não há transmissão de pessoa para pessoa. Ela é transmitida somente pela picada de mosquitos infectados com o vírus da febre amarela.

Principais sintomas

Geralmente, quem contrai esse vírus não chega a apresentar sintomas ou os apresenta de forma sutil. As primeiras manifestações da doença são repentinas:

  • Febre e calafrios
  • Dor de cabeça, dores nas costas, dores no corpo em geral
  • Náuseas e vômitos
  • Fadiga e fraqueza

É importante procurar o médico logo nos primeiros sintomas, quando ainda não se tem certeza se é febre amarela. Os sintomas são muito parecidos com os de outras doenças. Em casos graves, a pessoa pode desenvolver febre alta, icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e, eventualmente, choque e insuficiência múltipla dos órgãos.

Tratamento

O tratamento é apenas sintomático, com cuidados ao paciente, que, sob hospitalização, deve permanecer em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado. Em casos graves, deverá receber suporte de terapia intensiva.

Vacinação

A única forma de evitar a febre amarela é por meio de vacina.

A vacina é indicada para pessoas que residam em áreas de risco ou que vão viajar para áreas de risco de transmissão.

Informações gerais

Crianças 
É indicada a vacinação em crianças a partir de 9 meses de idade. A vacina, no entanto, pode ser administrada em crianças a partir de 6 meses que residam em áreas de risco de transmissão de febre amarela.

Uso de corticoides sistêmicos 
É contraindicada a vacina para indivíduos em uso de 20 mg/dia ou mais de prednisona (ou outro corticoide com dose equivalente) por pelo menos 2 semanas ou dose menor por período maior que 2 semanas.

Gestantes e mulheres amamentando lactentes menores de 6 meses
É indicada a vacina apenas para aquelas que residam em áreas de risco de transmissão. Para mulheres que amamentam, deve ser suspensa a amamentação por 10 dias após a vacinação. Mulheres amamentando crianças acima de 6 meses podem ser vacinadas, e não há necessidade de suspensão da amamentação.

Pacientes com diagnóstico de HIV 
Indicada a vacina se esses pacientes estiverem assintomáticos, com CD4=350 células/mm3 e carga viral indetectável.

Doença falciforme
Sem uso de hidroxiureia podem ser vacinados. Se em uso de hidroxiureia, vacinar se a contagem de neutrófilos >1.500 células/mm3.

Indivíduos com história de reação anafilática relacionada a ovo de galinha e seus derivados 
É contraindicada a vacinação.

Pacientes com diagnóstico de doenças do timo (miastenia gravis, timoma) 
É contraindicada a vacinação.

Pacientes em uso de imunossupressores (azatioprina, ciclofosfamida, ciclosporinas, sirolimus, tacrolimus, fludarabina)
É contraindicada a vacinação.

Idosos
Pessoas com 60 anos ou mais devem ser vacinadas, desde que não apresentem nenhuma das contraindicações citadas nas recomendações específicas para pacientes oncológicos.

Recomendações específicas para pacientes oncológicos

Pacientes em quimioterapia 
É indicada a vacinação após 3 meses do término da quimioterapia. Para leucemias e linfomas, 6 meses após o final do tratamento. Pacientes com síndrome mieloproliferativa crônica devem ser vacinados se o padrão laboratorial estável e os neutrófilos estiverem acima de 1.500 células/mm3.

Pacientes que não fazem quimioterapia e usam isoladamente tamoxifeno, anastrazol, letrozol, trastuzumabe, pertuzumabe ou zoladex
Podem tomar a vacina.

Pacientes que fazem uso de nivolumabe, pembrolizumabe, avelumabe ou everolimo
É contraindicada a vacinação.

Pacientes em radioterapia ou radioiodoterapia:
Indicada a vacinação 3 meses após o final do tratamento.

Pacientes em uso de imunobiológicos (incluindo os anticorpos monoclonais)
Indicada a vacinação 6 meses após a suspensão do imunobiológico.

Cirurgias eletivas 
Para crianças, suspender a cirurgia por 3 semanas após a data da vacina. Adultos assintomáticos podem ser submetidos a cirurgia.

Leucemias agudas (mieloide e linfoide) e linfomas de Hodgkin e não Hodgkin
A vacina é contraindicada durante o tratamento e até 6 meses após a última administração do quimioterápico ou da última sessão de radioterapia.

Mieloma múltiplo e leucemias crônicas
O paciente deve consultar o especialista para avaliação do caso de forma individual.

 

Observação

Pacientes com contraindicação à vacina devem ser orientados a evitar viagens para áreas de risco de transmissão de febre amarela, usar repelentes e roupas claras de mangas compridas. Pacientes em radioterapia devem evitar a aplicação de repelente nas áreas irradiadas.

Doadores de sangue

Estão aptos a doar sangue 4 semanas depois de terem tomado a vacina da febre amarela e 4 semanas após o retorno de região de risco de transmissão de febre amarela.

Em caso de dúvidas, entre em contato com a nossa Central de Relacionamento, pelo telefone (11) 2189-5000, de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h e aos sábados, das 8h às 14h.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Como o pioneirismo em cirurgia robótica acelera a recuperação de pacientes
Artigo científico descreve como foi a implementação dessa tecnologia aqui no A.C.Camargo e que temos, hoje, expertise similar aos melhores do mundo Somos pioneiros na América Latina em cirurgia robótica de cabeça e pescoço, com expertise similar aos centros de referência do mundo. A primeira...
Obesidade: os riscos para o câncer de endométrio
A obesidade está entre os fatores de risco para o desenvolvimento de diversos tipos de câncer, como intestino, próstata, entre outros. No caso das mulheres, o sobrepeso está estritamente ligado à incidência do câncer de endométrio, tecido que reveste a camada interna do corpo do...
Combinação de medicamentos desacelera evolução de câncer de próstata metastático
Resultados apresentados no ASCO mudam recomendação de tratamento para esses pacientes. Acrescentar abiraterona e prednisona à terapia hormonal administrada aos pacientes com câncer de próstata agressivo e metastático aumenta em duas vezes o período médio sem progressão da doença e reduz em 38% o risco...
Campanha de Prevenção do Câncer de Pele
O A.C.Camargo Cancer Center mais uma vez colabora com a Campanha de Prevenção do Câncer de Pele "Dia C", que é uma iniciativa da Sociedade Brasileira de Dermatologia. O atendimento ao público será neste sábado, 26/11, das 9h às 15h, por ordem de chegada, com...
Cistos e alterações benignas na mama: acompanhamento pode ser suficiente
O diagnóstico de cistos na mama pode gerar preocupação em algumas mulheres. Mesmo nos casos benignos – que são mais frequentes –, há o medo de o tumor se desenvolver para um câncer. No entanto, segundo especialistas, essa probabilidade é bastante pequena e o protocolo...