Estudo PRADO introduz grande melhoria no atendimento de pacientes com melanoma e metástase em gânglios

Publicado em: 01/06/2020 - 10:06:39
Pesquisa
Tratamento
Cirurgia
Tumores Cutâneos

 

Por João Pedreira Duprat Neto, head da Oncologia Cutânea do A.C.Camargo Cancer Center

Estudo PRADO: pacientes com metástase de melanoma para linfonodos palpável têm prognósticos ruins, em torno de 30% de sobrevida. 

A imunoterapia por tempo curto com apenas 2 ciclos ainda com o tumor presente pode gerar maior resposta. 


Como funciona

Foi multicêntrico, realizado na Holanda. Pacientes com linfonodo (gânglio) palpável fazem a marcação deste e, depois, recebem dois ciclos de imunoterapia com duas drogas (Ipilimumabe e Nivolumabe). 

Seis semanas depois do início, o linfonodo marcado é retirado. Se a resposta foi completa ou restou menos de 10% de células viáveis, o paciente é apenas seguido, sem necessidade de cirurgia maior ou imunoterapia.

Se tiver resposta entre 10 e 50%, recebe a cirurgia completa. Se não tiver nem isso, recebe cirurgia e adjuvância.


Objetivo 

Foi desenvolvido para melhorar a cura desses pacientes. A imunoterapia tem reconhecido efeito no melanoma, porém a adjuvância, ou seja, receber após ser operado, tem tido uma falha importante em relação à imunidade. 

 

Novidades

As vantagens são grandes: aumento da cura dos pacientes e menor necessidade de cirurgias maiores, com maior morbidade.


Benefícios para a ciência

Com certeza, hoje está mais claro o mecanismo de ação da imunoterapia e do melanoma. Esse estudo coloca em prática esse conhecimento para aumentar a cura e diminuir a necessidade de cirurgia com morbidade.

Enfim, esse estudo é muito prático e, com esses dados, nos autoriza a fazer essa mudança. Já temos feito para alguns pacientes, com boa aceitação e bons resultados.

Dr. João Pedreira Duprat Neto e o melanoma

Saiba mais:

- Acompanhe aqui o melhor do ASCO Annual Meeting 2020

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Uma revisão da literatura científica sobre genética que ajuda a identificar os melhores candidatos e os diversos tratamentos no câncer de cabeça e pescoço
Os cientistas analisaram artigos de 2008 a 2016 sobre microRNAs – sequências que regulam a expressão de vários genes – para entender como essas sequências podem ajudar no prognóstico. O grupo de tumores do carcinoma de células escamosas é heterogêneo: laringe, faringe, cavidade oral, cavidade...
Carnes e câncer: a vermelha é mais perigosa que a branca?
Carnes e câncer: muita gente tem dúvidas em relação ao consumo dos diferentes tipos de proteína e o perigo de desenvolver um tumor. Os estudos epidemiológicos feitos até agora não conseguem medir os riscos da carne vermelha e da carne branca separadamente quando elas são...
Gente do Banco de Sangue: conheça Eloir Domingos
Uma conversa tira-dúvidas com a enfermeira que está à frente desse departamento Há quanto tempo você trabalha no Banco de Sangue? Cinco anos e 11 meses, porém já atuo há 10 anos como enfermeira especialista em hemoterapia. A agulha de doação de sangue dói mais...
Náuseas: um flan para combatê-las
Assista ao vídeo e, em 1 minuto e meio, aprenda esta receita que melhora o desconforto Náuseas, um efeito colateral recorrente para os pacientes do A.C.Camargo Cancer Center, sobretudo para quem se submete à quimioterapia. Assim, esta receita preparada pelas nutricionistas da Instituição, um flan...
Câncer de pele: diagnóstico e tratamento da doença
No mês de conscientização sobre o câncer de pele, conversamos com um dos nossos especialistas do Departamento de Oncologia Cutânea, Dr. Eduard René Brechtbühl, para tirar dúvidas e entender mais sobre o diagnóstico e tratamento da doença. Como reconhecer um câncer de pele? Quais os...