Entenda a relação entre o HIV e o câncer

Publicado em: 01/12/2021 - 09:12:04
Linha Fina

Pacientes oncológicos soropositivos, com cuidados especiais, conseguem bons resultados em seus tratamentos. Entenda quais são

Alguns pacientes portadores do vírus HIV têm o desafio de fazer o tratamento contra o câncer e o vírus da imunodeficiência humana ao mesmo tempo. Os cuidados para esses pacientes são especiais, pois o HIV interfere na capacidade do corpo de combater infecções. Por isso, é necessário uma equipe especializada e um centro de referência para garantir o melhor desfecho clínico possível para esses pacientes.  

Cuidados especiais 

Para o paciente oncológico portador do HIV, é fundamental o acompanhamento conjunto do médico oncologista e do infectologista, pois a terapia antirretroviral deve ser mantida durante o tratamento contra o câncer.  

A infecção por HIV pode levar ao aumento de gânglios linfáticos e infecções, simulando uma disseminação do câncer. Por isso, exames de imagem como tomografia, ressonância magnética e PET-CT podem resultar em falsos positivos, sendo muitas vezes necessário fazer biópsia das lesões suspeitas para confirmação. 

O acompanhamento conjunto do oncologista e do infectologista também é importante para o cuidado com as medicações: alguns medicamentos oncológicos podem interagir com a terapia antirretroviral e, caso a interação seja significativa, o tratamento do câncer ou do HIV precisam ser ajustados. 

O HIV pode favorecer o aparecimento de alguns tumores 

Vários fatores podem contribuir para o aumento da incidência de malignidade em pacientes infectados pelo HIV, como a imunossupressão, os efeitos diretos do próprio vírus, coinfecção com outros vírus oncogênicos e fatores ambientais.

Os vírus mais comuns que causam câncer nos pacientes com HIV são o herpesvírus humano-8 (HHV-8), causando o sarcoma de Kaposi; o papilomavírus humano (HPV), resultando em câncer de colo de útero, canal anal e cabeça e pescoço; o vírus Epstein-Barr, causando os linfomas de Hodgkin e não-Hodgkin.

Com o início da terapia antirretroviral generalizada na população portadora de HIV, a incidência de algumas neoplasias reduziu drasticamente, como o sarcoma de Kaposi e os linfomas.

Estudos mostraram que em pacientes com HIV que iniciaram imediatamente o tratamento com o antirretroviral reduziu em 64% o risco de desenvolver câncer quando comparado aos pacientes que adiaram o uso do medicamento.  

Esses pacientes podem fazer quimioterapia?  

Os pacientes portadores do vírus HIV que fazem o tratamento contra o câncer ao mesmo tempo podem sim fazer a quimioterapia. O médico oncologista responsável pelo caso fará a recomendação do número e frequência das seções. Nesse momento é importante o acompanhamento do médico infectologista e a atuação em conjunto entre os dois especialistas. As reduções na carga viral e a restituição da função imunológica podem resultar em uma melhor capacidade de tolerar a quimioterapia e menos infecções oportunistas.

A mesma recomendação se aplica às seções de radioterapia.

Tratamento de pacientes com HIV em um cancer center

No A.C.Camargo Cancer Center, o paciente oncológico com HIV recebe tratamento integral, sendo acompanhado pelas equipes de oncologia, infectologia e outras especialidades necessárias em um mesmo local. A boa comunicação entre as equipes e a experiência do corpo clínico tornam o tratamento do paciente mais seguro e com maior qualidade. 

Para os casos complexos e que fogem dos protocolos clínicos específicos, é feita uma avaliação de forma individualizada nos tumor boards, reuniões feita por uma equipe multiprofissional de especialistas em assistência, ensino e pesquisa do câncer que contribui para o tratamento de forma a beneficiar o paciente com o melhor desfecho clínico. 

Para saber mais sobre os tratamentos oferecidos pelo A.C.Camargo, clique aqui

 

Fonte: Dr. Daniel Garcia, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center. 
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
O papel do enfermeiro navegador e seu impacto na jornada oncológica
Durante a jornada oncológica, pacientes do A.C.Camargo Cancer Center podem contar com a expertise dos enfermeiros navegadores. São profissionais altamente especializados em oncologia que atuam como um elo entre o paciente e todas as equipes (assistenciais e administrativas), desenvolvendo um trabalho fundamental para melhorar os...
"O homem não pode se descuidar de jeito nenhum!"
Sou Carlos Levy, tenho 75 anos, funcionário público aposentado e pai de cinco filhos. Também sou avô dos meus quatro queridos netos e casado com o amor da minha vida, Amália. Desde meus 50 anos tenho um compromisso comigo mesmo: fazer meus exames periódicos. Sigo...
15 de setembro - Dia mundial de conscientização sobre linfomas
Como se prevenir deles? Indo ao médico assim que perceber os sintomas. Então apareceu um gânglio diferente no pescoço, ou na axila, ou na virilha, que não dói, mas você sente extremo cansaço, febre, está suando à noite e também perdendo peso sem razão aparente...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...