Dr. João Duprat examina pinta de paciente

Entenda a diferença entre os tipos de câncer de pele

Publicado em: 11/12/2020 - 09:12:17
Diagnóstico
Prevenção
Epidemiologia
Tumores Cutâneos

Alguns sinais e sintomas pedem atenção e uma consulta com um dermatologista

Conhecer os tipos de câncer de pele e quais suas características é importante para a detecção precoce da doença, que pode alcançar altos índices de cura quando tratada nos estágios iniciais.

Os tumores na pele podem ser divididos em dois grupos: melanomas e não melanomas. Dr. João Pedreira Duprat Neto, head do Centro de Referência de Tumores Cutâneos do A.C.Camargo Cancer Center, explica a diferença entre eles e quais os sinais e sintomas que indicam atenção.

Câncer de pele tipo melanoma 

Os tumores de pele do tipo melanoma têm sua origem nos melanócitos, que são as células produtoras de melanina - pigmento marrom que dá cor à pele para proteger suas camadas mais profundas contra os efeitos nocivos da radiação do sol. Apesar de serem mais comuns em pessoas de pele clara, os negros, os orientais e seus descendentes não estão livres da doença.

Nos estágios iniciais, normalmente o melanoma se manifesta em forma de pinta, que se diferencia das demais por algumas características que podem ser agrupadas em uma regra chamada “ABCDE”:

ABCDE do câncer de pele tipo melanoma

 

Câncer de pele tipo não melanoma

Os tumores não melanoma representam cerca de 95% do total dos casos de câncer de pele e são os mais frequentes no Brasil. Originam da camada superficial da pele e apresentam menor mortalidade quando comparados ao melanoma. Este tipo de câncer é mais comum em pessoas acima de 40 anos.

Os sinais e sintomas variam de pessoa para pessoa, mas é preciso ficar atento às seguintes mudanças:

  • Pinta ou sinal que apresente crescimento, coceira, sangramento frequente ou mude de cor, tamanho, consistência ou espessura.
  • Lesão rosada ou avermelhada de crescimento lento, mas constante.
  • Qualquer ferida que não cicatrize em quatro semanas.
  • Qualquer mancha de nascença que mude de cor, espessura ou tamanho.

Procure um dermatologista

Caso tenha algum dos sinais e sintomas listados acima para melanoma e não melanoma, procure um dermatologista. O médico poderá avaliar melhor se será necessário fazer biópsia ou exames complementares ou se não há necessidade de preocupação.
 

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Nomograma preditor de comprometimento adicional de linfonodos em pacientes com sentinela positivo
O nomograma prevê por cálculos matemáticos e estatísticos a possibilidade de outros linfonodos sentinelas comprometidos pelo melanoma também. Isso ajuda a identificar, de forma mais precisa, quais pacientes deveriam ser submetidos a uma nova cirurgia, e em quais pacientes a observação é uma opção segura...
Dia Nacional do Laringectomizado Total: inspire-se com os integrantes do Coral Sua Voz
A data reforça a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de laringe - se for descoberto e tratado em fase inicial, o câncer de laringe pode chegar a 90% de chance de cura Para celebrar o Dia Nacional do Laringectomizado Total, o...
O futuro da oncologia por métodos genômicos e moleculares
Saiba mais nesta conversa com a cientista e head do Laboratório de Genômica e Biologia Molecular do A.C.Camargo, Dirce Carraro Sobre o futuro da oncologia em termos de prevenção e tratamento por análises genômicas: que avanços recentes a gente poderia destacar? Eu destacaria vários aspectos...
A bebida alcoólica eleva o risco de um câncer de boca?
A bebida alcoólica pode ser, sim, um fator de risco para o desenvolvimento de um câncer. Essa associação ocorre não apenas para um tumor de cabeça e pescoço, como boca, faringe e laringe. O álcool também pode implicar problemas no esôfago, mama e intestino grosso...
Novembro Azul e a evolução no tratamento sistêmico
Assista ao vídeo e entenda melhor como os avanços têm beneficiado os pacientes Novembro Azul está aí e nunca é demais falar sobre as evoluções no tratamento sistêmico dos tumores urológicos. Os últimos dois anos foram de muitas mudanças. Tais avanços trouxeram novas possibilidades terapêuticas...