Dengue: Fique atento!

Publicado em: 26/02/2016 - 21:02:00

Doença infecciosa causada por um vírus, a Dengue traz preocupações para a saúde brasileira desde a década de 1980 – apesar de termos registros de seu transmissor, o mosquito Aedes aegypti, desde o século XVI. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), 390 milhões de casos de Dengue devem surgir anualmente. O Aedes é também o responsável por transmitir Chikungunya Zika, outras doenças infecciosas e de sintomas semelhantes, que surgiram nos últimos anos em vários Estados brasileiros e países pelo mundo.



Apesar de não se conhecer uma relação entre as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e o risco de desenvolvimento do câncer, o paciente em tratamento oncológico deve ter bastante cuidado. "A Dengue, em suas formas mais graves, pode causar problemas hematológicos, como anemia, plaquetopenia e sangramentos. Além disso, durante o tratamento oncológico, o paciente pode ficar mais suscetível a quadros graves da Dengue, pois está com a imunidade fragilizada", observa Dr. Ivan França, diretor do Departamento de Infectologia e SCIH do A.C.Camargo. "Outro ponto de atenção são os sintomas, muito semelhantes a reações observadas no tratamento quimioterápico, como náuseas, diarreia e dores no corpo", ressalta o especialista.

A infecção causada pelo Aedes aegypti pode também potencializar os efeitos adversos causados pela quimioterapia. Por isso, ao ser feito o diagnóstico de DengueChikungunya ou Zika, a conduta terapêutica para o câncer deve ser pausada. "Geralmente orientamos interromper a quimioterapia até a recuperação do quadro de Dengue. Quando encerrado o período de reabilitação do paciente, ele retorna para o tratamento oncológico", explica Dr. Ivan. 

Para se prevenir da picada do mosquito, recomenda-se o uso de repelentes. Os compostos por icaridina ou dietiltoluamida (DEET) não apresentam contraindicações para pacientes oncológicos e protegem por algumas horas, se usados conforme a orientação do fabricante.
 

O agente transmissor

Aedes aegypti é um mosquito com hábitos diurnos e que vive em ambientes domésticos. Os climas tropical e subtropical, predominantes no Brasil, são favoráveis à proliferação do agente transmissor. A fêmea da espécie precisa do sangue humano para conseguir produzir os ovos, que são armazenados em água parada. Se o mosquito que picar o ser humano estiver infectado, por exemplo, com o vírus da Dengue, ele pode transmitir a doença à pessoa picada.
 

Diferenças entre Dengue, Chikungunya e Zika

Apesar de todos serem transmitidos pelo Aedes aegypti e manifestarem sintomas semelhantes, os três tipos de vírus apresentam algumas características distintas.

Dengue costuma apresentar o pior prognóstico para o paciente, com febre alta e fortes dores no corpo. Em seus quadros mais graves, pode causar desidratação, sangramentos, anemia, hipotensão arterial, alterações neurológicas e insuficiência respiratória.

Chikungunya causa dores menos intensas, que ocorrem principalmente nas articulações das mãos e dos pés. Também pode causar hemorragias graves.

Por último, os principais riscos da Zika ainda estão sendo estudados. Cerca de 80% dos infectados não demonstram sintomas, que geralmente são dores leves, manchas vermelhas pelo corpo e febre baixa. No último ano, foi descoberta uma relação entra o Zika vírus e a ocorrência de microcefalia (má-formação congênita, na qual o cérebro do feto não se desenvolve adequadamente).
 

Cuidados importantes para evitar a proliferação do Aedes aegypti

  • Mantenha a caixa d'água fechada e tampe barris e tonéis que possam acumular água.
  • Não deixe a água da chuva acumular em locais como lajes ou calhas.
  • Coloque areia na borda de vasos de plantas – ou lave o pratinho com água e sabão semanalmente.
  • Não acumule garrafas, potes e latas. Coloque todo o lixo em sacos plásticos e mantenha tudo bem fechado.
  • Prefira roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia e utilize telas nas janelas ou mosquiteiros.
  • Semanalmente, lave todos os tanques e locais de armazenamento de água.



Dr. Ivan Leonardo Avelino França e Silva - CRM 93300
Diretor do Departamento de Infectologia e SCIH

Fontes:
<http://combateaedes.saude.gov.br>.
<http://www.brasil.gov.br/saude>.

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

"Tirinhas sem Graça" - Cartunistas deixam a piada de lado e falam sério sobre câncer de próstata
O câncer de próstata é um assunto que deve ser sempre levado a sério. Baseado nesse conceito, o A.C.Camargo divulgou a ação "Tirinhas sem Graça", criada pela agência J. Walter Thompson, com ilustrações de alguns dos principais cartunistas do Brasil sobre a importância do diagnóstico...
462 anos de São Paulo: conheça alguns destaques da maior cidade do país
A cidade mais populosa de toda a América celebra hoje 462 anos. São Paulo não só é um município de grande influência política e econômica, mas também local de ricas histórias, com locais e personagens marcantes. Como homenagem à cidade sede do A.C.Camargo, conheça alguns...
7 entre 10 casos de câncer de fígado e estômago são relacionados com Hepatites B e C e H. pylory
Estimativa realizada pelo A.C.Camargo Cancer Center aponta que 70% dos tumores de estômago são associados à presença da bactéria H. pylori. O mesmo percentual é atribuído às Hepatites B e C em relação ao hepatocarcinoma, tipo mais comum de câncer no fígado. Além dessas infecções...
A perigosa relação dos jovens com o cigarro
Momento de transição para a idade adulta, é na adolescência que, geralmente, acontece o período de autoafirmação social. É nessa fase que a adoção de comportamentos e a tomada de algumas decisões podem trazer consequências prejudiciais à saúde. Um desses exemplos é o cigarro, que...
A relação entre tabagismo e obesidade com câncer de pâncreas
Os dados podem assustar: fumantes têm risco de 2 a 6 vezes maior do que não fumantes de desenvolver câncer de pâncreas; entre 20% e 30% dos pacientes diagnosticados são fumantes; e 20% dos pacientes são obesos e diabéticos obesos. A principal forma de prevenir...