Cuidados na recuperação após tratamento cirúrgico de câncer colorretal

Publicado em: 03/03/2016 - 21:03:00
Tratamento
Reabilitação
Suporte e Reabilitação
Tumores Colorretais

A cirurgia é o principal método de tratamento para casos de câncer colorretal (sem metástases). No A.C.Camargo Cancer Center, mais de 70% dessas cirurgias são minimamente invasivas, isto é, realizadas por videolaparoscopia ou por meio de equipamentos robóticos, como o robô Da Vinci. Os benefícios para os pacientes são, principalmente, maior segurança, menor agressividade e recuperação mais rápida.

Em alguns casos, após a remoção cirúrgica do tumor, é necessário exteriorizar o cólon (região do intestino grosso) ou o íleo (parte final do intestino delgado). Esses procedimentos são denominados, respectivamente, colostomia e ileostomia. O paciente, dependendo do estadiamento da doença e do tratamento realizado, pode utilizar provisória ou permanentemente uma bolsa especial que auxilia no processo de evacuação das fezes.

Para maior segurança e visando proporcionar melhor qualidade de vida para o paciente, alguns cuidados com a bolsa de colostomia/ileostomia são essenciais:

  • A bolsa deve ser higienizada todos os dias. Sua troca pode ser feita uma ou duas vezes por semana, conforme a necessidade. Sua utilização é em tempo integral, pois não haverá meios de segurar a vontade de evacuar e/ou urinar.
  • Esvazie sempre que estiver acima de um terço da capacidade. Isso evita o peso excessivo e reduz o risco de deslocamento da bolsa.
  • Após a completa recuperação pós-cirúrgica, o paciente, mesmo com a bolsa, pode voltar a praticar algumas atividades físicas leves, sempre mediante orientação médica.
  • Quando o paciente está vestido, as bolsas de colostomia/ileostomia não ficam visíveis para o público. Voltar à rotina pode ser de importante ajuda psicológica. Converse com pessoas próximas para combinar um retorno gradual ao trabalho e, assim, ganhar maior confiança com o passar dos dias.
  • Fique atento a alterações como irritação da pele ao redor ou febre. Em caso de complicações, procure um especialista para avaliação.
  • Ao tomar banho, o paciente pode permanecer com a bolsa coletora, pois é impermeável.
  • Evite ambientes com altas temperaturas, como praias.
  • Sempre que sair de casa, leve um kit com lenços, roupas e material para trocar a bolsa, para se prevenir de eventuais emergências.

Durante essa fase de recuperação, atenção também à alimentação. A retirada parcial ou total do intestino grosso, cuja função é absorver os líquidos do bolo fecal, pode diluir as fezes. A correta ingestão de alimentos pode ajudar na reabilitação de tecidos prejudicados durante a remoção cirúrgica. Confira as dicas:

  • Consulte um nutricionista. Cada paciente tem uma dieta alimentar mais apropriada.
  • Beba bastante água e suco. É importante se manter sempre hidratado.
  • Evite alimentos industrializados, frituras e alimentos com sal.
  • Faça refeições pequenas de três em três horas. Mastigue devagar e evite grandes quantidades de líquidos durante as refeições.
  • Atenção ao consumo de frutos do mar, que podem contribuir para um odor mais desagradável da bolsa. Evite também ovos, cebola, e vegetais da família Brassicaceae, como brócolis e couve-flor.


Dr. Samuel Aguiar Jr. - CRM 84495
Diretor do Núcleo de Tumores Colorretais
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 43422

Renata Ferrari - COREN-SP 247395
Titular da Enfermagem do Ambulatório Fernando Gentil

Veja também

Tumores digestivos: uma seleção de conteúdos para você saber tudo e se proteger
Tumores digestivos são aqueles que atingem estômago, esôfago, fígado, pâncreas, intestino delgado, GIST (tumor estromal gastrointestinal) e vesícula biliar e vias biliares. No A.C.Camargo Cancer Center, eles são tratados por uma equipe multidisciplinar no Centro de Referência em Tumores do Aparelho Digestivo Alto, que entende...
Oncogeriatria: o desafio de tratar uma população com cada vez mais idosos
Sessão educativa do ASCO mostrou a necessidade de produzir dados específicos para o tratamento do paciente idoso e adotar comunicação mais clara que facilite a tomada de decisão Estima-se que, em 2040, 70% dos diagnósticos de câncer serão de pessoas com mais de 65 anos...
Covid-19: 12 maneiras de apoiar um amigo ou parente com câncer  
Ajude um ente querido com câncer em tempos de pandemia – e não permita que ele abandone o tratamento A Covid-19 mudou a vida de todos. Em especial, a vida dos pacientes com câncer, que vivem uma nova rotina – isolados e, em alguns casos...
Covid-19: como a quarentena influencia nosso sono
Ter sonhos vívidos ou dormir de forma intermitente durante a noite costumam ser características que ocorrem em momentos de estresse, como a pandemia do novo Coronavírus Covid-19 e nossa relação com o sono. Durante o isolamento social, muitas pessoas dizem enfrentar uma noite de sono...
Radioterapia: acolhimento ao paciente
Por Katia Trigo, Enfermeira da Radioterapia do A.C.Camargo Cancer Center Na Semana Brasileira da Oncologia, apresentei o resultado do trabalho de acolhimento, conhecido como Radiotour, que realizamos no A.C.Camargo Cancer Center. É algo inovador e vai de encontro com os temas mais atuais em relação...