Coronavírus: cuidados necessários para quem toma hormônio contínuo

Publicado em: 27/03/2020 - 10:03:06
Prevenção
Tratamento
Suporte e Reabilitação

Paciente não faz parte do grupo de risco e deve ter as mesmas precauções da população geral

O novo Coronavírus mudou a rotina de muita gente e é importante estar atento à higienização correta das mãos, à etiqueta da tosse e ao isolamento social.

Para pacientes oncológicos, o cuidado deve ser redobrado, considerando que alguns tratamentos, muitas vezes, podem afetar o sistema imunológico e deixar o organismo mais suscetível à Covid-19.

O que não é o caso da hormonioterapia.


Coronavírus e hormônios

Para aqueles que fazem uso de hormônio contínuo, as precauções contra a Covid-19 são as mesmas para a população em geral.

"Pacientes que recebem hormonioterapia, geralmente, têm baixo risco de apresentar imunossupressão, que é a queda de imunidade. Portanto, eles acabam menos vulneráveis a infecções em relação a quem recebe quimioterapia", explica o Dr. Helano Carioca Freire, oncologista clínico do A.C.Camargo Cancer Center.

Nem por isso o paciente deve se descuidar. As orientações de higiene das mãos e etiqueta da tosse, além do isolamento social, devem ser mantidas para esse tipo de público.

Confira algumas situações que o paciente deve evitar:
- Aglomerações e ambientes fechados
- O cumprimento com apertos de mão, beijos e abraços, mesmo nos médicos e outros profissionais de saúde 
- Visitas desnecessárias
- Acompanhantes que apresentem sintomas de gripe ou suspeita de Coronavírus – é importante que seja apenas um acompanhante.

Mais Coronavírus:
- Coronavírus: como proteger cuidadores e pacientes com câncer
- Coronavírus: radioterapia e quimioterapia devem ser suspensas?
- Podcast Rádio Cancer Center #8 - Coronavírus e oncologia
- Vídeo: o Coronavírus e a oncologia
- Como manter sua saúde mental em tempos de Coronavírus
- Coronavírus: por que tomar a vacina da gripe é importante
- Coronavírus: é seguro viajar de avião?
- Como se proteger
- Coronavírus e o paciente oncológico

- Nova política para visitas e acompanhantes
- Recomendações importantes
- Dúvidas mais frequentes
- O que é
- Estudo avalia relação do Coronavírus com o câncer

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?

Veja também

Colonoscopia: rastreamento eficaz, expansão difícil
Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer colorretal está entre os três tumores mais comuns na população brasileira, com 16,66 casos para cada 100 mil homens e 17,62 para 100 mil mulheres. No entanto, o principal exame de rastreamento da doença, a...
A.C.Camargo Cancer Center - do Brasil para o mundo! 
Somos o único representante da América Latina a compartilhar conhecimento no curso da União Internacional para o Controle do Câncer (UICC) ao lado dos maiores Cancer Centers do mundo, como o canadense Princess Margaret. O objetivo desse encontro é ensinar o modelo de sucesso do...
Tumores ginecológicos: uma seleção de conteúdos para você saber tudo sobre a saúde da mulher
Tumores ginecológicos: mais de 30 mil mulheres são diagnosticadas anualmente, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). Uma vez que os sintomas são ausentes ou inespecíficos na fase inicial do tumor, muitas vezes fica complicado perceber precocemente um câncer de colo de útero...
Câncer de cólon e reto: conheça os fatores de risco, sinais e sintomas
O câncer de cólon e reto é o terceiro mais comum entre os homens e mulheres no Brasil – um tipo de tumor que, inclusive, foi diagnosticado naquele que é considerado o maior jogador de futebol de todos os tempos, o “Atleta do Século”. Segundo...
Vídeo: de residente a titular da Oncologia Clínica
Assista a este capítulo da série Os Bastidores da Luta contra o Câncer e entenda como essa especialidade é fundamental na reabilitação dos pacientes Titular da Oncologia Clínica, Marcelo Corassa terminou a faculdade de Medicina em 2011, em Vitória, no Espírito Santo. Após concluir a...