Colonoscopia: rastreamento eficaz, expansão difícil

Publicado em: 15/01/2015 - 22:01:00

Segundo estimativas do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer colorretal está entre os três tumores mais comuns na população brasileira, com 16,66 casos para cada 100 mil homens e 17,62 para 100 mil mulheres. No entanto, o principal exame de rastreamento da doença, a colonoscopia, ainda é pouco procurado pelos pacientes, por ser considerado invasivo e ter um custo mais elevado. 



Diferentemente de outros métodos de detecção precoce – como a mamografia, o papanicolau e o toque retal para os cânceres de mama, colo do útero e próstata, respectivamente –, que são feitos mais rapidamente e após os procedimentos o paciente já é liberado, a colonoscopia exige um tempo de recuperação maior. "Quem a realiza, em geral, precisa dispor de um período do dia, pois é necessário preparar o intestino e receber sedação", explica Dr. Samuel Aguiar Jr., chefe do Núcleo de Tumores Colorretais do A.C.Camargo Cancer Center. Além disso, é um procedimento mais invasivo, pois é necessária a introdução de um tubo flexível pelo ânus, com uma microcâmera que transmite as imagens captadas por todo o canal.

Essas questões, entretanto, não diminuem a importância de expandir a prática da colonoscopia. "É comprovada a queda de mortalidade em longo prazo quando se faz o rastreamento do câncer de intestino de forma preventiva, em quem não apresenta sintomas", aponta o médico. Porém, no caso da colonoscopia, é mais complexo incentivar ações semelhantes às que existem para mamografia e exame de toque retal. "Isso porque o câncer colorretal não tem prevalência homogênea em todo o Brasil. É muito mais comum nas regiões Sul e Sudeste do que no Norte e Nordeste. Fica mais difícil idealizar um trabalho de expansão nacional nesse cenário", argumenta Dr. Samuel.

Alternativas

O especialista aponta duas opções para promover a detecção precoce do câncer colorretal: a iniciativa individual do próprio paciente de solicitar ao médico a colonoscopia em seus exames de rotina (recomendável a partir dos 50 ou 40 anos para quem tem histórico familiar); e/ou realizar anualmente o exame de sangue oculto nas fezes. "Esse exame funciona como uma 'pré-seleção' para a colonoscopia, pois pode identificar sangue nas fezes associado ou não ao câncer de intestino e isso permite estabelecer se o paciente precisa se submeter a uma colonoscopia", explica. O médico destaca a grande vantagem desse procedimento: "Apenas 10% dos casos, aproximadamente, têm resultados positivos e precisam realizar exames complementares. Assim, em vez de incentivar a colonoscopia em todos os pacientes acima dos 50 anos ou em quem tem histórico familiar, é possível recomendar somente para quem realmente precisa".

Dr. Samuel salienta que, no Brasil, ainda não se conhece o custo-benefício para idealizar um trabalho, de âmbito nacional, de sangue oculto nas fezes. Mas, ao visualizar números semelhantes de incidência do câncer colorretal na Europa e nas principais metrópoles brasileiras, o médico avalia ser possível apostar nesse tipo de ação. "Como as regiões Sul e Sudeste têm prevalência semelhante aos países europeus, poderíamos avaliar a viabilidade de promover campanhas pela realização do exame nesses locais", finaliza o médico.

O A.C.Camargo Cancer Center realiza um estudo piloto desde fevereiro sobre sangue oculto nas fezes e sua possível eficiência caso seja aplicado no Brasil. Esse estudo tem apoio da Tokyo Medical and Dental University (TMDU) e do governo do Japão, além da iniciativa privada japonesa, representada pela Fujifilm e pela Eiken.

De fevereiro a julho, 1.500 pessoas fizeram o exame com o kit japonês. Desse total, 87, todas assintomáticas, apresentaram resultado positivo para presença de sangue nas fezes e foram encaminhadas para realizar colonoscopia. "Detectamos lesões precoces em 26 pessoas e câncer de intestino em quatro, que já estão em tratamento no A.C.Camargo", informou Dr. Samuel. A pesquisa conta com outras duas instituições brasileiras e está prevista para se encerrar em 2015.

Dr. Samuel Aguiar Jr. - CRM 84495
Chefe do Núcleo de Tumores Colorretais
Especialista em Cancerologia Cirúrgica - RQE nº 43422

Avaliação de conteúdo

Você gostaria de avaliar esse conteúdo?
Esse conteúdo foi útil?
Gostaria de comentar algo sobre esse conteúdo?
Ao continuar você confirma ter ciência de nossa Política de Privacidade e dos respectivos Avisos de Privacidade e Proteção de Dados presentes em nosso Portal de Privacidade.
CAPTCHA
Esta pergunta é para testar se você é humano e para evitar envios de spam

Veja também

A mamografia e o tumor de intervalo: entenda a relação
Em 5 de fevereiro, comemoramos o Dia Nacional da Mamografia. Esta data precisa mesmo ser comemorada, pois a mamografia é o exame capaz de diagnosticar o câncer de mama em seus estágios iniciais e salvar vidas de mulheres. O câncer de mama está em primeiro...
15 de setembro - Dia mundial de conscientização sobre linfomas
Como se prevenir deles? Indo ao médico assim que perceber os sintomas. Então apareceu um gânglio diferente no pescoço, ou na axila, ou na virilha, que não dói, mas você sente extremo cansaço, febre, está suando à noite e também perdendo peso sem razão aparente...
15/09 - Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas
A conversa de hoje é sobre linfomas. Entre os 10 tipos de câncer mais frequentes na população brasileira está o linfoma, que é caracterizado pelo aumento de um gânglio linfático, causando um "inchaço" no local. Existe até um Dia Mundial de Conscientização sobre Linfomas, que...
21/09: Dia Mundial do Doador de Medula Óssea
Em 21 de setembro é comemorado o Dia Mundial do Doador de Medula Óssea, que tem como objetivo a conscientização sobre a importância da doação de medula óssea. O procedimento servirá para o transplante, um tipo de tratamento que visa substituir uma medula óssea doente...
25/09 - Palestra Segurança do Paciente: participe!
A importância do paciente, acompanhante e cuidador no atendimento hospitalar Convidamos você para participar de uma palestra especial, onde falaremos sobre a importância de cada pessoa nas questões relacionadas à segurança de nossos pacientes. Será uma tarde de compartilhamento de muito conhecimento e experiências. Você...